Economista Marcio Garcia toma posse como professor titular
07/12/2018 09:35
Pedro Madeira

Há 36 anos na PUC-Rio, o professor é o terceiro a receber a nomeação no Departamento de Economia

O Padre Josafá siqueira empossa o professor Marcio Garcia. Foto: Amanda Dutra

O professor Marcio Garcia, do Departamento de Economia, foi empossado pelo Reitor, padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J., e Vice-Reitor, padre Álvaro Mendonça Pimentel, S.J., como professor titular da PUC-Rio na última terça-feira, 4. Na sessão solene do Conselho Universitário, Garcia proferiu a aula magistral Desafios Macroeconômicos no Brasil. Professor da PUC-RIO há 36 anos, Garcia é o terceiro a ocupar a posição de titular no Departamento de Economia – os outros na mesma categoria são os Rogério Ladeira Furquim e Marcelo Paiva Abreu.

Graduado em Engenharia de Produção na UFRJ, o novo professor titular chegou à PUC-Rio em 1984 para a fazer o mestrado em Economia; depois cursou doutorado na Stanford University, Estados Unidos. Como professor no Departamento de Economia, Garcia atuava na Universidade quando o departamento, na época, com os economistas Pedro Malan e Gustavo Franco, enviou professores da PUC-Rio para compor a equipe do Plano Real e combater a maior crise inflacionária da história do país. Desde então, segundo Garcia, ele esteve presente em diversos movimentos de economistas com intuito de resolver questões nacionais.

- Estive no meio dos diversos momentos da economia brasileira, extremamente dinâmica, uma hora em crise, outra hora pujante, sempre tentando dar minha contribuição. Para mim, é muito gratificante estar nessa posição.

Professor Marcio Gomes Pinto. Foto: Amanda Dutra

Pai de dois filhos, o engenheiro lembrou que, logo após passagens curtas em alguns empregos, o filho caçula se mostrou preocupado com o fato de o pai não conseguir algum lugar fixo para trabalhar. Semanas antes da cerimônia, ele rememorou esta conversa com o filho, em gratidão pela oportunidade proporcionada pela PUC-Rio.

- Eu costumo dizer que meu sentimento por essa Universidade é tão grande, que eu só saio da PUC-Rio para uma outra instituição católica, que seria o cemitério São João Batista. É muito intenso, eu gosto muito daqui; de ensinar, naturalmente. Estou muito satisfeito com a casa.

Na aula magistral Desafios Macroeconômicos no Brasil, Garcia fez alguns apontamentos sobre os possíveis cenários econômicos que se aproximam e projetou saídas para a pior recessão da história do país. De acordo com ele, uma grave crise fiscal se arrasta desde o segundo semestre de 2014, e a solução não é simples e requer tempo: é preciso reverter um déficit de 2% para um superávit superior a 2%; segundo ele, algo muito difícil. Na visão do economista, a reforma da Previdência é uma medida necessária e vai dar tempo ao Brasil, mas, observou, não vai resolver o problema. Para isto, seriam necessários outros ajustes, avaliou o professor.

- A reforma é condição necessária, porém, não suficiente para evitar que a dívida pública continue em trajetória explosiva. Se não aprovar, a agenda econômica, em um cenário ruim, sai do controle. Temos pontos positivos, como uma boa reserva internacional e uma balança de pagamento saudável. O novo czar econômico (o futuro ministro da Fazenda Paulo Guedes) tem uma agenda correta e certamente vai se bater muito por ela. Dois riscos que podem nos jogar no cenário ruim: o governo Bolsonaro é politicamente inexperiente, frente a uma agenda fiscal muito desafiadora e o caráter corporativista desse novo Congresso, o que deve dificultar as mudanças necessárias. Agora, estamos em uma recuperação cíclica, mas precisamos transforma-la em um processo de crescimento vigoroso.

Ao fim da aula, o Reitor, padre Josafá, proferiu um discurso para concluir a cerimônia e lembrou aos presentes que sentiu o peso do Departamento de Economia para a política nacional logo quando entrou na Universidade. Comentou que o departamento é um “motivo de orgulho” para a história da instituição e acrescentou que a aula de Garcia mostrou a qualidade acadêmica da divisão econômica da universidade.

- Até as pessoas com visões distintas do departamento não deixam de reconhecer o nosso papel; um departamento que não olha só para si mesmo, mas para o estado e o país. Nesse sentido, recentemente eu tive em uma reunião em que estava presente o nosso futuro ministro da economia - embora eu tenha posições diferentes. Ele reconheceu fortemente o papel da PUC-Rio, o papel que a PUC-Rio tem na condução da política do país. Eu fiquei feliz de ouvir, me orgulha. 

 Currículo de Marcio Gomes Garcia

Márcio Garcia é Ph.D. pelo Economics Department, Stanford University (1991), mestre em Economia por Stanford (1990) e PUC-Rio (1987) e engenheiro de produção pela Escola da Engenharia da UFRJ (1982). É Professor Associado do Departamento de Economia da PUC-Rio, tendo já exercido a chefia do Departamento de Economia (1999-2002), a coordenação de pós-graduação (1997-2000) e a coordenação de graduação (1991-1993). Suas áreas de pesquisa são finanças internacionais (macroeconomia aberta) e economia monetária e fiscal, atuando principalmente nos seguintes temas: fluxos de capitais, controles de fluxos de capitais, taxa de câmbio, intervenções cambiais, inflação, política monetária, dívida pública e sistema financeiro. Durante 2013, foi visiting scholar junto à Sloan School of Management - MIT e ao NBER, com bolsa de pós-doutorado do CNPq. Em 2014, foi Tinker Visiting Professor na universidade de Stanford. Em 2002/3, realizou pós-doutorado no Economics Department, Stanford University. Seu recente artigo FX INTERVENTIONS IN BRAZIL: A SYNTHETIC CONTROL APPROACH, publicado em 2017 no Journal of International Economics, ganhou o prêmio Haralambos Simeonidis, da ANPEC, de melhor artigo. É pesquisador do CNPq e Ciestista Nosso Estado, da FAPERJ. É membro do Bellagio Group.

Informações obtidas do Lattes em 06/12/2018

Mais Recentes
Mulheres presas e esquecidas
Ciclo de palestras aborda o encarceramento feminino no Brasil e denuncia a realidade das mulheres dentro dos presídios
Literatura infanto-juvenil em alta
Entrega dos prêmios Selo Cátedra 10 é marcada por defesa da relação entre Academia e mercado editorial