PUC-Rio lança mestrado profissional em Direito Civil
01/07/2019 16:05
Gabriela Azevedo e Tatiana Abreu

Universidade é pioneira a oferecer o curso no Rio de Janeiro

Professoras Caitlin Mulholland e Thamis Dalsenter. Foto: Maloni Cuerci.

A PUC-Rio é a primeira instituição, no Rio Janeiro, a oferecer curso de mestrado profissional em Direito Privado. O Mestrado Profissional em Direito Civil Contemporâneo e Prática Jurídica foi idealizado pelas professoras Caitlin Mulholland e Thamis Dalsenter, do Departamento de Direito. A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) aprovou o curso no início de junho e ele foi o único mestrado profissional em direito a ser aprovado. As aulas serão no turno da noite, e o início está previsto para 2020.

Com duração de dois anos, o mestrado terá duas linhas de pesquisa: Instituições do Direito Civil Contemporâneo e Prática Jurídica. Thamis Dalsenter explica que há uma demanda do mercado por um mestrado profissional na área de Direito Civil, voltado para alunos interessados em qualificar a formação acadêmica e, assim, aplicar esse conhecimento ao ambiente profissional. Segundo a professora, muitos alunos desejam fazer um mestrado, mas não em um formato acadêmico.

- A estrutura curricular é pensada para atender essa formação qualificada que agrega teoria e prática. Alguns estudantes também se frustravam nos programas acadêmicos pela falta de diálogo com o direito privado. Por isso, vamos ter disciplinas de direito empresarial, de propriedade intelectual, direito ambiental, tecnologia, direito regulatório e do consumidor. Unimos a grade clássica do Direito Civil com temas contemporâneos.

Professora Thamis Dalsenter. Foto: Maloni Cuerci.

O corpo docente será formado por dez professores e três colaboradores. Caitlin Mulholland ressalta que o currículo é dinâmico, o que vai permitir ao aluno maior liberdade para planejar a grade, com eletivas programadas e a possibilidade de inserir eletivas livres. Durante o curso, por exemplo, pode surgir uma legislação específica ou uma regulação, e o professor poderá decidir se é interessante abordar aquele assunto em uma eletiva. Caitlin conta que durante o processo de criação do mestrado, ela e Thamis conversaram com ex-alunos e observaram as necessidades do mercado. Segundo a professora, o curso será noturno para que profissionais da área, que atuam no mercado, possam conciliar trabalho e estudos.

- Temos muitos juízes, advogados privados e públicos que não conseguem cursar um mestrado acadêmico, por causa de horário. A proposta é que as pessoas continuem nas suas atividades profissionais e venham para assistir e participar das aulas e dinâmicas propostas em aula.

Professora Caitlin Mulholland. Foto: Maloni Cuerci.

Para a primeira turma, serão oferecidas 20 vagas. O desejo das professoras é alcançar 10%, no futuro, bolsas concedidas, duas por turma, mas, para isso, será necessário ter 20 alunos e mais dois professores. Mas, de acordo com as coordenadoras do curso, essa possibilidade só será possível em 2022, depois da primeira turma formada.

Mais Recentes
Os Impasses do sistema educacional brasileiro
Debate aborda os desafios das instituições de ensino no Brasil e as dificuldades criadas pelo Decreto de Contingenciamento de março de 2019
Transmissão do saber
Aula Inaugural do Departamento de Educação aborda relações de ensino e aprendizagem
38 anos de Neam
Em cerimônia no auditório do RDC, professores relembram história do projeto