Repensar estereótipos e preconceitos
31/05/2022 18:02
Luanna Lino

Dia da África é comemorado na PUC-Rio com um debate

Aza Nijiri, Jacques DAdesky, Eliana Alves Cruz e Alexandre dos Santos (Foto: Reprodução TV PUC)

Há 47 anos, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu 25 de maio como o Dia da África. Para comemorar a data, o Departamento de Letras e o Instituto de Relações Internacionais (IRI) organizaram o debate “África para além das diásporas”, no qual a luta pela valorização da cultura africana foi um dos temas discutidos. Realizado de forma presencial no Anfiteatro Junito Brandão, o encontro teve como participantes a jornalista e escritora Eliana Alves Cruz e o cientista político Jacques D'Adesky.

O objetivo da conversa foi entender como o pensamento literário e o acadêmico podem, juntos, promover uma desconstrução de estereótipos e preconceitos que contaminam o olhar e o entendimento sobre a África e os povos do continente. Durante a discussão, os organizadores do encontro, professora Aza Nijiri, do Departamento de Letras, e professor Alexandre dos Santos, do IRI, anunciaram a criação de um núcleo de estudos interdisciplinares de África e afro-diásporas na PUC-Rio para explorar uma nova linha de pesquisa na Universidade.  

A escritora Eliana Cruz abordou os impactos que a diáspora sangrenta dos africanos têm na vida de milhares de jovens negros ainda hoje. Ela contou um pouco da trajetória em busca de aceitação e pertencimento na comunidade negra e revelou que já havia questionado o seu lugar no Brasil e no mundo em meio a tanto preconceito. Segundo ela, o poder de absorção da “branquitude” apaga tudo que há ao redor, e isso dificultou seu processo de autoconhecimento.  

- As pessoas gostam de consumir o que criamos e produzimos, mas ninguém pensa o quão difícil é ser negro em um país como o Brasil.

Eliana Alves Cruz (Foto: Reprodução TV PUC)

Eliana se mostrou grata pela evolução da comunidade negra ao longo dos anos e assinalou o engajamento da juventude com relação à cultura africana. Ao abordar o processo criativo por trás de seu livro Águas de Barrela, ela observou a importância de estudar diversos aspectos dos valores africanos para passar uma mensagem completa na sua escrita.

Jacques D’Adasky apontou a complexidade de entender sobre a diversidade cultural e linguística da África e a necessidade de interpretar a africanidade sob um olhar não ocidental. Segundo ele, há uma tendência de reduzir as diásporas dos povos africanos às Américas, mesmo que tenham existido diásporas resultantes da escravidão árabe-muçulmana no Oriente Médio que duraram 13 séculos.

Jacques DAdesky (Foto: Reprodução TV PUC)

- O tráfico negreiro no transatlântico durou quatro séculos, portanto temos diásporas no Iraque, Turquia, e na China, por exemplo. E não podemos esquecer a nova diáspora na Europa por refugiados políticos. Por isso, quando falamos de diáspora há de incluir a Ásia, Oriente Médio e a recente questão que existe na Europa.

Mais Recentes
Mesma essência em diferentes frequências
Em comemoração do centenário do rádio, a professora Rose Esquenazi analisa as transformações do meio de comunicação
Avanço sobre o desconhecido
No XXX Seminário de Iniciação Científica da PUC-Rio, alunos da Universidade recebem certificados e discutem o ofício da ciência neste século
Amizade e fraternidade social
XIII Semana da CRE discute maneiras de incentivar autonomia e cidadania na Universidade