Refúgio com 'pingo no i'
24/09/2019 16:32
Paula Veiga

Profissionais apontam as dificuldades que imigrantes enfrentam na educação e na saúde

 

O X Seminário Nacional das Cátedras Sérgio Vieira de Mello discutiu o refúgio no Brasil. Foto: Marcelo Camargo - Agência Brasil

Entre Hospitalidade, Hostilidade e Resistência: Questionando fronteiras, categorias e dilemas da migração forçada na América Latina foi o tema do X Seminário Nacional das Cátedras Sérgio Vieira de Mello (CSVM). No último dia do encontro, o Painel#4 trouxe a discussão sobre Populações migrantes em situação de vulnerabilidade: Proteção, Acolhimento e Integração Local.

O debate teve a mediação da professora Ana Karina Brenner, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e reuniu profissionais de diferentes áreas - os professores Gioconda Herrera, da Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales Sede Ecuador (FLACSO), Deisy Ventura, da Universidade de São Paulo (USP), e Alexandre Neto, da UERJ.

Deisy Ventura é coautora do livro Saúde de migrantes e refugiados, com Veronica Quispe Yujra. A escritora contou que a obra foi projetada para o profissional da saúde, e descreveu o trabalho como uma “receita de bolo” que ensina os médicos a atender, o que é a migração e o refúgio, além de desfazer mitos e colocar, segundo ela, “os pingos nos is”. Nas palavras da professora, o Brasil é referência no mundo quando se trata de saúde pública, com o acesso universal gerado pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

- Devemos enfrentar os mitos segregacionistas. Há aqueles que defendem um argumento, sem evidência científica, que a migração traz perigo à saúde pública. Também foi popularizada a ideia errônea de que os venezuelanos trouxeram o sarampo ao Brasil. A xenofobia está presente no sistema de saúde, profissionais muitas vezes não sabem lidar com o imigrante.

 

Livro Saúde de migrantes e refugiados

Alexandre Neto levou ao debate a questão das populações migrantes e a escola. O professor coordena o Núcleo de Relações Étnico Raciais do Programa de Movimentos Sociais e Diferenças (Promovide) - no qual desenvolve pesquisa sobre o processo de escolarização dos negros no Brasil e temas correlatos. Ele revelou que o município de Caxias tem uma grande concentração de refugiados, e, lá, ele trabalha com a Escola Municipal Ruy Barbosa, com crianças do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental. 

- O questionamento que faço é que tipo de educação temos e queremos, o que estamos chamando de escola popular. Devemos pensar no quanto as instituições de ensino estão redefinindo a identidade, é um projeto de pessoas nada abstrato. A infância refugiada é aquela que consegue sobreviver. Assim como as crianças correm, as crianças comem.

Desenho feito por criança imigrante, aluno do professor Alexandre Neto. Foto: Paula Veiga
 

Gioconda discutiu os novos padrões de migração, vulnerabilidades e o desafio da inclusão social na América do Sul. A equatoriana abordou três principais pontos - dos fluxos migratórios à crise migratória: o desafio das migrações do Sul; o êxodo contínuo da Venezuela e a constituição do que ela qualificou de sujeito humanitário versus o aumento da xenofobia, e a procura de novas abordagens em torno da migração de sobrevivência. 

- Houve um aumento do uso de tropas humanitárias no controle da migração e na externalização de fronteiras. A irregularidade dos migrantes por meio de políticas mais rigorosas de vistos é um exemplo desta tendência. As políticas de imigração se basearam em argumentos em torno da seletividade dos migrantes, e não da universalidade. Em contextos de crises econômicas há desafios para a inclusão social, formados principalmente por estigmas e xenofobias.

De acordo com Gioconda, a inclusão social do refugiado é um desafio. Foto: Marcelo Camargo - Agência Brasil

Indígenas

A conferência de encerramento abordou o tema (Re)aprendendo a resistir, coexistir e viver com minorias na América Latina: os povos indígenas no Brasil e  foi ministrada  pelo professor Rickson Figueira, do Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena, da Universidade Federal de Roraima (UFRR) com a mediação da professora Ariane de Paiva, da CSVM da PUC-Rio. O advogado afirmou que a migração indígena é forçada, e os indivíduos são vulneráveis, sem terem outra opção além de deixar o próprio país. Ele reconheceu as limitações do Estado em atender a todas demandas, porém, definiu isso como uma escolha política.

Figueira comentou que o sistema de recepção dos refugiados é programado para ser perfeito, mas, contou, no momento que o cidadão se apresenta como indígena, o processo não funciona. Segundo o professor, o sistema não reconhece certas especificidades que são vitais, não há meia liberdade e meio direito. Conforme a explicação de Figueira, o sujeito indígena é exposto a uma erosão irreversível.

- Quando os indígenas recebem a mesma resposta que os não-indígenas são condenados à ruína cultural. Além de seres biológicos, somos seres culturais. Matar a cultura é o mesmo que matar o indígena.

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima