PUC-Rio promove XXVIII Semana do Meio Ambiente
03/06/2022 18:09
Giovanna De Luca

Em celebração híbrida, profissionais debatem sobre questões ambientais e lembram os compromissos estabelecidos pelas grandes conferências da área

Reprodução TV PUC-Rio

Cerca de 14 profissionais, dentre professores, pesquisadores e decanos de diferentes segmentos da PUC-Rio participaram da XXVIII Semana de Meio Ambiente com o tema PUC-Rio + 30º nos dias 1º e 2 de junho. O encontro deste ano procurou refletir sobre o compromisso firmado há 30 anos, na Rio 92, que almejava incluir as questões socioambientais no ensino. A semana é organizada pelo Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente da PUC-Rio (NIMA). A conferência foi realizada de forma híbrida, com debates virtuais e atividades presenciais no campus Gávea.

A primeira mesa de debates, que ocorreu de forma remota na manhã de quarta-feira, 1º, traçou uma linha cronológica das conferenciais ambientais que foram realizadas no Rio de Janeiro. Além disso, refletiu sobre a dimensão do impacto global para a sociedade e a política nos últimos 30 anos e qualificou o ensino e a pesquisa científica como ferramentas para alcançar respostas concretas aos desafios impostos pelo desenvolvimento sustentável.

O Reitor, padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J., e o professor Tácio de Campos (NIMA), fizeram a abertura do seminário e convidaram os professores do NIMA Fernando Walcacer, Leticia Lima e Sérgio Besserman, do SDSN Brasil, para compor a primeira mesa. Padre Josafá agradeceu a todos os expositores e suas diversas contribuições e assinalou a importância de diferentes olhares em busca do bem comum.

Padre Josafá e Fernando Walcacer (Foto: Jorge Paulo Araujo)

O professor Fernando Walcacer, do Departamento de Direito, se aprofundou no despertar da consciência ecológica que deu vida às conferências sobre o meio ambiente. As principais mencionadas por ele foram as de Estocolmo, em 1972, a Rio-92; a Rio+10, em 2002, e a Rio+20, em 2012. A Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente e o Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro em 1992, a Rio-92, foi considerada um dos principais marcos da questão ambiental em termos de políticas internacionais ao longo da história, explicou ele. Cinco acordos importantes foram assinados por 172 países, e Walcacer destacou entre os documentos a Agenda 21, considerada um instrumento de planejamento para esse novo modelo de desenvolvimento para o século XXI. Dentre as várias intenções, Walcacer apontou o envolvimento acadêmico como compromisso global para o desenvolvimento sustentável.

Assim como Walcacer, a professora Leticia Lima, pós-graduada em Direito Ambiental, também destacou a necessidade de incluir questões ambientais tanto no meio universitário quanto em qualquer outro recorte social. Apesar de não ter sido possível frear a crise ambiental global, comentou, se não fosse pela popularização do tema não seria possível ter este tipo de diálogo que fomenta iniciativas sustentáveis e reparatórias.

- A discussão ambiental tomou uma maior proporção com a agilidade dos impactos. Faz apenas 30 anos que líderes políticos começaram a se importar realmente com a causa, que, hoje, se encontra difundida socialmente. Ecologia deve ser assunto de todos – observou.

O professor Sérgio Besserman, do Departamento de Economia, legitimou a fala dos colegas ao afirmar que atualmente não é possível se formar em psicologia, por exemplo, sem levar em conta a crise ecológica. Ele explicou que tudo está interligado e que o ser humano precisa estar mais interligado com o mundo que lhe foi dado. Ele parabenizou a PUC-Rio por proporcionar o diálogo entre a educação e o meio ambiente.

- Para grandes transformações históricas, é preciso de um tweet de três linhas, mas também é preciso de um livro de 300 páginas – disse.

Ações da PUC-Rio pelo meio ambiente

O segundo dia de conferência começou cedo e de forma remota. Mediadora da mesa, a professora Maria Fernanda Lemos, do Departamento de Arquitetura e Urbanismo e do NIMA, convidou os decanatos de diversas áreas para um chamado de desenvolvimento socioambiental. As professoras Jakeline Prata, representante do CCBS, Monica Hery, do CCS, Maiara Martins, do CTCH, e o professor José Marcos Godoy, do CTC, apresentaram o que cada núcleo da Universidade fez pelo meio ambiente nos últimos anos. O objetivo da mesa era analisar se a PUC-Rio realmente cumpriu com os objetivos da Rio 92 e progrediu no ensino, pesquisa e desenvolvimento das áreas do meio ambiente.

