Instagram Marketing
24/06/2019 17:11
Tatiana Abreu

Palestra expôs as transformações provocadas pelo Instagram na comunicação

A palestra sobre Instagram Marketing encerrou o ciclo de palestras sobre Mídias Digitais na segunda-feira, 17. Ex-aluno de Jornalismo na PUC-rio e mestre em Mídias Criativas pela UFRJ, Júlio Trindade expôs as transformações provocadas pelo Instagram na comunicação. Trindade baseou o raciocínio de acordo com Lev Manovich, pesquisador na área de novas mídias, mídias digitais, design e estudos do software. O pesquisador é conhecido por dizer que a sociedade vive um Instagramismo, baseada na estética, que proporciona a cultura da imagem e causa uma mudança da relação do público com as mídias.

Para entender o que as pessoas postam no aplicativo, Manovich realizou uma pesquisa em 2015 com 152 mil imagens publicadas em Londres e as dividiu em três categorias. Ele relatou que 80% delas não têm preocupação com a linguagem técnica como fotos de família ou amigos, 11% são fotos profissionais preocupadas com a qualidade da imagem e 9% são nomeadas de designed um estilo relacionado com lifestyle urban, hype e cool.

Julio Trindade. Foto: Amanda Dutra.

De acordo com Trindade, o Instagram é formado por milhões de autores conectados e oferece uma linguagem visual própria de fotos “on the go”, ou seja, em movimento, fotos do exato momento. Uma das características identificadas por Manovich são as fotos em estilo flat lay, fotografias de cima para baixo, e que exigem maior elaboração, fazem parte da linguagem visual dos posts no Instagram.  Segundo Trindade, o estudo foi muito importante para o Instagram Marketing identificar o que pode atrair o público e ainda é muito atual. 

- Se eu mostrar uma fotografia desse estilo, tem a carinha do Instagram. Acho importante até para os fotógrafos observarem isso, muitas vezes precisamos de algo com certa elaboração, composição. É muito importante pensar na fotografia com a linguagem do Instagram.

Com relação ao conteúdo trabalhado no Instagram, Manovich categorizou as selfies em primeiro lugar, amigos ou família em segundo, exercícios em terceiro e fotos de comida em quarto. Além disso, ele exemplifica posts considerados comuns como captioned photo, que são fotos com frases, recurso muito utilizado com sentenças motivacionais. Segundo Trindade, essa pesquisa também foi fundamental para ajudar na criação de conteúdo dos clientes

- É de extrema importância saber o que as pessoas gostam de ver no aplicativo para criar um conteúdo da marca e atrair o público.

Trindade explicou que o aplicativo prioriza fotos e vídeos. Segundo ele, o formato de posts como artes ou flyer não funciona e gera pouco engajamento no Instagram. O aplicativo tem dois formatos, o feed de notícias, que está na página inicial do aplicativo, e o grid que organiza as fotos no perfil. Ao postar fotos é importante pensar nos dois formatos e na organização visual do grid, principalmente se a foto traz palavras ou informação.

- Uma foto é um conteúdo e, por isso, é importante alinhar cada conteúdo com a narrativa. Transformar o conteúdo em fotos e vídeos, em vez de artes, auxilia a organização do grid do Instagram – destacou Trindade.

Júlio Trindade. Foto: Amanda Dutra.

Assim como o conteúdo, o texto também se diferencia de uma rede social para outra. O Instagram possibilita o uso máximo de 2.200 caracteres, mas, até 80, a opção “ver mais” não aparece para o usuário. Para Trindade, o ideal é usar entre 140 a 150 caracteres e dar prioridade para a primeira frase com um conteúdo que se baste. Ele recomenda também que o texto termine com uma interação ou pergunta e um emoji, pois geram relevância e mais interação do público com a marca. O pesquisador destacou, também, a importância de indexar um conteúdo.

- Podemos indexar conteúdo usando geolocalização ou hashtag, isso nos dá margem para fazer estudo de marketing para consumo e pesquisa social. Com relação às hashtags, acho de 5 a 10 um número ideal, sendo melhor utilizado no fim dos textos ou nos comentários.

O Instagram, segundo o pesquisador, é uma ferramenta importante para pensar uma narrativa e, assim, também pode contar uma história. Assim, destacou, os princípios básicos de uma história são trabalhados: início, meio e fim; personagens; continuidade e ações. O pesquisador afirmou que utilizar esse esquema é um bom método para trabalhar o stories. 

- O próprio nome já diz, stories é contar uma história. Podemos identificar isso ao cobrir eventos com essa ferramenta. Para isso, devemos mostrar a preparação para o início, como o evento acontece, mostrar quem está participando, até que chegue ao fim. 

 

Trindade inclui a interatividade como princípio básico para contar uma história digital. O pesquisador aconselha que os possíveis formatos sejam explorados como as enquetes, quiz e perguntas no stories do Instagram. Esses stories, observou, são os mais vistos e geram mais engajamento com o público. E, lembrou, é importante associar a funcionalidade com o conteúdo que a marca quer gerar.

 

Mais Recentes
União de esforços para uma sociedade fragmentada
Solenidade de Abertura da Semana das Comunidades celebra parceria entre a PUC-Rio e a Arquidiocese do Rio de Janeiro
Marcas de uma cidade maravilhosa
Profissionais apresentam um formato moderno para o primeiro museu virtual do Rio de Janeiro
Cem anos de Primo Levi: Memórias da Segunda Guerra
Químico sobrevivente do Holocausto é homenageado em colóquio na Universidade