Diálogos sobre cultura e arte negra
15/05/2018 17:12
Lucas França

Artistas negros compartilham experiências e conversam sobre as oportunidades do mercado em debate na Universidade

O Coletivo Nuvem Negra organizou na segunda-feira, 14, a mesa de debate Cultura e Arte Negra. O encontro teve a presença da atriz e cantora Zezé Motta, do ator Licínio Januário e da bailarina Rainha do Afoxé Filhos de Gandhi Yza Diordi. Mediada pela atriz e integrante do Nuvem Negra Mari Oliveira, a conversa reuniu alunos nos pilotis da Ala Kennedy e abordou temas como teatro e apoio à arte negra.

Zezé Motta, que em abril lançou o oitavo álbum solo da carreira, tem mais de 30 participações em novelas e filmes, com destaque para o papel no longa-metragem Xica da Silva, de Cacá Diegues, que a impulsionou. Durante a conversa nos pilotis, Zezé afirmou a necessidade de negros ousarem na arte. Para ela, os artistas negros devem contar as histórias do povo, mas também devem pensar nos clássicos.

— É muito importante que a gente conte a nossa história, crie até coisas de ficção escritas, interpretadas e dirigidas por nós, que vivemos o dia a dia do racismo. Mas acho também que devemos ousar e montar clássicos. Por que não? Temos que fazer isso para mostrar que podemos tudo. Devemos ocupar todos os espaços e segmentos.

A atriz e cantora Zezé Motta. (Foto: Fernanda Maia)

As possibilidades que a arte gera foram apresentadas por Yza Diordi. Segundo a bailarina, ser artista é se mover na sociedade e alcançar outras pessoas que ainda não tiveram contato com a arte. Ela acredita que a arte é um instrumento potente na formação de pessoas e na condução delas por um caminho positivo, mesmo em um país como o Brasil, destacou.

— A arte no nosso país é um instrumento contra a violência. É uma responsabilidade da sociedade trabalhá-la, inclusive a partir dos ensinos básicos, para que o pensamento artístico seja inserido no indivíduo. Isso abre caminhos não só para a pessoa viver da arte, mas para ela ter um condutor de uma vida saudável. O que me trouxe até aqui foi a dança afro, por exemplo.

Yza Diordi, bailarina afro e Rainha do Afoxé Filhos da Gandhi. (Foto: Fernanda Maia)

O ator Licínio Januário, que recebeu o prêmio de melhor ator na 19ª edição do Festival de Teatro do Rio de Janeiro, defendeu a ideia de negros e negras assistirem a peças e criações uns dos outros. Para ele, esse apoio entre si faz com que os negros se fortaleçam. Esse apoio, de acordo com o ator, movimenta capital e mais oportunidades de trabalho. Januário lembrou que este momento é propício para a utilização do Black Money, movimento para fomentar o desenvolvimento de ações empreendedoras e criação de produtos para a comunidade negra.

 — Temos que pensar no conceito do Black Money e seguir o conselho dos mais velhos que eram unidos e se fortalecer. Os nossos estão aí para nos ajudar, devemos pedir ajuda uns para os outros. Eu busco alcançar um degrau maior e gerar possibilidade para que a nova geração vá mais longe do que eu.

Licínio Januário, ator e escritor. (Foto: Fernanda Maia)

Mais Recentes
Meu Primeiro Dia na PUC
Calouros são recepcionados pelos departamentos nesta sexta-feira, 10 de agosto. Palestras, visitas guiadas pelo campus e troca de experiência com professores e veteranos fazem parte da programação
Novo diretor na Química
Na PUC há 16 anos, o professor Ricardo Aucélio Queiroz tomou posse do cargo de diretor do Departamento de Química em cerimônia realizada na Sala do Conselho
Ciência na prática
Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional comemora 50 edições de pesquisas no Brasil