Fake news ao redor do mundo
29/08/2019 14:48
Esther Obriem e Letícia Messias

Jornalistas afirmam que as notícias falsas não são recentes, mas que ganharam força com a internet

Palestrantes Bruno Marinoni e Tayane Guimarães. Foto: Gabriela Callado

Uma das questões contemporâneas que afligem o mundo inteiro é a desinformação. Foi o que afirmou o diretor do Departamento de Comunicação Social, professor Leonel Aguiar, no lançamento da cartilha Desinformação: Ameaça ao direito à comunicação muito além das fake news, que ocorreu na terça-feira, 27. O encontro teve a presença do autor da cartilha e integrante do coletivo Intervozes Bruno Marinoni e da pesquisadora do ITS Rio Tayane Guimarães, que participaram da mesa de debates.

Segundo Marinoni, a proposta da cartilha é estabelecer um debate sobre a amplitude da desinformação. Para ele, a problemática não se resume a identificar se uma notícia é falsa, uma vez que, de acordo com ele, existem diversas formas de construir um ruído na comunicação. Além disso, o autor ainda afirmou que o material é importante para destacar que, ainda que as chamadas fake news tenham se espalhado com maior instantaneidade por causa da Internet, a prática não é uma novidade.

– Existem coisas mais complexas do que dizer se uma notícia é verdadeira ou falsa. Às vezes, o problema é uma notícia verdadeira que vem descontextualizada. A ideia de desinformação também é um debate antigo. É um fenômeno em alguma medida presente nas sociedades em geral, mas que apareceu como um problema crucial com a emergência da modernidade.

Cartilha sobre desinformação. Foto: Gabriela Callado

O autor da cartilha comentou que o debate sobre notícias falsas também não é algo recente e que existe antes da Internet. Porém, explicou, a discussão se tornou um fenômeno mundial na campanha do presidente americano Donald Trump. Segundo Marinoni, ainda que não tenha sido o primeiro, é um dos casos mais emblemáticos pela relevância dos Estados Unidos na geopolítica mundial. 

Tayane destacou que o debate entre liberdade de expressão e desinformação é outro problema anterior à Internet.  De acordo com a pesquisadora, a liberdade de expressão foi criada para que as minorias tivessem acesso a um canal de comunicação, sem que os pensamentos fossem violados. Ela ressaltou que, às vezes, a notícia difere do título e que as pessoas só recebem o conteúdo inicial, o que dissemina a desinformação.

– Não é só liberdade de expressão, mas procura-se garantir o direito à comunicação e o de receber informação. Inclusive, em uma certa perspectiva, só nos formamos seres políticos, com capacidade de atuação e de intervenção na realidade, a partir do momento que recebemos informação. Na verdade, é necessário ter um equilíbrio das notícias. 

Marinoni alertou para a prática do Zero-Hanting no Brasil. Segundo o jornalista, a tarifa zero é a falsa ideia do que seria um acesso gratuito à internet, mas que na prática não ocorre. Quando o pacote de dados acaba, o cliente só pode utilizar o Whatsapp, por exemplo, para acessar as informações. De acordo com ele, a circulação de dados e a capacidade de compreender a comunicação ficam limitadas, além de não ser possível descobrir a veracidade da notícia.  

Tayane Guimarães comenta sobre fiscalização nas redes sociais. Foto: Gabriela Callado

O autor da cartilha também comentou sobre os algoritmos, questão recente com a internet. Ele explicou que a produção de informação é voltada para os indivíduos de uma forma mais segmentada, a partir de um perfil construído por dados das práticas dos indivíduos nas redes. Segundo Tayane, tudo o que o usuário posta de transparência na rede social é alvo dessa fiscalização.

– Quando falamos que queremos saber o porquê desse conteúdo está sendo direcionado para a gente, queremos entender quais são as métricas que estão utilizando, em quais caixinhas estão nos colocando enquanto usuários, para entender e descobrir como determinada propaganda está aparecendo para mim.

Marinoni e Tayane questionaram o que mudou ao longo dos anos, se todas as práticas mencionadas já existiam. Segundo ela, existe uma difusão de informação, maior acesso a produção de conteúdo, retirada da centralidade das mídias tradicionais e uso das plataformas das mídias digitais para consumo de notícias. Marinoni ressaltou também a concentração das informações nas mãos de poucos grupos de comunicação.

– Existem essas grandes empresas que detém o monopólio de tudo o que circula na internet, o que estamos pesquisando, onde e o que estamos procurando. Estamos falando dos intermediários. Eles também vão priorizar as informações que nós vamos ter acesso. 

Mais Recentes
Os Impasses do sistema educacional brasileiro
Debate aborda os desafios das instituições de ensino no Brasil e as dificuldades criadas pelo Decreto de Contingenciamento de março de 2019
Transmissão do saber
Aula Inaugural do Departamento de Educação aborda relações de ensino e aprendizagem
38 anos de Neam
Em cerimônia no auditório do RDC, professores relembram história do projeto