Uma nova forma de pensar o cinema
21/03/2012 14:41
Filipe Nunnes / Foto: Camille Valbusa

Interatividade possibilita que público mergulhe na experiência proposta

Para Bruno Feijó, o VBIS cria uma linguagem
cinematográfica diferente da tradicional

 

Um simples movimento da cabeça pode mudar todo um filme. É o que promete o Video-Based Interactive System (VBIS), técnica desenvolvida pelo Centro Técnico Científico da PUC-Rio. Por esse sistema, o público interage e altera os rumos do filme, a partir da captação de movimentos do corpo, controle remoto ou celular.

 

O protótipo, desenvolvido pelo aluno de doutorado da PUC-Rio, Edirlei de Lima, é fruto de antigos resultados obtidos pelo Projeto Logtell, ferramenta estruturada a partir de programação em lógica para geração e dramatização de animações interativas. O projeto, 100% nacional, ainda engatinha, mas apesar das dificuldades, Bruno Feijó, orientador do projeto, acredita que interatividade ainda não é bem-vista pelo cinema tradicional.

 

– Sempre haverá quem vá dizer que mata a linguagem cinematográfica. Mas é preciso encarar como uma nova arte. Só foi acrescentada a participação com o público. O cineasta não vai ter total liberdade, mas terá o público aderindo e mergulhando na experiência que ele pensou e propôs. É uma nova forma de cinema – afirma o orientador.

 

O Rapto da Princesa, curta produzido com uso do VBIS, pode ser visto no endereço http://tinyurl.com/782f3hu.

 

 

Edição 252

 

 

Mais Recentes
A busca pela boa convivência dentro das salas de aula
A Prática Exploratória é um estímulo ao entendimento entre alunos e professores
Estudos recentes em computadores
Especialistas em linguística computacional falam sobre os avanços na rede mundial