Dia de acolhimento
18/08/2023 19:16

Com início do segundo semestre, pilotis da Universidade são ocupados por calouros em busca de aprendizado, prática e inovação

Calouros se reúnem nos pilotis do Edifício da Amizade. Foto: Kathleen Chelles

A mudança nunca é fácil, mas pode ser acompanhada de grandes expectativas de viver uma fase diferente na vida. Isto foi o que afirmaram os calouros da PUC-Rio no primeiro dia letivo do segundo semestre de 2023. Durante a tarde do dia 11 de agosto, os novos alunos do Centro de Ciências Sociais (CCS), Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), Centro Técnico Científico (CTC) e Centro de Teologia e Ciências Humanas (CTCH) transitaram pelo campus ansiosos para conhecer a Universidade.  

Em um primeiro momento, nos pilotis do Edifício da Amizade, os estudantes se reuniram para o encontro com o Reitor da PUC-Rio, Padre Anderson Antonio Pedroso, S.J., e os decanos dos Centros. No discurso, o jesuíta agradeceu a presença de todos e expressou o desejo de que os calouros encontrem, na Universidade, seu lugar. 

— Minha esperança, como Reitor, é que vocês se sintam acolhidos e que entendam que são, para nós, o mais importante da PUC-Rio. Esses pilotis são um lugar simbólico, a redemocratização do país passou por aqui, muita gente se encontrou por aqui, a PUC-Rio tem histórias lindas que passaram por esse lugar. Esta Universidade é um local de liberdade, de trocas de conhecimentos e saberes, de encontro e, sobretudo, de humanidade.

Depois de assegurar os estudantes da presença do corpo docente para apoio e acolhimento, o Reitor convidou os decanos Júlio Cesar Valladão Diniz, do CTCH, Francisco Guimaraens, do CCS, Sidnei Paciornik, do CTC e Hilton Augusto Koch, do CCBS, a darem as boas-vindas aos calouros.

O decano do Centro de Ciências Sociais, professor Francisco Guimaraens, comentou como o espaço da Universidade deve ser utilizado para, além do conhecimento e crescimento próprio, o entendimento das realidades plurais que nos circundam.

— Gostaria, sobretudo, que vocês aproveitassem esses próximos anos para desenvolver a plenitude e as potencialidades que vocês reúnem hoje. Que possam experimentar o que é efetivamente uma universidade. A PUC-Rio é espaço de diversidade, aqui há muitos saberes e formas do fazer, viver e ser, maneiras de se portar no mundo e só diante dessas diferenças nós podemos conhecer adequadamente as multiplicidades que nos constituem internamente.

O professor Sidnei Paciornik completou e exaltou o trabalho da Universidade em formar estudantes qualificados e levá-los ao mercado de trabalho prontos para exercerem as profissões escolhidas.

— A PUC-Rio não é somente uma escola. Você não entra aqui para receber conhecimento como se fosse algo automático e depois transformar em um emprego. A instituição é muito orgulhosa de formar profissionais que têm uma capacitação excelente e um papel importante na sociedade nos mais diversos setores.

CTC

Os calouros se encontraram com os respectivos departamentos para que poder conhecer os colegas, aprender sobre a Universidade e visitar as salas de aula e laboratórios. O CTC recebeu os novos estudantes com uma gincana de perguntas sobre a PUC-Rio. A dinâmica foi conduzida pelo Decano do CTC com a Coordenadora do Ciclo Básico, Débora Mondaini, o Coordenador do Núcleo de Educação em Ciências e Engenharia (NECE), Wilson Reis, e Dayana Ximenes, do Serviço de Orientação ao Universitário do Centro Técnico Científico (SOU-CTC). O aluno Felipe Cunha, 23 anos, de Engenharia da Computação, se mostrou empolgado com o curso e em começar uma nova fase da vida na Universidade.

— Escolhi cursar Engenharia da Computação porque é um ramo que cresce muito, além de ter uma paixão pela informática e facilidade com inglês e matemática. Optei pela PUC-Rio por ser referência dentro e fora do Brasil, espero que eu possa aprender e crescer muito aqui. 

