O tempo e as escolhas no cinema
13/11/2023 17:48
Julia Amoêdo

A equipe do filme “A Cozinha”, dirigido por Johnny Massaro, esteve na PUC-Rio para falar sobre a produção do longa-metragem

A equipe do filme A Cozinha debateu sobre a produção do longa. Foto: Mateus Monte

No dia 8 de novembro, a equipe do filme “A Cozinha” participou de um debate na sala 102-K, onde foi exibido o longa. Com a organização do professor Sergio Mota, do Departamento de Comunicação Social, os convidados para a palestra foram o diretor Johnny Massaro, que estreia na direção do longa, o roteirista, ator e produtor Felipe Haiut – ex-aluno do curso de Cinema da PUC-Rio –, a montadora Marina Kosa e o produtor Guilherme Bolo. 

Adaptação de uma peça montada na cozinha da casa do diretor, o filme fez sucesso na Mostra de São Paulo e no Festival do Rio de 2022, a produção foi a única a ter sessão extra. No debate, a equipe falou sobre a linguagem fílmica, o tempo de duração da obra que, com 61 minutos, é nove minutos menor do que a definição de longa para a Ancine, e as dificuldades e soluções na produção audiovisual. 

Johnny Massaro falou sobre o processo e experiência de direção. Foto: Mateus Monte

Na conversa, Massaro explicou como foi a experiência na direção e na construção da gramática para contar a história de “A Cozinha”. Para ele, a linguagem do filme é fruto do encontro dos profissionais envolvidos na produção: além dele, outras pessoas assumiram cargos e funções pela primeira vez – como foi o caso da montadora, Marina. 

— A experiência me mostrou que eu preciso estar aberto aos acontecimentos, sempre em um diálogo muito louco com o tempo. Realmente, não vai dar para fazer tudo que eu gostaria, da maneira que gostaria. Lembro de um detalhe muito específico, a cena final do Haiut: se ele estaria com ou sem camisa. Tinha certeza que seria sem -  é óbvio que eu não estava tão certo  assim, mas precisava tomar uma decisão. Devemos estar muito conscientes que as escolhas são constantes — disse Massaro.

Felipe Haiut, ex-aluno da PUC-Rio, roteirizou e atuou no longa. Foto: Mateus Monte

A adaptação da peça para o cinema trouxe uma dificuldade: o roteiro ficou curto. Haiut até tentou alongar a história, mas chegou à conclusão de que não havia mais o que ser contado. O  filme teria a duração necessária, mesmo que fosse menor do que um longa-metragem tradicional.

— Os formatos hoje estão sendo repensados, as coisas são mais ágeis. A gente precisa criar de uma outra forma — afirmou Haiut. 

Mariana complementa o raciocínio do roteirista:

— Acho que a tendência é reduzir o tamanho, mas certos criadores vão querer fazer filmes de três horas e meia. Vai ter espaço para os dois. Sobre essa questão de tempo nos cinemas, para que a gente pudesse estrear comercialmente pela Ancine teria que chegar a 70 minutos — complementou Marina. 

“A Cozinha” foi gravado durante a pandemia em uma locação em Visconde de Mauá. O filme, produzido de forma independente, só foi exibido nos cinemas graças aos festivais em que participou. No dia 17 de novembro, será disponibilizado no Globoplay.

Mais Recentes
Caminhos da inovação para políticas públicas em Engenharia e Arquitetura
Projeto multidisciplinar reuniu 65 pesquisadores em três eixos temáticos
PUC-Rio se prepara para grandes travessias a partir de 2024
Na Assembleia, professores, alunos e funcionários se unem em torno de novo futuro para a Universidade