Aluna de artes cênicas destaca papel da Mostra Bosque para mapear horizontes profissionais
30/09/2016 12:48
Diana Fidalgo

Aos 21 anos, Deborah Schorr é um dos 40 estudantes envolvidos na iniciativa que reúne palestras, oficinas, encenações

A quarta edição da Mostra Bosque - PUC Cena Experimental se despede nesta sexta do campus com uma contabilidade nada desprezível: 60 atrações gratuitas, desde aulas e palestras até encenações. Artistas de diversas linhas e linguagens desdobram-se em palestras, performances, exposições, shows, oficinas, leituras. Na maratona organizada pelo curso de Artes Cênicas da PUC-Rio, articulam-se estudantes e profissionais da área. A figuras renomadas – como Fernanda Torres, Thiago Lacerda e Enrique Díaz, participantes de edições anteriores –, somam-se talentos em formação. Caso da jovem Deborah Schorr, um dos quase 40 estudantes envolvidos na organização da Mostra Bosque. Aos 21 anos, a aluna de artes cênicas destaca a importância da iniciativa para mapear caminhos neste mercado:

– É minha terceira participação na mostra. A gente enlouquece, mas o funcionamento dos bastidores, a troca de conhecimento com os artistas experientes, a grandiosidade que esse tipo de produção tem, toda a produção artística, isso tudo forma uma base importante para entender melhor  área e visualizar as alternativas do futuro profissional. 

Há três meses, enquanto a Rio 2016 ganhava corpo na cidadã, Deborah embarcava numa outra olimpíada. Desde as “férias de julho”, conta a estudante, ela saía quase diariamente da casa em Botafogo para participar, na PUC, das reuniões que organizavam a Mostra Bosque. Com o início das aulas, teve que conciliar as cinco disciplinas da rotina acadêmica com aprovações de roteiros para a iniciativa e outros procedimentos necessários à produção, como a entrega de documentos a artistas. “Pelo menos eu tinha direito a refeição do bandejão”, brinca, referindo-se à parceria do serviço com a mostra.

A intimidade com o mundo das artes cênicas traz para a Deborah pelo menos uma certeza e algumas doces dúvidas. Ao mergulhar nos bastidores da Mostra Bosque, ela confirma a vocação que a ajudou até a vencer preconceitos, mas aguça as incertezas sobre a área de atuação. À intenção inicial de virar atriz de teatro, incorporam-se opções como roteirista e produção artística:

– Ao participar da organização da mostra pela terceira vez, percebi que me identifico também com as áreas de produção e roteiro. Representam oportunidades interessantes, mesmo atrás dos holofotes.    

Mais Recentes
Mulheres marcadas pela pele
Gerações de tatuadoras traçam experiências no ramo dos desenhos permanentes
Instrumentos chineses, um voo de 7000 anos
Hoje a China divide a cultura musical entre os instrumentos tradicionais e os ocidentais
Além da Caverna
No livro "Os Meninos da Caverna", repórter revela não só o resgate de tailandeses presos em uma caverna mas também mostra um panorama cultural de uma parte do Oriente