Conferência debate os dez anos de influência chinesa na América Latina
30/06/2017 17:49
Dóris Duque

PUC-Rio sediou conferência sobre as relações da China com a América Latina durante a década de 2005 a 2015. Convidados de diversas áreas, como a historiadora chinesa Evelyn Hu-DeHart, se reuniram para refletir sobre o peso do país na região.

Nos últimos anos, a China se tornou não só a maior receptora de commodities produzidas na América Latina, como também sócia de empreendimentos estatais e privados. O peso que o país adquiriu no subcontinente, sobretudo na década de 2005 a 2015, marcada pelo estreitamento das relações diplomáticas e sobretudo econômicas entre o país e a região, foi tema da conferência A Década Chinesa na América Latina, realizada na PUC-Rio na última semana pelo Centro de Teologia e Ciências Humanas em parceria com o Instituto Confucius e a Universidade de Aalborg, da Dinamarca.

  

Professora Evelyn Hu-DeHart Foto: Lucas Simões

A historiadora chinesa Evelyn Hu-DeHart, professora de história e estudos americanos na Brown University, estudou a fundo a presença chinesa em Cuba, que começou ainda na época em que era colônia da Espanha. Trabalhadores chineses eram enganados e forçados a trabalhar como escravos na colônia, e muitos deles, assim como seus descendentes, participaram ativamente da luta pela independência cubana e da revolução de Fidel Castro. “Um dos principais comandantes de Fidel era filho de chineses que vieram para Cuba”, contou a professora, que apresentou imagens da época. Após o embrago movido pelos Estados Unidos, a presença oriental foi diminuindo na ilha, onde há atualmente um movimento de revitalização dos bairros “chinos” para tornar o país atraente novamente para os jovens.

O seminário, organizado pelo vice-decano do CTCH, professor Karl Erik Schøllhammer, do Departamento de Letras, pelo professor da UFRJ Giuseppe Cocco e pelos professores da Uerj Luiz Felipe Teves e Renan Porto, teve a intenção de ampliar a discussão sobre essa presença chinesa na América Latina.

As influências econômicas da China sobre a América Latina no período colonial foram tema do encontro do geógrafo Gerardo Silva, professor da Universidade Federal do ABC com o sociólogo Andrea Lampis, professor da Universidade Nacional da Colômbia, que identificaram hábitos econômicos e sociais que persistem até hoje. De acordo com Silva, a globalização e a descolonização dos países latino-americanos causou uma evolução econômica da qual a China se aproveitou, junto com outros países como os EUA. Lampis ressaltou aspectos comuns à maioria dos países latinos e a China: a forte presença militar, a exploração de recursos naturais e as desigualdades econômicas.

Professor Pablo Míguez Foto: Lucas Simões

Os professores Rodrigo Carmona e Pablo Miguez, da Universidade Nacional de General Sarmiento (UNGS), enfocaram a relação entre China e Argentina, particularmente a partir da entrada dos chineses no cenário das grandes economias, a partir do fim da Guerra Fria. Formado em ciências políticas e economia e doutor em ciências sociais, Pablo Míguez destacou o papel dos Kirchner no estreitamento de laços:

– Na Argentina, o forte vínculo com a China se formou a partir dos governos kirchneristas. Quando Néstor foi ao país, em 2004, a China se tornou um aliado chave, e essa relação continuou com Christina Kirchner. Agora, a recente visita do presidente Mauricio Macri indica que essa via continua aberta.

O professor Oscar Garcia Agustin, do Departamento de Cultura e Estudos Globais e Centro de Pesquisa em Desenvolvimento e Relações Internacionais da Aalborg University, na Dinamarca, argumentou que a relação de dependência da América Latina em relação às grandes potências mundiais (Europa, EUA, China) está se transformando em interdependência, pois países como Bolívia ou Colômbia têm ganhado importância e se libertado de entraves econômicos. Agustin falou também sobre a troca de parceria da Venezuela, que diminuiu sua dependência dos EUA e passou a se relacionar mais intimamente com a China: “Eles até adotaram o modelo econômico misto chinês de zonas econômicas especiais”.

O cientista político Paulo Esteves, professor do Instituto de Relações Internacionais (IRI) da PUC, falou sobre a inserção do grupo Brics (Brasil, Rússia, Índia e China) na dinâmica internacional, garantindo espaço para países que ficaram de fora da nova cartografia global desenhada desde o fim da Guerra Fria. Ele chamou atenção  para o fato de que o grupo não questiona a hegemonia vigente, nem exige compromisso de exclusividade comercial entre os países – “É como se o Brics fossem um friends with benefits (amizade colorida)”, brincou. Esteves acrescentou que está claro que os EUA estão se retirando da posição de provedores de “bens públicos globais” e que agora as outras potências vão começar a competir por esse espaço.

Mais Recentes
Sustentabilidade é novo paradigma de desenvolvimento
Em palestra na PUC-Rio, pesquisadores do IBGE e professores do Centro de Ciências Sociais discutem a importância da leitura de indicadores sociais, e as lacunas nos dados
Fevuc: remodelação da aparência
Convidados refletem sobre as mudanças que cada indivíduo passa para se integrar às regras impostas pela sociedade
Pilotis recebem doações para as milhares de vítimas do furacão no Haiti
Reitor conclama Comunidade PUC para aderir à campanha. Feijão, arroz e leite em pó são prioridade. Arca da Solidariedade está nos Pilotis do Kennedy.