Corpo e mente em sintonia
06/10/2023 14:17
Carolina Bottino

PUC-Rio promove debate sobre saúde mental e prevenção de acidentes no ambiente de trabalho

Ariana Alves, coordenadora de inclusão do colégio Zaccaria, falou sobre a relevância da saúde mental. Foto: Mateus Monte

Cuidar da saúde é importante não apenas para o bem-estar pessoal, mas para o desenvolvimento de relacionamentos e na melhora do desempenho em ambientes corporativos. Entre os dias 18 e 22 de setembro, palestrantes especializados em saúde e segurança vieram à PUC-Rio para conversar sobre prevenção de acidentes de trabalho e saúde mental.

O Reitor Padre Anderson Antonio Pedroso, S.J. abriu a Semana Interna de Prevenção de Acidente de Trabalho (SIPAT) com um discurso sobre a importância da saúde para o bem-estar pessoal e social do indivíduo. Em seguida, a professora e psicopedagoga Ariana Alves, que é coordenadora de inclusão no colégio Zaccaria, conversou sobre a saúde mental como um fator de grande relevância para a resolução de problemas e seu impacto no desempenho profissional.

– É impossível separar a saúde do corpo e da mente. Durante muito tempo, procurar ajuda quando se estava com algum problema relacionado à saúde mental era sinônimo de alguém que não poderia lidar com questões simples do dia a dia, era algo estigmatizado. Esse evento é fundamental pois traz uma reflexão sobre como nós, colegas de trabalho, podemos ajudar o outro, e isso passa pelo preconceito e julgamento. O preconceito pode ser combatido a partir da reflexão da possibilidade de o que está acontecendo com o outro pode estar acontecendo com a gente.

Após a palestra, o Coral da PUC-Rio encerrou as apresentações da manhã cantando Berimbau, de Vinicius de Moraes, além de surpreender o público com um solo da música Happy Day, de Edwin Hawkins.

Durante o segundo dia de conversas, o mestrando em Telecomunicações, Mateus Santos, e o Engenheiro de Segurança do Trabalho, Francisco Argolo, responsável por treinamentos em procedimentos de Segurança do Trabalho, de Serviços e de Execução para o cliente Ampla S/A, debateram a questão do cuidado no manuseio dos equipamentos de proteção. A cautela no manejo de máquinas pesadas e a busca por auxílio de terceiros foram temas abordados.

Mateus Santos e Francisco Argolo falaram sobre o cuidado no manuseio de equipamentos de proteção. Foto: Mateus Monte

O professor Marcelo Motta, do Departamento de Geografia, ministrou a palestra “Ambiente e ambiência”, sobre a conquista do espaço urbano e o impacto do planejamento precário das cidades no cotidiano de moradores, principalmente os que estão localizados em locais considerados de risco.

– Ao longo das décadas iniciais de ocupação do Brasil, houve uma conquista de territórios na cidade do Rio de Janeiro. A cidade cresceu, se modificou, e com as reformas do início do século XX, novas construções foram feitas, mas como não houve atenção a certos detalhes nessas restaurações, atualmente o meio ambiente e as espécies nativas dessas regiões pagam o preço. Isso acontece, por exemplo, com o asfaltamento das cidades, porque quando chove, a água não irá penetrar no solo da mesma maneira, o que gera inundações. Em casos como o aterramento de determinados espaços, há uma degradação da biodiversidade nativa daquela região.

O professor Marcelo Motta ministrou palestra sobre a conquista do espaço urbano e o impacto do planejamento precário das cidades. Foto: Mateus Monte

No último dia de debates, a equipe de Recursos Humanos da PUC-Rio discutiu a empatia em ambientes de trabalho, além da importância deste valor durante a contratação de pessoas com deficiência (PcD). A responsável pela gerência de recursos humanos da Universidade, Maria Eduarda Pestana, explicou a importância do acolhimento e da diversidade em espaços corporativos. Ela ressaltou a necessidade de se colocar no lugar do outro para a compreensão das necessidades individuais, o que gera um sentimento de harmonia e pertencimento.

A recrutadora de seleção da PUC-Rio, Marcelle Botelho, que é diagnosticada com autismo, afirma que as políticas de inclusão da Universidade são essenciais para a inserção de pessoas neuro divergentes em ambientes de trabalho, pois constroem um ambiente diverso e acolhedor.

– Existe uma dificuldade por parte das empresas em recrutar pessoas com diagnóstico envolvendo saúde mental, na maioria das vezes os empregadores não querem lidar com as necessidades especiais ou algum tipo de crise. Aqui eu percebi o inverso, meus colegas de trabalho constantemente perguntam se estou confortável, se a rotina não está pesada, e escutam minhas ideias, não me sinto desamparada. Passei a vida toda querendo esconder minhas características do espectro autista, por medo de sofrer preconceito, mas aqui é tudo normalizado, como deveria ser, e por isso sinto que posso ser eu mesma.

A Semana Interna de Prevenção de Acidente de Trabalho foi encerrada com uma apresentação da banda Corus. Formada por Gianlucca Abate, na bateria, Rodrigo Saintive, no baixo, e Lucas Pires, no vocal, o trio apresentou um repertório repleto de clássicos do pop e rock.

Mais Recentes
Caminhos da inovação para políticas públicas em Engenharia e Arquitetura
Projeto multidisciplinar reuniu 65 pesquisadores em três eixos temáticos
PUC-Rio se prepara para grandes travessias a partir de 2024
Na Assembleia, professores, alunos e funcionários se unem em torno de novo futuro para a Universidade