Os calouros do CC participaram de uma gincana. Foto: Caio Matheus

CTCH

Os novos alunos do CTCH também demonstraram animação no primeiro contato com o mundo acadêmico. Caloura de psicologia, Débora Cristina de Oliveira, 23 anos, contou que uma das maiores motivações para a escolha do curso foi o fato de poder ajudar as pessoas por meio da escuta, uma das atividades inerentes à profissão. Isso também serve de catalisador para a moradora da Pavuna que, apesar do deslocamento que deverá percorrer para assistir às aulas, está entusiasmada com o início do período. 

— Escolhi esse curso porque me identifico com a área, é um assunto que conheço bastante, não querendo me engrandecer, mas pesquisei muito. Acredito que posso ajudar as pessoas com aquilo que sei. Quando você ouve o outro, você aprende. E, quando aprende, se torna uma pessoa melhor. Estou gostando bastante da Universidade e espero aprender muito aqui.

O Departamento de Artes & Design (DAD) organizou, para os calouros, um passeio pelo campus, com direito a visita aos laboratórios, petiscos e uma ecobag de brinde. Guiado por veteranos, o tour teve a participação do Diretor do Departamento, professor Nilton Gonçalves Gamba Jr., da Coordenadora de Graduação, professora Eliane Garcia, e os professores João de Sá Bonelli, Marcelo Fernandes Pereira e Gabriella Ferreira Vaccari. Além das visitas, os alunos puderam conhecer um pouco mais sobre o funcionamento das diferentes oficinas, descobrir as possibilidades de produção durante a graduação e realizar um experimento de construção de mandalas de frutas com a professora Ana Branco. 

A professora Ana Branco construiu mandalas de frutas com os calouros. Foto: Mateus Monte

Bruno Leon, 21 anos, tinha o sonho de estudar Design e escolheu a PUC-Rio por conta da boa reputação e qualidade da instituição. Animado com o início das aulas, o estudante afirmou que deseja absorver o máximo de conhecimento possível ao longo do curso. 

— A PUC-Rio é referência em qualquer área. Design, com a estrutura que esta Universidade tem, pode proporcionar muito para a gente, não só em relação ao profissional, mas também de conhecimento geral e networking.  

Bruno ficou positivamente surpreendido com a recepção e acolhimento que recebeu. Colega de curso, o também calouro Ryan Vieira, 20 anos, compartilha do sentimento.

- Minha jornada com a PUC-Rio é isso: quebra de expectativa. Eu tinha uma outra ideia, de que aqui era elitista, mas aos poucos isso foi mudando - comentou.  

O veterano de Design Gabriel Borja dos Reis, 24 anos, acompanhou o Meu Primeiro Dia na PUC e se surpreendeu com o quanto eles já estavam enturmados: antes mesmo do encontro presencial, já havia um grupo com cerca de 40 calouros no WhatsApp. 

— No outro grupo que criei, às vezes eu acordava e tinha mais de 1.000 mensagens. Eles não estão com aquele receio tão grande de quando comecei, de ‘será que vou fazer algum amigo?’.

CCS

Com diferentes histórias e vivências, os calouros do Centro de Ciências Sociais compartilharam, no Meu Primeiro Dia na PUC, os anseios e primeiras impressões da Universidade. Moradora da Rocinha, a aluna Marcela Flor Marinho, 29 anos, ingressou no curso de Direito como bolsista do PROUNI depois de dois anos e meio em outra instituição. A estudante disse como a recepção do corpo docente a surpreenderam antes mesmo de as aulas começarem.

— Nem na faculdade que eu pagava me senti tão acolhida. Quando ingressei, pensava que era apenas o turno da manhã, mas depois vi que era o dia inteiro, e isto seria muito complicado para mim. Tenho um filho autista e a PUC-Rio me deu todo suporte até eu conseguir mudar o meu horário para a noite. Por isso, também, me senti muito acolhida. Me ajudaram ao máximo para eu não perder o semestre, e a minha prioridade é o meu filho. Foi muito bom ter esse apoio.

