Fortalecimento da restauração ambiental
19/07/2019 17:49
Clara Martins

Simpósio sobre a recuperação florestal discute mudanças no ecossistema e desafios para reversão do cenário

A abertura do II Simpósio de Restauração Ecológica do Estado do Rio de Janeiro reuniu especialistas da área ambiental. Foto: Amanda Dutra

Reduzir, reutilizar, reciclar e restaurar são os quatro Rs considerados fundamentais para um ecossistema sustentável e foram abordados na abertura do II Simpósio de Restauração Ecológica do Estado do Rio de Janeiro (II SIMERJ). A cerimônia de abertura do encontro ocorreu na quinta-feira, 18, e teve a presença de docentes e especialistas ambientais. Os convidados debateram os impasses e as possíveis soluções para a recuperação florestal.

A Diretora do Departamento de Biologia, professora Rejan Rodrigues, explicou o início do processo de reversão do quadro de degradação ambiental no Rio de Janeiro, na década de 1980. De acordo com ela, o bioma do estado estava sendo muito impactado, e um grupo de jovens recrutantes da Escola de Florestas da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro), em conjunto com a instituição do Jardim Botânico, começou a desenvolver a ideia de revegetação como forma de amenizar os problemas.

– No final dos anos 80, o estado ganhou a condição de intervenção modesta, fruto do pioneirismo de jovens, que, com poucos recursos, foram capazes de levar adiante o atual rumo da restauração florestal. Se não fosse pelo esforço desses indivíduos, hoje não teríamos perspectivas de reversão do quadro.

A professora Rejan Guedes comentou o ínicio da reversão do quadro de degradação florestal. Foto: Amanda Dutra

De acordo com Rejan, o simpósio é uma oportunidade para promover um diálogo entre a produção de conhecimento da área acadêmica e as experiências de campo. Rejan qualificou o momento atual como “caos ambiental” e afirmou que uma conferência como essa possibilita discutir e entender as percepções da academia junto a produtores e as empresas.

Responsável por introduzir uma das mais importantes restaurações no estado, o representante da Sociedade Brasileira de Restauração Ecológica (SOBRE) Luiz Fernando Duarte comentou que o II SIMERJ é uma forma de reforçar uma reunião ambiental que começou a ser pensada há mais de nove anos. Duarte lembrou que o debate sobre a revegetação teve início com a criação da Rede Brasileira de Restauração Ecológica (REBRE).

– Uma das propostas da Rede era difundir o conceito de restauração, ampliar a discussão e compartilhar o protagonismo para que outras pessoas que tinham interesse se sentissem inseridas no processo. Fomos muito bem sucedidos, e um dos resultados dessa ação foi a criação da Sociedade Brasileira de Restauração Ecológica.

O Reitor da PUC-Rio, padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J., destacou a biodiversidade como um bem de caráter universal e a necessidade de discussões interdisciplinares a respeito dos rumos tomados por ela ao longo dos anos. Padre Josafá ressaltou que a biodiversidade ultrapassa fronteiras nacionais e é responsável por prestar um serviço de equilíbrio ambiental em escala planetária.

– É importante fazer o uso do princípio da interdisciplinaridade, ou seja, ter diversas áreas do conhecimento participando para buscar soluções para a complexidade do problema da biodiversidade. Hoje, não é mais possível um campo de conhecimento isolado dar conta de todos os obstáculos, devemos reconhecer que, trabalhando juntos, conseguimos vencer os desafios.

Padre Josafá ressaltou a necessidade da interdisciplinaridade para discutir a restauração ecológica . Foto: Amanda Dutra

Um dos organizadores do simpósio, o professor Richieri Sartori, do Departamento de Biologia, destacou o projeto mutirão da Prefeitura do Rio de Janeiro como uma das principais ferramentas para a restauração ecológica. Segundo o professor, o projeto está presente em mais de 140 comunidades carentes com milhares de mudas plantadas desde 1984.

– O mutirão tenta fazer da melhor forma possível para que se tenha o retorno das florestas no município. E grande parte do que nós vemos hoje da recuperação florestal foi feita pelo projeto.

O professor Richieri destacou a importância do Projeto Mutirão da prefeitura. Foto: Amanda Dutra

Integrante do Instituto Internacional para Sustentabilidade (IIS) Renato Crouzeilles comentou que o trabalho com metas e planos de restauração brasileiro tem alcançado muitos avanços e consagrou o país como um exemplo dessa iniciativa no mundo. Para ele, independentemente da situação governamental, a sociedade deve continuar com o engajamento cada vez maior na defesa da revegetação.

A cerimônia de abertura também teve a participação da representante do Pro Mudas Rio, Marina Figueira, de uma das a organizadoras do II SIMERJ Stella Mata, e do pesquisador do Instituto do Jardim Botânico do Rio de Janeiro Massimo Bovini.

Mais Recentes
União de esforços para uma sociedade fragmentada
Solenidade de Abertura da Semana das Comunidades celebra parceria entre a PUC-Rio e a Arquidiocese do Rio de Janeiro
Marcas de uma cidade maravilhosa
Profissionais apresentam um formato moderno para o primeiro museu virtual do Rio de Janeiro
Cem anos de Primo Levi: Memórias da Segunda Guerra
Químico sobrevivente do Holocausto é homenageado em colóquio na Universidade