Cooperação que transforma
14/05/2018 17:47
Lethicia Amâncio

Parceria entre a Empresa Júnior da PUC-Rio e o Neam promove interação e incentiva jovens do Ensino Médio a buscar um futuro

 

Jovens do Neam conheceram o trabalho da Empresa Júnior. Foto: Empresa Júnior

Em parceria com o Núcleo de Estudo e Ação sobre o Menor (Neam), a Empresa Júnior (EJ) da PUC-Rio desenvolveu um projeto de troca de experiências entre integrantes da empresa e jovens que fazem parte do núcleo. O objetivo do projeto EJ Impacto é introduzir na cultura do empreendimento júnior iniciativas de responsabilidade social. Nesta edição, os sócios da empresa explicaram o funcionamento e a interdisciplinaridade da EJ para os jovens, para tentar desenvolver um novo olhar sobre oportunidades de trabalho e explorando diversas áreas acadêmicas.

            Os encontros foram compostos por rodas de conversas realizadas no escritório da EJ e visitas ao Instituto Gênesis, onde uma nova sala da empresa foi inaugurada em março.  O projeto foi entre os dias 19 de março a 12 de abril, e atendeu 22 adolescentes, de 14 a 17 anos, dos turnos da tarde e manhã do Neam. Segundo o gerente da Empresa Júnior Lucas Cabral, esta primeira edição da parceria foi um protótipo que eles pretendem dar continuidade, não só com o Neam mas com outros órgãos dentro e fora da Universidade.

— Esse projeto foi uma ideia, primeiramente, de tentar expandir o conhecimento que temos na empresa para outras pessoas. Nós temos aproximadamente 11 cursos distribuídos entre 40 pessoas, não tinha porque manter isso somente dentro da empresa. Além disso, os alunos do Neam são quase da mesma faixa etária dos participantes da EJ, enxergamos nisso uma facilidade para a oportunidade de troca.

            Justamente por essa questão etária que o Coordenador do NEAM, Davidson Coutinho, que também é ex-aluno do projeto e professor do Coordenação Central de Extensão (CCE), acredita que a relação foi melhor do que se fosse com um professor falando. Ele afirma que o impacto nos jovens ocorreu através do contágio, que o aluno do Neam, ao ver um jovem da graduação construindo uma carreira que ele também quer, acredita na possibilidade de estar perto. Para ele, o impacto maior é abrir os adolescentes para o novo.

— Eles puderam pensar no futuro e na carreira que eles decidirem seguir, porque as vezes eles falam “ah, eu quero ser isso”, mas nunca tiveram contato com ninguém que trabalhasse na área. 

            A aluna do Neam Gabrielly Pereira, de 15 anos, foi uma das participantes do projeto EJ Impacto, e diz que se quer sabia da existência da Empresa Júnior antes dos encontros. Moradora da Rocinha, ela estava com dúvidas entre estudar Cinema ou Design quando terminar o Ensino Médio, mas contou que, depois das apresentações sobre as profissões, ela está mais certa sobre o Design.

— Eu gostei muito, eles falaram bastante da área que eu quero. Depois dos encontros eu fiquei com mais vontade ainda de seguir esse caminho e fazer o que eles fazem.

            Diretora e fundadora do Neam, a professora Marina Moreira conta que a parceria foi um trabalho de conscientização muito bom, que os jovens não tinham informações sobre empreendedorismo, e que o projeto ajudou esclarecer dúvidas sobre as carreiras. Ela explica que o Núcleo foi iniciado quando ela ainda cursava a graduação na Universidade e achava que a PUC não tinha nenhuma porta para as comunidades que a cercam. Ela, então, criou esse espaço para não só receber a comunidade mas também para fazer um projeto de jovens que pudessem ter contato com a PUC e enxergar a instituição como uma chance de construir um futuro profissional.

— Comecei a montar cursos para que eles pudessem realmente conhecer essa possibilidade de sair da escola e vir para cá. Acho que foi uma coisa importante porque nós abrimos essa porta e ela se alastrou.

            O projeto atende adolescentes oriundos de comunidades, e para participar é necessário fazer um curso oferecido durante as férias, o programa Iniciando Habilidades e Competências, no qual os profissionais do Neam descobrem quem é esse jovem e qual o perfil dele. O adolescente sai do projeto ao completar 18 anos, mas o objetivo é que ele ingresse na graduação ou se torne um funcionário da Universidade. Em 2018, 15 jovens do Neam se tornaram alunos da graduação da PUC-Rio. Como funcionários, eles começam como estagiários do programa Jovem Aprendiz nos departamentos, que os avaliam durante este período e, quando surgem vagas, eles podem ser efetivados. Em 2017, foram contratados sete, e este ano, dois.

Mais Recentes
Viver é a melhor opção
André Trigueiro fala sobre a prevenção do suicídio e a valorização da vida, questões abordadas em seu livro, em um dos encontros que celebram o Setembro Amarelo na PUC-Rio
II Encontro CCB
Professores, mestrandos e doutorandos discutem questões sobre Cultura e Consumo
Incentivo ao empreendedorismo
Diretor da Faperj, Maurício Guedes, participa de Aula Inaugural de empreendedorismo na PUC-Rio