Mesma essência em diferentes frequências
27/09/2022 17:51
Luzi Alves

Em comemoração do centenário do rádio, a professora Rose Esquenazi analisa as transformações do meio de comunicação

Professora Rose Esquenazi (foto: Luzi Alves)

Do radinho de pilha à transmissão via internet: em um século de história, o rádio sobrevive no Brasil. De acordo com pesquisa do Kantar IBOPE Media 2022, 83% da população brasileira escuta rádio, o que significa que o meio ainda é bastante consumido. Neste mês, ele completou 100 anos de atividade no país, desde que foi implementado em 7 de setembro de 1922. E nesse domingo, 25, foi comemorado o Dia Nacional do Rádio. Para refletir sobre o atual momento do veículo de comunicação, a professora Rose Esquenazi, especialista em história do rádio, comenta como ele se mantém atrativo e de que forma este meio de comunicação se adapta às transformações tecnológicas.

Rose é jornalista, mestra em História Social da Cultura e professora do Departamento de Comunicação da PUC-Rio. Ela é autora do livro O Rádio na Segunda Guerra: no Ar, Francis Hallawell, o Chico da BBC, e foi colunista no programa Todas as Vozes, da Rádio MEC AM, com o quadro “O rádio Faz História”.

Em 100 anos de história, o que faz com que o rádio se mantenha atrativo para grande parte da população brasileira?

Professora Rose Equenazi: O lado factual, tudo no rádio é muito factual. E o legal é que o público também participa da apuração de notícias, há uma interação muito grande das pessoas que, geralmente, enviam informações. Além disso, o rádio está sempre em transformação e modernização. É claro que houve a época de ouro que ninguém saía de casa sem ouvir determinadas novelas ou noticiários, mas, hoje, com o streaming, o rádio entrou mais ainda no gosto, pois, você pode ouvir um programa mais de uma vez e na hora que quiser. Ele é um meio de comunicação muito didático, divertido, prazeroso, dinâmico e instantâneo, além de ser muito ágil. Dá para ouvir no carro, durante o banho ou no meio de uma conversa. Enfim, não é preciso parar o que está fazendo para ouvir rádio. É como eu sempre falo: um meio de comunicação nunca acaba, ele se transforma e se adapta aos tempos.

O rádio foi fundamental para a construção da identidade brasileira?

Professora Rose: Com certeza. A nossa cultura foi modelada pelo rádio, a cultura musical, o samba urbano, toda a parte da teatralidade das radionovelas, isto virou uma tradição brasileira. É claro que sempre existiram histórias, mas o rádio deu vida a essas histórias e, só depois disso tudo, foi para a televisão. Nós somos um povo que gosta de histórias, que gosta de ouvir os dramas e acompanhar. O povo brasileiro foi moldado pelo rádio em várias áreas, inclusive, em relação à música clássica e às ficções seriadas, que começaram no rádio.

O podcast pode ser considerado uma evolução do rádio?

Professora Rose: Na verdade, o podcast sempre existiu de alguma maneira. Muitos programas eram elaborados da mesma forma que um podcast é produzido hoje, o que mudou mesmo foi o streaming elevar isso para além do ao vivo. O podcast é um plus para as emissoras. A programação ao vivo é importantíssima, porque o público pode participar. Portanto, o podcast não é algo que vai tomar o lugar da programação ao vivo, é uma outra oferta. Mas é preciso ter cuidado com o sistema de inteligência artificial que é aplicado dentro do streaming, pois ele oferece coisas que combinam com o seu perfil e com o tipo de conteúdo que você consome na rede, o que pode ser bom e ruim, pois é capaz de causar uma alienação de conteúdo.

Você acredita que o rádio ainda é utilizado como ferramenta política no Brasil?

Professora Rose: Totalmente. Apesar de os canais de rádio não poderem fazer propaganda política neste momento eleitoral, o próprio governo consegue vantagens de maneira indireta, mas isso é proibido por lei. Na época da ditadura militar, o programa A Voz do Brasil, que era obrigatório, só falava bem do governo, o que era completamente autoritário. Hoje, isso é ilegal, mas se o dono de uma rádio tem um partido, é uma propaganda política indireta. É preciso tomar muito cuidado com isso.

Além do factual, que outra grande vantagem o rádio oferece para os ouvintes?

Professora Rose: A oportunidade de conhecimento. Com a internet, você tem acesso a rádios do mundo inteiro, e é um grande aprendizado. É possível aprender novas línguas, culturas e sistemas políticos de diferentes países. O rádio é uma base muito importante para entender o que acontece ao redor do mundo. Atualmente, as pessoas não conseguem se concentrar no momento para ouvir um programa ou ler um livro, tudo é muito disperso, é muita coisa acontecendo ao mesmo tempo. É necessário parar um pouco.

Mais Recentes
Compromisso com a democracia
PUC-Rio tem uma longa tradição em favor da cidadania
Publicidade digital na política
Observatório das Eleições divulga resultados da primeira pesquisa do Núcleo de Tecnologia do Departamento de Comunicação
Sem medo do autoexame
Em uma roda de conversa, médicos chamam a atenção para a importância do diagnóstico precoce