Vazamento de esgoto polui Rio Rainha na Gávea
14/05/2019 18:53
Tatiana Abreu

A prefeitura do campus da PUC-Rio entrou em contato com a CEDAE mais de uma vez, mas ainda não obteve um retorno da companhia.  

Um vazamento de esgoto causa sujeira, altera cor da água e provoca mau cheiro no Rio Rainha, que nasce no Maciço da Tijuca, atravessa a Gávea, deságua no canal da Avenida Visconde de Albuquerque com destino final na praia do Leblon. Segundo o professor Renato Carreira, do Departamento de Engenharia Química da PUC-Rio e conselheiro do Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA) da PUC-Rio, há três vazamentos na Travessa Madre Jacinta, que fica atrás do campus da PUC-Rio.

Vazamentos na Travessa Madre Jacinta. Foto: Amanda Dutra

O esgoto cai na rede pluvial por meio de canos que desembocam no rio para aliviar fortes volumes de chuva. O NIMA apurou que o despejo de dejetos não vem de nenhuma tubulação do interior do campus. A prefeitura do campus da PUC-Rio entrou em contato com a CEDAE mais de uma vez, mas ainda não obteve um retorno da companhia.  

- O vazamento é de esgoto bruto. É um entupimento da rede de esgoto da CEDAE, que certamente tem relação com as fortes chuvas que levaram muitos resíduos para essa tubulação de esgoto – afirmou Carreira. 

Renato Carreira, professor do Departamento de Engenharia Química e conselheiro do NIMA. Foto: Amanda Dutra

Moradores e funcionários relatam que o vazamento ocorre há mais de dois meses e a situação já esteve pior, dificultou até a passagem de pedestres pela rua. Segundo Vinícius Linhares, segurança da Travessa Madre Jacinta, qualquer chuva faz a tampa do bueiro sair do lugar.

- Com qualquer chuvinha esse tampão (localizado na esquina da Travessa Madre Jacinta com Rua Marquês de São Vicente) sai do lugar. Uma árvore quebrou a manilha, mas não foi só a árvore. Acho que, quando choveu, esse tampão ficou aberto e caiu paralelepípedo dentro. Existem mais dois vazamentos na Rua Marquês de São Vicente. Os moradores já fizeram muitas ligações para CEDAE e a Prefeitura do Rio. 

 

Vazamento de esgoto na Travessa Madre Jacinta. Foto: Amanda Dutra

A CEDAE esteve na Rua Marquês de São Vicente na tarde desta terça-feira, 14, com um caminhão de vácuo para desentupir a fossa. De acordo com o professor do Departamento de Engenharia Química, essa medida é paliativa. Carreira observa que empresas privadas não podem fazer a limpeza do local pois, como a tubulação do esgoto é na rua, somente a CEDAE realiza esse trabalho.  

O NIMA informou que ainda não foi feita uma medição da qualidade da água do rio para aferir a quantidade de esgoto que foi despejado. Segundo Carreira, dependendo da quantidade de resíduo, a de oxigênio pode ficar muito reduzida e prejudicar a vida da flora e fauna. 

 

Margem do Rio Rainha. Foto: Amanda Dutra

- É uma situação aguda, crônica, um volume enorme de vazamento. Se o vazamento parar, o rio, pelo próprio fluxo, vai se recuperando naturalmente ao longo dos dias. O que preocupa é o acúmulo maior de resíduo de esgoto acumulado no sedimento, nas margens que deve demorar mais tempo para se decompor.

Mais Recentes
Vozes pela educação
Passeata no Centro do Rio reúne cariocas de diversas idades contra a redução de verbas para o ensino público  
Histórias cobertas de cinzas
Manifestantes se reúnem na Cinelância para protestar após incêndio que destruiu Museu Nacional