Projeto para pessoas com deficiência auditiva vence Desafio
25/06/2019 09:00
Gustavo Magalhães

Parceria entre Departamento de Comunicação Social, Comunicar e Ecoa PUC-Rio premia melhores ideias de inovações em jornalismo

A entrega da premiação do Desafio ECOA PUC-Rio de Inovação Jornalística foi realizada no dia 19 de junho. A proposta pedia aos alunos para produzirem conteúdos inéditos, em vídeo, que abordassem os temas debatidos durante a 1ª Semana de Jornalismo. O estudante de Cinema Willy Jhony foi o vencedor da competição, com o projeto Escuta Brasil, um portal de notícias no Instagram voltado para deficientes auditivos. Ele foi premiado com um iPhone XR e uma bolsa de estágio em edição de vídeo no ECOA PUC-Rio. O segundo e o terceiro colocados ganharam a oportunidade de estagiar no ECOA. Foram 13 inscritos e usados critérios como abordagem inovadora, geração e difusão de conhecimento e qualidade técnica do vídeo apresentado.

Willy Jhony comentou que, ao fazer pesquisas, percebeu que um público não recebia informações publicadas por grandes veículos de notícias. Segundo ele, dados do IBGE de 2010 apontam que cerca de 5% da população brasileira – quase 10 milhões de pessoas – são formadas por pessoas surdas. Com base nessa base, ele decidiu criar um portal de notícias no Instagram para democratizar a informação, com apresentadores surdos e bilíngues, comunicação em libras, acompanhados da narração e legenda.

– As redes sociais são os principais meios de se informar, atualmente. Eu acho que não conseguimos falar de comunicação sem falar de acessibilidade, de inclusão.  A ideia é fazer com que os surdos se sintam especiais. Essas pessoas, assim como nós, merecem e têm direito à informação.

A aluna de Jornalismo Gabriela Rodrigues foi a segunda colocada. Ela formulou o Localizando, uma série de videorreportagens que visam retratar as realidades e os dilemas das pessoas que, para ela, não recebem visibilidade da grande mídia. Gabriela mostrou uma aldeia indígena em Maricá e retratou as dificuldades daquelas pessoas, como falta de uma escola e de um posto de saúde.

Aluna Gabriela Rodrigues. Foto: Larissa Gomes

O projeto Boa Pauta, um portal na internet para que jornalistas possam colocar pautas esquecidas ao longo dos dias de trabalho, é uma concepção do estudante de Jornalismo Leonardo Flores, que ficou em terceiro lugar no desafio de inovação em jornalismo. Flores explicou que, no Boa Pauta, haverá um espaço para a comunidade sugerir temas aos jornalistas. Com o projeto, ele pretende que haja maior participação popular nas reportagens.

Aluno Leonardo Flores. Foto: Larissa Gomes.

A entrega da premiação foi feita pelo Coordenador do curso de Jornalismo, professor Felipe Gomberg, pela Coordenadora Geral do Comunicar, professora Lilian Saback, pela coordenadora da Assessoria de Imprensa da PUC-Rio, professora Luciana Pereira, e pelo Coordenador do ECOA, professor Gustavo Robichez.

Felipe Gomberg afirmou que o Prêmio ECOA PUC-Rio representa uma maior interação entre a tecnologia e a informação. Para ele, essas áreas deveriam estar ligadas, a fim de gerar inovações nessas áreas. Gomberg destacou a importância das trocas entre os saberes dos diferentes cursos da Universidade, facilitada pelo campus da PUC-Rio, que mantém próximo diversos departamentos.

– O prêmio é uma parceria muito importante entre o Departamento de Comunicação Social, via Comunicar, com o ECOA, que enfatiza a questão da inovação, fazendo provocações aos alunos para que participem. Fiquei satisfeito com o resultado. O nosso departamento precisa interagir com os outros cursos da PUC, tem que pensar para outros departamentos da PUC, melhorar esse movimento de ideias.

Gustavo Robichez definiu o desafio como um grande laboratório para experimentar novas ideias e propostas. Ele ressaltou que as atividades profissionais podem ser alavancadas com tecnologias e processos criativos. Para Robichez, é necessário estimular os estudantes para desenvolverem projetos, por meio do preparo deles com os conhecimentos compartilhados pela faculdade e pelos professores.  

– Nossa intenção foi fomentar noções de inovação, para que a atuação profissional futura dos nossos alunos da Universidade possa desenvolver atividades diferenciais em sua carreira. Sobre o ponto de vista de tecnologia, há um campo enorme para ser desbravado. Devemos promover um conhecimento mais profundo sobre o digital e as tecnologias, pensar e construir esse mundo novo, usando a contribuição das pessoas.  Tecnologia é aceleradora, é conteúdo.

De acordo com a professora Luciana Pereira, as propostas presentes nos vídeos mostravam consciência social e de diversidade no conteúdo apresentado. Ela ressaltou a diversidade dos temas como um ponto positivo, pois representa que os participantes perceberam a necessidade de pensar soluções aos problemas dos outros como forma de criar e promover comunicação de qualidade.

Mais Recentes
Cineasta dos sonhos interrompidos
O cineasta e professor Silvio Tendler, do Departamento de Comunicação Social, recebe homenagem pelos 51 anos do primeiro filme, A Revolta da Chibata. Até sexta-feira, haverá exibições de obras do documentarista, seguidas de debates.   
O futuro do meio ambiente
Simpósio debate dificuldades para o reflorestamento e a importância da participação da sociedade nesse processo