A influência do Documento de Aparecida nas ações pastorais no Rio
06/10/2017 17:21
Karen Krieger

Uma das palestras do Simpósio de Teologia destacou também a importância do diálogo inter-religioso

A experiência de Aparecida vai muito além do documento e deverá ser aprofundada. O documento tem algo especial, pois surge de um questionamento sobre as mudanças da época. A afirmação é do Arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, O. Cist., que proferiu a palestra O Documento de Aparecida e a Igreja do Rio de Janeiro na quinta-feira, 5, no encerramento do Simpósio de Teologia da PUC-Rio. A mesa foi mediada pelo bispo auxiliar do Rio e professor do Departamento de Teologia, Dom Joel Portella Amado.

Dom Orani João Tempestra, O. Cist e Dom Joel Portella Amado. Foto: Matheus Aguiar

Dom Orani ressaltou a inclusão do Documento de Aparecida nos planos pastorais da Igreja do Rio de Janeiro e as modificações implantadas a partir dele. Ele também relembrou a formulação do documento, considerado um verdadeiro desafio. Segundo Dom Orani, as pastorais do Rio de Janeiro intensificaram o trabalho com questões sociais – como o acolhimento de imigrantes – e a ampliação da missão da Igreja, alcançando mais locais, como a Cracolândia e áreas com alto índice de violência.

- Há muitas maneiras de ver a realidade, pela sociologia, pela antropologia ou mesmo com um olhar humano. Mas pode-se também ter uma ótica de Cristo.

Dom Orani expressou a importância da Igreja para repensar a situação da América Latina e do mundo. O Cardeal também realçou o valor da instituição da família na formação da comunidade cristã e da própria humanidade. Dom Orani fez ainda um pedido de amor coletivo: em tempos de polarização política, ele reza por mais unidade entre as pessoas.

- Somos todos irmãos e devemos amar uns aos outros, relevando a polarização atual.

Encerramento
A cerimônia foi em clima de agradecimento. Estavam presentes, além do Cardeal Dom Orani e de Dom Joel, o Reitor da PUC-Rio, padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J, e o coordenador do Departamento de Teologia, professor Leonardo Agostini Fernandes. No encerramento, Dom Joel afirmou que a apropriação do documento nas Igrejas do continente americano ajuda a pensar sobre os desafios da educação.

- Deve-se lembrar o que foi, o que é e o que será a Conferência de Aparecida, e da importância de uma teologia que dialoga com outros departamentos e universidades.

Padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J, Dom Orani João Tempesta, O. Cist, Dom Joel Portella Amado e padre Leonardo Agostini Fernandes. Foto: Matheus Aguiar

Dom Orani frisou que a memória da Conferência e do Documento de Aparecida impulsiona a sociedade para frente. O Reitor agradeceu ao Departamento de Teologia da PUC-Rio e aos palestrantes pelo empenho. Segundo ele, o simpósio foi marcante no protagonismo da Igreja do Rio de Janeiro, que trouxe o Documento de Aparecida aos nossos dias. Para o Reitor, o encontro auxiliou a difundir a mensagem do Documento e a torná-lo mais acessível. Já padre Agostini ressaltou que, com o simpósio, aumentou-se a proximidade entre o Departamento de Teologia e a Arquidiocese.

- A gente conheceu melhor o Documento de Aparecida. Ele é uma mina de ouro que ainda deve ser explorada.

Ecumenismo como objetivo dos cristãos
Diálogo Ecumênico e Inter-religioso a partir do Documento de Aparecida foi o tema da conferência realizada na quarta-feira, 4, no VIII Simpósio de Teologia da PUC-Rio. O bispo de Barra do Piraí/Volta Redonda, Dom Francisco Biasin, exaltou a necessidade de diálogo da Igreja Católica com as outras instituições religiosas. A palestra foi mediada pela professora Maria Teresa de Freitas Cardoso, do Departamento de Teologia da PUC-Rio.

- O caminho do ecumenismo e do diálogo inter-religioso é o único caminho para o futuro.

Dom Francisco Biasin. Foto: Matheus Aguiar

Segundo Dom Biasin, o DNA da Igreja é a pluralidade. Em homenagem ao dia de São Francisco de Assis, celebrado em 4 de outubro, ele destacou a história do santo, que desde os primórdios da Igreja procurava um diálogo inter-religioso. Dom Biasin disse que São Francisco absorveu características de outras religiões, como, por exemplo, os horários de oração do islã.

- São Francisco, com seu jeito simples e singelo, acolheu aspectos positivos dos outros caminhos religiosos para a tradição cristã.

Dom Biasin ressaltou que a Conferência de Aparecida foi um encontro extraordinário. Segundo ele, a Igreja deve participar desse mundo globalizado ao se inserir dentro da pluralidade religiosa. O Documento idealiza uma realidade de comunhão entre todos.

- O Documento de Aparecida propõe um enriquecimento recíproco em relação às outras religiões.

Mais Recentes
Paixão pela humanidade
Missa de Ação de Graças encerra visita do Superior Geral da Companhia de Jesus à PUC-Rio
Uma missão de justiça e reconciliação
Superior Geral da Companhia de Jesus realiza série de visitas às instituições jesuítas no Brasil. Na última quarta-feira, 18, ele esteve na PUC-Rio, onde se encontrou com professores, alunos e funcionários 
Melhoria na educação para mudar o mundo
Criador do Moodle, Martín Dougiamas aborda a importância do investimento em tecnologia para dar suporte melhor aos educadores