Praticar o saber ecológico
14/07/2023 17:41
André Bocaiuva e Bernardo Brigagão

IV Simpósio de Restauração Ecológica promoveu atividades dentro e fora da Universidade

Richieri e Henrique conduziram o grupo pelo Parque da Cidade. Foto: André Bocaiuva

Com tema “Sociedade, Ecologia e Economia: Do Financiamento ao Funcionamento da Restauração Ecológica”, foi realizado na PUC-Rio o IV Simpósio de Restauração Ecológica do Estado do Rio de Janeiro entre os dias 11 e 14 de julho. Organizado pelo Departamento de Biologia, o encontro uniu pesquisadores, viveiristas, técnicos, alunos, e demais interessados em Restauração Ecológica. A programação do Simpósio contou com saídas de campo, palestras, minicursos e mesas-redondas.

As visitas guiadas aos diversos parques ecológicos e reservas da cidade foram divididas nos seguintes locais: Floresta da Tijuca, Reserva Ecológica do Guapiaçu, Campus da PUC-Rio, Parque da Cidade e, por fim, o Bosque da Barra. As saídas de campo foram supervisionadas por especialistas em preservação ambiental. Os minicursos ocorreram no segundo dia do Simpósio, com aulas que abordaram de crédito de carbono ao controle de espécies exóticas invasoras.

O grupo visitou o Parque da Cidade. Foto: André Bocaiuva

A bióloga Stella Mata, do Instituto Nacional da Mata Atlântica e do Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, fez parte da comissão organizadora do Simpósio. Ela contou como a existência do projeto, desde 2018, foi importante para incentivar discussões sobre restauração ecológica e sobre esta prática.

— Pensamos que seria legal ter um evento no Rio de Janeiro que juntasse não só a parte acadêmica como também a parte prática, as prefeituras, o Estado e os grupos de pesquisa. O objetivo do Simpósio foi ser um ponto de encontro para discussão. Encontrar lacunas dentro da restauração ecológica e propor soluções. Já é o quarto simpósio, e sempre tentamos trazer um aspecto novo, o que no momento encontramos como principal ponto de discussão.

Os professores Richieri Antonio Sartori e Henrique Rajão conduziram as visitas guiadas no campus da PUC-Rio e no Parque da Cidade. Durante o passeio, os professores mostraram diversas plantas e árvores e explicaram o funcionamento delas na natureza. Antes de começar o percurso, eles conversaram com os participantes sobre o tema da integração da natureza no meio urbano. Rajão fez uma reflexão sobre como as áreas com natureza estão ficando cada vez mais elitizadas, restritas apenas aos bairros com mais poder aquisitivo. Sartori ressaltou a importância de informar sobre os benefícios das árvores para a população.

— Nós precisamos disponibilizar conhecimento para as pessoas. É muito difícil para elas buscarem informações do nada. Estamos começando um projeto para universalizar o saber ecológico. Uma das medidas que podem ser implementadas, por exemplo, é colocar um QR Code que explique uma árvore para que a população entenda a importância dela.

Richieri explicou sobre as plantas do Parque da Cidade. Foto: André Bocaiuva

Mais Recentes
Os vários papéis da polícia no Mundo Atlântico
Encontros da História da PUC-Rio reuniram palestrantes da Itália, México e Brasil
Alunos terão desconto em moradia universitária
PUC-Rio fechou parceria com Uliving, maior rede deste tipo de serviço no país
Luz, câmera, renovação
Estúdios de gravação de televisão e rádio reabrem após reforma