No Departamento de Comunicação Social, a reunião de apresentação foi na sala 102-K com os coordenadores dos cursos de Estudos de Mídia e Jornalismo, professores Cláudia Pereira e Leonel Aguiar, e a Diretora do Departamento, professora Tatiana Siciliano. “O Manual do Calouro” foi apresentado aos estudantes que também tomaram conhecimento de detalhes dos cursos, das oportunidades de dupla formação, dos domínios adicionais, do intercâmbio e muito mais. 

A diretora do Departamento de Comunicação, professora Tatiana Siciliano, falou sobre os cursos para os calouros. Foto: Kathleen Chelles

Caloura de Jornalismo, Giovanna Alves Amorim, 20 anos, mora em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, e contou como não esperava ingressar na PUC-Rio, até receber a bolsa de estudos.

— Eu vim justamente pela oportunidade de fazer Jornalismo aqui na instituição. Eu já tinha passado em outra universidade, mas optei por vir para cá pela estrutura da PUC-Rio, que não tem comparação

CCBS

O Coordenador do curso de Graduação em Biologia, professor Vitor Hugo dos Santos, conduziu os novos alunos para um tour pelos laboratórios e salas de aula do Edifício Luiz Cyrillo Fernandes. O docente conversou sobre a dinâmica das aulas, trabalhos de campo e apresentou o acervo disponibilizado pela Universidade.

O professor Vitor Hugo dos Santos fez um tour pelos laboratórios com os alunos. Foto: Mateus Monte

Os calouros se mostraram animados com a possibilidade de trabalhar na área de pesquisa. É o caso do estudante Pedro Giannotti, 18 anos, que ingressa no curso de Biologia, animado pelo fato de poder lidar com assuntos relacionados à natureza. Ele escolheu a Universidade por considerá-la de excelência, além de ter notado que há uma ênfase para a área da botânica. 

— Escolhi a PUC-Rio porque, ao pesquisar sobre as universidades, vi que aqui os laboratórios são mais desenvolvidos, com uma maior chance de aprender na prática as técnicas ensinadas em sala. Optei pela Biologia porque desde pequeno gosto muito de caminhar, observar os bichos e estar rodeado de vegetação e natureza. E assim, desejo futuramente focar na área de reflorestamento utilizando bioestimulantes naturais.

Na cerimônia de encerramento, o Reitor agradeceu a confiança depositada pelos pais dos alunos na Universidade e afirmou ser necessária a presença da família durante o processo de escolha e estadia na instituição. O jesuíta ressaltou o caráter comunitário da PUC-Rio e desejou a todos um feliz período. 

— Vocês são parte da Universidade, aqui é a casa de vocês. O mais importante para nós é que vocês sejam felizes e nos ajudem a transformar esta instituição. Alunos, professores, funcionários, todos juntos para formar a comunidade da PUC-Rio.

O fim do Meu Primeiro Dia na PUC foi marcado pelas apresentações do Coral da PUC-Rio e da Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro. O coral começou com o Hino Pontifício e apresentou mais quatro músicas, que misturaram composições brasileiras, como Brasil Pandeiro, de Assis Valente, e estrangeiras, por exemplo,  Somebody to Love, da banda britânica Queen. A orquestra impressionou o público com interpretações de Beethoven, Georges Bizet e Clóvis Pereira.

A orquestra SinfÔnica do Rio de Janeiro se apresentou para o público. Foto: Mateus Monte

Participaram desta cobertura: Ana Tonelli, André Bocaiuva, Angelo Ye, Carolina Bottino, Eduarda Farias, João Lustosa e Julia Amoêdo

Mais Recentes
Os vários papéis da polícia no Mundo Atlântico
Encontros da História da PUC-Rio reuniram palestrantes da Itália, México e Brasil
Alunos terão desconto em moradia universitária
PUC-Rio fechou parceria com Uliving, maior rede deste tipo de serviço no país
Luz, câmera, renovação
Estúdios de gravação de televisão e rádio reabrem após reforma