Superação da fome
30/08/2023 18:52
Eduarda Farias

Semana das Comunidades 2023 debate segurança alimentar à luz de Padre Cícero Romão

A mesa de abertura discutiu sobre o tema da Fraternidade e Segurança Alimentar. Foto: Caio Matheus

A mesa de abertura da 5a Semana das Comunidades iniciou, no dia 28 de agosto, os quatro dias de discussões sobre o tema "Fraternidade e Segurança Alimentar: o que o Nordeste e Padre Cícero Romão ensinam para o Brasil?”. Com a presença do Reitor da PUC-Rio, Padre Anderson Antonio Pedroso, S.J.; da Vice-Reitora de Extensão e Estratégia Pedagógica, professora Jackeline Farbiarz; do Diretor do Departamento de Teologia, Padre Waldecir Gonzaga, do Assessor Especial da Reitoria, professor Augusto Sampaio, e do Vigário Episcopal para a Caridade Social, Monsenhor Manoel de Oliveira Manangão.

Padre Waldecir abriu a mesa com um discurso sobre o Convênio SUSTCOM (Sustentabilidade Humana, Social e Ambiental das Comunidades), uma parceria da  Arquidiocese do Rio de Janeiro e da PUC-Rio em prol do Vicariato para a Caridade Social. O diretor lembrou da parceria feita em 2018, renovada em 2021, que deu origem à Semana das Comunidades. Desde a criação, a Semana aborda todo ano um tema relevante para o país, escolhido pela Conferência Episcopal.

Com o agravamento da fome no país após a Covid-19, o aumento da pobreza e da miséria, a temática de 2023 aborda o combate à fome na perspectiva da luta de Padre Cícero Romão. Segundo Padre Waldecir, esse cenário de desigualdade tornou essencial a discussão da segurança alimentar em um espaço como a PUC-Rio, cujo tripé universitário, ensino, pesquisa e extensão, possa atuar pelo bem social.

— Pela longa trajetória da Universidade no campo da formação humana a partir dos valores cristãos, não canso de dizer que eventos como este têm a cara da PUC-Rio, ou seja, fazer o bem e promover a pessoa humana. A Universidade se torna espaço de diálogo entre sociedade e pesquisa pelo braço estudantil.

O diretor do Departamento de Teologia reforçou que o constante incentivo do Papa Francisco, por meio de documentos que enfatizam a ação da Igreja em temas socioeducativos, serve de guia para ações como a Semana das Comunidades. O Vigário Episcopal para a Caridade Social, Monsenhor Manangão, completou a fala do Padre Waldecir ao ressaltar a imprescindível parceria entre a PUC-Rio, com a excelência acadêmica, e as pastorais, com sua história de práticas ativistas.

O Reitor, Padre Anderson, destacou o convênio SUSTCOM e afirmou esperar que esta parceria resulte em um movimento de todos os departamentos da Universidade para atuar pela segurança alimentar. O jesuíta utilizou de uma metáfora de Padre Cícero Romão e Juazeiro do Norte com a árvore de juá e a Semana. Nas palavras dele, ações como a Semana das Comunidades dão esperança por representarem resistência e perseverança, assim como os juazeiros, 

— Sempre existiu uma atividade voluntária e pessoas que mantiveram viva a chama da caridade social na PUC, mas com a Vice-Reitoria de Extensão todo aluno da Universidade vai passar pela experiência de se doar. Até então, apenas a Teologia estava seguindo com a chama, agora todos os departamentos estarão envolvidos e conhecerão mais a história que você, Padre Manangão (de práticas ativistas)  acabou de nos contar.

O reitor comentou sua confiança no convênio SUSTCOM. Foto: Caio Matheus

Em uma mensagem gravada em vídeo, exibida durante a abertura, o Arcebispo do Rio de Janeiro e Grão Chanceler da PUC-Rio, Dom Orani João Cardeal Tempesta, O.Cist, parabenizou a iniciativa da Universidade com a Arquidiocese e apontou a urgência de se lutar pela segurança alimentar. Ao relembrar os 33 milhões de brasileiros que passam fome, de acordo com uma pesquisa da rede Penssan de 2022, Dom Orani pediu que a Semana motive e gere consciência nos participantes e produza ações concretas pelo bem social. O Reitor da Basílica Nossa Senhora das Dores Crato/CE, Padre Cícero José da Silva, também deixou um recado gravado e agradeceu à PUC-Rio por relembrar de Juazeiro do Norte e da figura de Padre Cícero Romão. 

Primeira Mesa

O primeiro dia teve, também, a mesa “Pe. Cícero Romão e a Fraternidade: caminhos para a superação da Fome no Nordeste”, mediada pela supervisora do Departamento de Teologia, professora Eva Aparecida Rezende de Moraes e Paula, com participação do professor Paulo Fernando Carneiro de Andrade, do Departamento de Teologia, e do professor de Filosofia José Carlos dos Santos, da Universidade Regional do Cariri (URCA) e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE).

O professor Paulo Fernando relembrou a história de Padre Cícero Romão e como a defesa do Milagre do Juazeiro o tornou uma figura popular e de relevância religiosa e política em Cariri. Em 1889, na época em que o milagre de Maria de Araújo aconteceu, o religioso perdeu apoio da Igreja que não reconhecia o acontecimento por não se adequar aos costumes católicos do período. Ainda assim, a popularidade de Padre Cícero levou peregrinações a Juazeiro e permitiu que ele lutasse pelos nordestinos que sofriam há anos com a seca, a falta de alimento e o desemprego.

Plateia da abertura e primeira mesa da Semana das Comunidades. Foto: Caio Matheus

Entre os temas que abordou na sua fala, José Carlos dos Santos enfatizou as lições de Padre Cícero Romão, que qualificou  de mestre da compaixão e persistência. Santos trouxe  uma gama de questionamentos sobre os desafios do enfrentamento da fome hoje com “provocações para despertar nossa consciência”. O filósofo também cumprimentou a  Universidade por tratar Padre Cícero como figura de inspiração no combate à fome no Nordeste e no Brasil.

— É uma iniciativa que estreita os laços e diminui os espaços entre o Ceará, Cariri, Juazeiro e o Rio de Janeiro, abre pontes para construirmos parcerias por um sonho: um país sem fome. A universidade tem um papel muito importante de poder congregar todas as forças da sociedade no sentido de construir uma parceria eficaz que possa ajudar na transformação da sociedade, e a religião é um componente importante porque é a força viva e mística que alimenta essa colaboração. Estamos vivendo um momento em que precisamos unir esforços de todos que acreditam em um mundo melhor, mais justo, humano, igualitário, solidário.

Durante o encontro do primeiro dia, os presentes na plateia puderam curtir uma apresentação de forró com o show de Roberta do Recife e Betão da Paraíba que cantaram João do Vale. No encerramento das mesas, a Exposição Juazeiro do Norte e Padre Cícero Romão Batista, por Marcelo Fraga, foi aberta e liberada para registros do público.

Mais Recentes
Os vários papéis da polícia no Mundo Atlântico
Encontros da História da PUC-Rio reuniram palestrantes da Itália, México e Brasil
Alunos terão desconto em moradia universitária
PUC-Rio fechou parceria com Uliving, maior rede deste tipo de serviço no país
A busca pela liberdade nas manifestações artísticas
Marc Lenot debate fotografia experimental a partir das ideias do filósofo Vilém Flusser