XXV Semana de Meio Ambiente
04/06/2019 15:56
Letícia Messias

Na programação, haverá palestras, exibição de filmes e oficinas de reciclagem

Abertura da XXV Semana de Meio Ambiente. Foto: Larissa Gomes

Visões da Amazônia é o tema da XXV Semana do Meio Ambiente, que teve início nesta terça-feira, 4 de junho. A abertura foi feita pelo Reitor da Universidade, padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J.. Em seguida, houve a celebração dos 20 anos do Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA), com a exibição de um curta-metragem que conta a fundação e história do Núcleo. Durante a Semana, que prossegue até quinta-feira, 6 de junho, ocorrerão palestras, exibição de filmes e oficinas de reciclagem.

Para padre Josafá, esta edição da Semana de Meio Ambiente está diferente das anteriores. Em primeiro lugar, ressaltou, porque o avanço das questões ambientais no Brasil se mistura com um clima de preocupação e retrocesso. Para ele, é um perigo diminuir a importância das relações entre ciência e sociedade nas questões ambientais.

– Estamos assistindo um apequenamento do meio ambiente, tanto na redução progressiva de nossos biomas e ecossistemas, que é um fato inquestionável, como nas opções políticas. Além de não colocarem as preocupações ambientais no centro do nosso país, as submetem de maneira equivocada a questões ideológicas.

Padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J, fala sobre questões ambientais. Foto:Larissa Gomes

O Reitor também destacou a relação entre meio ambiente e o legado criacional. Para ele, é preciso tratar as questões ambientais como um patrimônio de caráter universal, acima da transitoriedade de governo e ideologias. Padre Josafá afirmou que o papel da sociedade é ser guardiã do planeta, e não proprietária, uma vez que todo ecossistema é parte fundamental da obra do Criador.

Segundo o diretor do NIMA, professor Luiz Felipe Guanaes, a Laudato Si’ veio como uma fonte de esperança, pois é o primeiro documento da Igreja em que a relação social e ambiental está fortemente representada. Porém, segundo ele, há também um momento de desestruturação por parte dos governos e quebra de contratos ambientais.

– Acho que estamos vivendo um momento, não só no Brasil, mas no mundo inteiro, em que, de certa forma, a percepção da importância do meio ambiente diminuiu, mas inevitavelmente daqui um tempo voltará. Acredito que os alunos tenham que ter esperança e não acreditar que um determinado momento político irá desmontar tudo, porque não é assim que acontece a dinâmica.

Luiz Felipe Guanaes fala sobre a importância da Laudato Si’. Foto: Larissa Gomes

Para celebrar os 20 anos do NIMA, a TV PUC-Rio produziu um curta-metragem com alguns momentos e relatos dos participantes do projeto. O Núcleo nasceu com o objetivo de promover discussões interdisciplinares sobre as questões socioambientais. Atualmente, o NIMA é reconhecido para além das fronteiras da Universidade.

A cerimônia também contou com homenagens a pessoas que contribuíram com o nascimento do NIMA. Entre elas, padre Josafá destacou o professor Luiz Felipe Guanaes, a professora Denise Pini, do Departamento de Serviço Social, e outros professores que participaram da fundação e foram responsáveis pelos primeiros projetos e pesquisas do Núcleo.

Mais Recentes
Instagram para pessoas com deficiência auditiva vence Desafio
Parceria entre Departamento de Comunicação Social, Comunicar e Ecoa PUC-Rio premia melhores ideias de inovações em jornalismo
Cineasta dos sonhos interrompidos
O cineasta e professor Silvio Tendler, do Departamento de Comunicação Social, recebe homenagem pelos 51 anos do primeiro filme, A Revolta da Chibata. Até sexta-feira, haverá exibições de obras do documentarista, seguidas de debates.   
Poesias que vêm do amor
Escritor Gilberto Mendonça Teles é homenageado pelos 50 anos de magistério na PUC-Rio