Passaporte para correspondente internacional
01/10/2021 15:59
Gabriel Meirelles

Ex-aluno da PUC-Rio, jornalista Marcelo Courrege revela em palestra os caminhos que percorreu para trabalhar no exterior

Marcelo Courrege em uma praia na cidade de Palanga, na Litunia

O correspondente da TV Globo em Londres Marcelo Courrege abriu a Semana do Audiovisual 2021.2 da PUC-Rio com histrias e dicas sobre jornalismo esportivo e internacional. Diante do cenrio paradisaco do litoral da Litunia – onde ele est por causa da cobertura da Copa do Mundo de Futsal –, o ex-aluno da Universidade compartilhou a trajetria profissional e contou os principais desafios que enfrentou para conseguir trabalhar no exterior. Com duas Copas do Mundo e duas Olimpadas no currculo, o reprter se prepara, agora, para uma nova experincia: ser transferido para Paris em 2022.

Conhecido pelos colegas de turma como Marcelinho Mega-fone, Courrege ingressou na PUC-Rio para cursar Comunicao Social – Jornalismo em 2000. Comeou a carreira no jornal esportivo Lance!, em 2002, quando estava no 5º  perodo da Universidade. No ano seguinte, passou no processo seletivo para o Infoglobo e se formou na graduao. Em 2004, foi contratado pelo Sistema Globo de Rdio, onde trabalhou na equipe de esportes com o radialista Eraldo Leite.

A ida de Marcelo Courrege para a televiso ocorreu entre julho e agosto de 2007. O reprter havia recebido convite da TV Record, mas achou que seria um gesto de ingratido com a Globo migrar para uma emissora concorrente depois de todo o investimento colocado nele desde a poca de trainee. Durante a cobertura de um treino do Vasco, a dvida em aceitar ou recusar o chamado ficou evidente em seu rosto e despertou a ateno do colega Eric Faria, que o apresentou ao ento diretor executivo da Central Globo de Esportes, Joo Pedro Paes Leme. Courrege fez alguns testes e foi contratado no perodo dos jogos Pan-Americanos do Rio.

Uma vez na televiso, o jornalista percorreu um longo caminho at se tornar correspondente internacional. Primeiro, se destacou com reportagens sobre vlei e foi designado, em 2012, para cobrir a Frmula 1. Durante cinco temporadas, viveu experincias semelhantes s de um correspondente, j que o reprter desta competio de automobilismo viaja a 19 pases diferentes, no mnimo. Aps a Olimpada do Rio de Janeiro em 2016, Courrege recebeu o convite para se mudar provisoriamente a Moscou, por ocasio da Copa do Mundo de 2018. Alm do torneio, ele cobriu o centenrio da Revoluo Russa, a ltima eleio de Vladimir Putin, protestos locais e a visita do presidente do Brasil, Michel Temer, em 2017.

Esportes e Breaking News

O reprter precisou conquistar a confiana dos chefes por meio da versatilidade antes de se tornar correspondente internacional. Apesar de trabalhar sobretudo com esportes, ele  j demonstrava capacidade e disposio para realizar coberturas de outros setores desde a poca do rdio. Ele enxerga a especializao como algo bom, mas acredita que o jornalista no pode desprezar o conhecimento de outras reas e deve estar preparado para falar sobre qualquer assunto. Como exemplo, citou a chegada Rssia para cobrir a Copa, quando a primeira entrada ao vivo no foi para falar de futebol, mas sim sobre um ato de terrorismo.

– Eu fui para Moscou em maio de 2017. Cheguei num dia, e, no dia seguinte, houve um atentado ao metr de So Petersburgo. Dois terroristas do Tajiquisto explodiram uma bomba, e aquilo ali Breaking News. Eu no tinha me preparado para fazer aquilo, mas o reprter precisa estar pronto para entrar a qualquer momento no ar, independentemente da razo primria da viagem que est fazendo - relatou.

Crdito: Globo/Divulgao

Morar em outro continente permitiu a Courrege acompanhar de perto a deteriorao da imagem externa do Brasil ao longo dos ltimos oito anos. Segundo o jornalista, o Oriente consegue entender a situao poltica brasileira com mais facilidade do que o Ocidente por conta da familiaridade da populao com golpes de Estado e perpetuaes no poder por parte de alguns lderes do Leste Europeu e da sia. O correspondente fez uma autocrtica imprensa brasileira, que, para ele, no conseguiu lidar com o pblico conservador e com a ampliao do compartilhamento de informaes pela internet.

– A gente no soube se comunicar com este pblico de pulso conservadora. Muitos brasileiros foram migrando para o hbito de se informar pelas redes sociais, de grupos de WhatsApp. A gente perdeu a interlocuo que se fazia  com estas pessoas e a gente v hoje um estgio avanado da runa da democracia brasileira – analisou.

Marcelo Courrege acredita na importncia de se viver o ambiente universitrio para o desenvolvimento do jornalista. Ele recordou que descartou uma proposta de estgio da professora Snia Miranda, no 2º perodo, porque ficou com medo de entrar no ritmo do mercado muito cedo e negligenciar o conhecimento oferecido pela Universidade. O ex-aluno da PUC-Rio destacou, ainda, como a disciplina sobre jornalismo internacional o ajudou a chegar ao posto de correspondente, to desejado desde a juventude.

– Muitas pessoas depreciam o aprendizado recebido no meio acadmico, e eu acredito que a construo do currculo do jornalista, especialmente em uma universidade como a PUC-Rio, muito pensada e til em vrios pontos da nossa carreira, na ao prtica do dia a dia. O mercado empurra para longe do ambiente acadmico, e a gente perde essa poca to curta e to especial da vida, de momentos importantes para a nossa formao e para as nossas memrias no futuro – observou.

A palestra est disponvel no canal do Departamento de Comunicao da PUC-Rio no YouTube. No mesmo perfil, esto publicadas as gravaes dos outros convidados para a Semana do Audiovisual 2021.2, como os executivos da Play9 Joo Pedro Paes Leme e Andr Boaventura, e o apresentador e comentarista Carlos Eduardo Eboli. Para acessar todos os vdeos, clique aqui.

Mais Recentes
PUC-Rio faz homenagem a benfeitores
Seis personalidades recebem medalha Padre Leonel Franca
Construo de teias para ensino e aprendizagem
Funo dos livros didticos foi tema do primeiro dia de encontro do III TEIAS
Acesso democrtico a bens essenciais
Participantes da 3ª Semana das Comunidades reforam a necessidade de mais projetos que contemplem pessoas em situao vulnervel