Dentre as dezenas de projetos expostos, está o Do Campus para o Campo, em desenvolvimento na PUC-Rio, que integra universidade, governo e iniciativa privada. Coordenador da atividade, Fernando Jefferson, contou que o Departamento de Informática (DI) e o Centro de Estudos em Telecomunicações (CETUC) almejam trabalhar para uma projeção da PUC-Rio no setor do agronegócio, inclusive em relação à sustentabilidade.

Por fim, o conselho do NIMA prometeu que vai produzir um documento reunindo todos os projetos da Universidade que visam à sustentabilidade. Estas ações conjuntas e a integração entre os centros facilitam futuras atividades.

Homenagem a Guanaes

Ex-diretor do NIMA, professor Luiz Felipe Guanaes (Foto: Fernanda Maia)

A agenda presencial da Semana do Meio ambiente iniciou na tarde de quinta-feira com uma homenagem ao professor Luiz Felipe Guanaes, ex-diretor do NIMA. Formado em geografia pela PUC-Rio, ele morreu aos 59 anos em fevereiro deste ano. Durante o discurso, emocionado, padre Josafá destacou três pontos da personalidade de Guanaes, dentre elas a coragem de apostar em pequenas causas e a visão de enxergar um grande potencial nestas demandas.

- Seu jeito sonhador permitiu que ele realizasse muitas coisas, sempre foi um homem de pequenos e grandes sonhos. Além disso, era um homem corajoso em apostar em coisas pequenas, mas com grande potencial. Ele sabia que coisas pequenas podem se tornar grandes, assim foi o projeto da Horta Comunitária e outras iniciativas do NIMA coordenadas por ele.

Após as declarações do Reitor e de outras personalidades do NIMA, como o diretor interino Tácio de Campos, todos os presentes se dirigiram do Anfiteatro Junito Brandão e foram até a nova sede do NIMA para a inauguração da placa que leva o nome de Guanaes. Como parte da homenagem, um pau-brasil foi plantado na entrada da casa.

Foto: Jorge Paulo Araujo

V Concurso de Projeto Socioambiental

De volta ao anfiteatro, a professora Eva Aparecida, da Cultura Religiosa (CRE), premiou os melhores trabalhos no V Concurso de Projeto Socioambiental. Alunos de ética ambiental podem inscrever os projetos de término da graduação no concurso, que é uma parceria do NIMA, da CRE e da Reitoria. O objetivo é incentivar os alunos a pensar como é possível intensificar a proteção ambiental dentro da PUC-Rio.

Foram três grupos premiados: Sistema de Auxílio Ambiental da PUC, SAAP, em terceiro lugar; Vendo com a Alma, em segundo, que visa à adaptação do Jardim Bíblico para pessoas cegas com o uso de matérias recicláveis; e, por fim, o projeto do vencedor PUC Maps, mais do que um mapa um caminho para o saber.

Recém-formado em design pela PUC-Rio, João Guilherme Bach desenvolveu o projeto do aplicativo PUC Maps com o objetivo de facilitar o dia a dia de quem transita pelo campus. Baixo custo financeiro, pouco uso de recursos naturais e de grande impacto para a comunidade PUC-Rio, estas são as características diferencias do trabalho do designer.

- Grande quantidade dos alunos se perdem aqui na PUC, e vários recursos deixam de ser utilizados como laboratórios e espaços ao ar livre. O PUC Maps veio para facilitar as pessoas a aproveitarem os espaços. O concurso estruturou um projeto que eu já tinha em mente – explicou.

XXVIII Semana do Meio Ambiente terminou com uma caminhada pelo campus, guiada pelos professores Henrique Rajão, do Departamento de Biologia, e Roosevelt Fideles de Souza, do Departamento de Geografia e Meio Ambiente. Integrantes do NIMA, os dois conduziram o passeio para mostrar aos participantes a riqueza e diversidade da vegetação do campus e demonstrar como a Universidade faz o seu papel para ajudar a preservar o meio ambiente.

Mais Recentes
Mesma essência em diferentes frequências
Em comemoração do centenário do rádio, a professora Rose Esquenazi analisa as transformações do meio de comunicação
Avanço sobre o desconhecido
No XXX Seminário de Iniciação Científica da PUC-Rio, alunos da Universidade recebem certificados e discutem o ofício da ciência neste século
Amizade e fraternidade social
XIII Semana da CRE discute maneiras de incentivar autonomia e cidadania na Universidade