A arte do presépio
14/12/2017 12:57
Paula Ferro

Em palestra do projeto Natividades Arte e Cultura, padre José Maria Fernandes relembra as origens dessa arte

O presépio é um elemento tradicional das decorações natalina e representa o nascimento de Cristo. Os documentos mais antigos datam o surgimento no século III, em uma pintura na Catacumba de Priscila, em Roma. Grande colecionador de presépios, o diretor do Centro Loyola de Fé e Cultura da PUC-Rio, padre José Maria Fernandes, S.J., abordou o surgimento dessa arte em palestra do projeto Natividade Arte e Cultura, nos pilotis da Ala Kennedy, na quarta-feira, 13.

Padre José Maria Fernandes lembra as origens do presépio Foto: Fernanda Maia

Segundo ele, na pintura mais antiga que se conhece, Cristo está virado para Maria, que tem ao seu lado o profeta Zacarias, todos embaixo de uma estrela de oito pontas. Padre Fernandes afirmou que, a partir dessa representação, a estrela passou a significar Cristo e a ser associada ao Natal ao redor do mundo. Também foram encontradas representações da natividade em sarcófagos romanos, datadas do século IV. A prática usual entre as famílias nobres da época era contratar artistas para esculpirem as imagens sagradas. Para o sacerdote, foi nesse momento que a representação divina se banalizou e os festejos de Natal começaram a perder o significado.

Entretanto, após o Concílio de Éfeso, no ano 431, ficou estabelecido o culto à Maria como mãe de Deus. Para padre Fernandes, a primeira representação da gruta de Belém no Ocidente foi encomendada pelo Papa Nicolau IV. O artista Arnolfo di Cambio foi o primeiro a esculpir, em tamanho real, todos os personagens da natividade de Cristo, o que marcou oficialmente o surgimento do presépio. A representação napolitana, que mostra a vila de Belém e o campo de pastores, virou uma febre e fonte de competição entre as famílias nobres.

Exposição de presépios 2017

Padre Fernandes explicou que São Francisco de Assis contribuiu para a popularização da arte entre a população mais humilde. Ele montou um presépio em tamanho natural em uma gruta, na cidade de Assis, e divulgou nos meios populares. A difusão da arte também contou com a ajuda dos missionários jesuítas, que a levaram para o mundo inteiro. No Brasil, por exemplo, o primeiro presépio foi montado em São Paulo por São José de Anchieta.

Com uma coleção que ultrapassa a marca de 500 presépios, padre Fernandes acumula peças de diferentes países e materiais. No acervo particular há, inclusive, representações da natividade a partir da ótica de outras religiões. Para ele, o que impressiona é a falta de limites para a criatividade dos artistas e as características culturais que cada peça tem.

— São imagens feitas de arame, de papel, de sementes, de pedra. O que me interessou nessa coleção é ver como essa criatividade não se esgota. A cada ano aparece algo novo. E cada presépio traz uma característica de uma cultura e um tempo. Isso motivou minha coleção e, quando percebi, já tinha mais de 500.

Mais Recentes
Aula Magna do Departamento de Economia
As diferentes propostas na abordagem de fatos da economia mundial foram apresentadas durante o encontro
O caminho dos livros
Para facilitar a jornada dos calouros na Universidade, O Jornal da PUC criou um guia para apresentar a biblioteca: um ambiente onde você passará grande parte da vida acadêmica. Aqui estão todas as dicas necessárias para utilizar o espaço.
Nova direção na Teologia
Professor desde 2013, padre Waldecir Gonzaga tomou posse em cerimônia marcada por comemorações e festividade