Vozes pela educação
16/05/2019 19:21
Ana Carolina Moraes, Gabriela Azevedo e Tatiana Abreu

Passeata no Centro do Rio reúne cariocas de diversas idades contra a redução de verbas para o ensino público  

Estudantes fizeram um ato pacífico pela qualidade do ensino no país. Foto: Bia Côrtes.


A manifestação contra os cortes de verbas anunciados pelo Ministério da Educação (MEC) reuniu vozes diversas, do professor ao advogado, de estudantes a aposentados, na Candelária, no dia 15. Os organizadores do movimento declararam que mais de 100 mil pessoas caminharam, de forma pacífica, pelas ruas do Centro do Rio para reivindicar por melhorias na educação e prioridade no investimento no ensino público. Durante toda a tarde, era possível ouvir palavras de ordem, algumas que definiam o desejo de todos como: “A nossa luta unificou, é estudante junto do trabalhador”. 

O foco do protesto foi a educação, mas também ocorreram discussões sobre a Reforma da Previdência, movimento negro, LGBTQIA+, e pautas relacionadas ao governo estadual, como o projeto de lei que visa acabar com as cotas na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Um casal de idosos acompanhou a manifestação de mãos dadas, e eles se definiram como “veteranos de 68”. O grupo Tricolores de Esquerda participou da passeata para apoiar o movimento dos estudantes pois, para os integrantes do coletivo, uma economia forte de um país só vai para frente com a educação.

Ao longo do dia, foi possível observar a presença de várias famílias, como foi o caso de Rozeli Cordeiro, de 50 anos, e a filha Manoela Cordeiro, de 10 anos. A mãe contou que foi para a manifestação a pedido da filha, estudante do Colégio Pedro II, unidade São Cristóvão. Elas protestavam contra o corte de verbas na educação, e Rozeli afirmou que tinha esperança na educação, mas se decepcionou com os acontecimentos recentes.

- Ela (se referindo à filha) quis fazer o cartaz, e disse ‘mãe, se você não for lá lutar, no meio do semestre não vai ter dinheiro para luz, água e segurança no colégio. Com isso, o professor vai parar de dar aula e vai entrar em greve por meses. Vim aqui para lutar pelo futuro da minha filha.

Rozeli Cordeiro levou a filha, Manoela Cordeiro, para a passeata. Foto: Gabriela Azevedo.

O protesto também reuniu pessoas de outras profissões não relacionadas diretamente à área da educação. Uma delas foi o advogado aposentado André Acher, que afirmou não ver saída para a crise que não envolva o investimento na cultura. Na opinião dele, o currículo escolar abrange uma variedade muito extensa de conteúdos, que não são explicados de forma aprofundada. A consequência disso, explicou, é que muitos alunos se formam sem terem realmente fixado o conteúdo. Ele comparou os cortes determinados pelo governo a um assassinato e criticou a meritocracia.

- Eu sempre estudei em escolas públicas, e acho um absurdo que as pessoas não têm acesso garantido à educação. E depois se fala em meritocracia, quando, na verdade, meia dúzia tem dinheiro para frequentar a escola. Por isso, é necessário que se discuta o tipo de educação que queremos oferecer no Brasil, um país onde o nível de cultura ainda é, infelizmente, muito baixo.

A criminalização do professor foi o que motivou Janaína Neri Viana, professora de português e literatura da rede pública, a comparecer ao protesto. Para ela, governo e população ainda não reconhecem a importância da profissão. Janaína acredita que os baixos salários são um reflexo desta realidade, e ressaltou que é preciso muito esforço para ocupar a posição de educador.

- No nosso exercício de aprimorar o senso crítico e estimular o pensamento, que é o nosso trabalho, estamos sendo chamados de doutrinadores. É um desconhecimento completo do que é o papel do educador. Estamos ali fazendo trabalho de formiguinha, transformando vidas, e é nisso que tem que se pensar.

Estudantes carregam cartazes com palavras de ordem. Foto: Bia Côrtes.

Servidora da rede municipal de Niterói há 15 anos, Oraide Soares, de 55 anos, é merendeira e lembrou que a educação de base vem sendo sucateada há algum tempo. Ela relatou que não só a educação pública como todos serviços públicos deveriam ser referência para serviços privados. A merendeira criticou o fato de a sociedade brasileira não reivindicar os seus direitos.

- Nós, cidadãos, queremos que nossos recursos sejam bem administrados, mas precisamos participar e cobrar dos políticos, se não participamos de uma manifestação dessas, permitimos que eles continuem destruindo a educação pública.          

Ex-deputado federal pelo Rio de Janeiro, Chico Alencar discutiu e votou o orçamento para o ano de 2019. Ele afirmou que já era um número limitado para pagar juros e serviços da dívida e considera que este contingenciamento é uma “involução” do governo. Alencar lembrou que não foi dada uma razão técnica para os cortes e que estes prejudicarão não só o funcionamento das universidades e institutos federais, como a imagem do país no exterior.

- É uma política indiscriminada que cortou 30% do setor da educação e 95% do orçamento do meio ambiente. A educação é central, sem ela, nenhum país se desenvolve. Com certeza, vai acabar prejudicando mais ainda a imagem do país no exterior. Mas o Brasil é maior que isso tudo, os idiotas estão no poder, os que são úteis para o país estão nas ruas.

Ex-deputado federal, Chico Alencar apoia a manifestação. Foto: Bia Côrtes.

A Pró-reitora de Extensão da UFRJ, Maria Mello, comentou sobre a importância das universidades públicas para realizar ensino, pesquisa e extensão que emancipem e desenvolvam a sociedade brasileira. Segundo ela, os cortes vão comprometer a autonomia de pensamento, produção científica, artística e social para a construção de um país cada vez mais desenvolvido e voltado para os interesses do povo. Maria também enfatizou que as melhorias na educação vão além de investimentos financeiros e que a ampla participação popular é importante.

- Nossa experiência de construção democrática dos planos nacionais de educação é muito recente e muitíssimo importante de ser preservada. A participação da sociedade civil organizada, com os conselhos municipais, estaduais e nacional de educação, é um instrumento fundamental neste processo. Os docentes, estudantes e técnicos envolvidos na complexa atividade de educar têm que ser mais ouvidos no âmbito das formulações dos planos e das ações de educação, especialmente no cotidiano dos locais de trabalho. Os governos têm que ouvir mais os trabalhadores para avançar.

Mais Recentes
Vazamento de esgoto polui Rio Rainha na Gávea
A prefeitura do campus da PUC-Rio entrou em contato com a CEDAE mais de uma vez, mas ainda não obteve um retorno da companhia.  
Histórias cobertas de cinzas
Manifestantes se reúnem na Cinelância para protestar após incêndio que destruiu Museu Nacional