Meio ambiente: a economia, o agronegócio e os agrotóxicos
02/10/2019 13:04
Letícia Messias

No Congresso ANPTECRE, especialistas debatem os conflitos entre a ecologia e o agronegócio

 

Convidados falam sobre os conflitos entre a ecologia e o agronegócio. Foto: Catarina Kreischer

Os conflitos entre a ecologia e o agronegócio foi tema de uma das conferências que compuseram o VII Congresso ANPTECRE, no dia 18 de setembro. Para debater o assunto, foram convidados o doutor em Ciências da Comunicação, professor Luiz Signates, o doutor em Teologia, Valério Guilherme Schaper e o doutor em Ciências da Religião, Paulo Agostinho Nogueira.

Para o professor Luiz Signates, o Brasil vive um dilema socioambiental. De acordo com ele, o quadro atual é de uma crise econômica, polarização política-religiosa e uma instabilidade institucional. Signates destacou, ainda, o agronegócio como o responsável pela sustentação da economia, embora tenha ressaltado o custo ambiental provocado por essa atividade. Dados do IBGE apontam que a prática comercial gera 22% do PIB do país, e equivale, também, a 43,3% da receita brasileira de exportações.

– Nós temos em paralelo um quadro de deterioração das condições sociais, desemprego, regressão de direitos constitucionalmente garantidos, desinvestimento do sistema educacional e de produção científica, perseguição ideológica, aparelhamento do Estado, combate explícito à sobrevivência das etnias indígenas e quilombolas e fomento ao desequilíbrio ambiental e a indiferença com a vida.

Segundo Signates, milhares de vidas são sacrificadas ao serem envenenadas por pesticidas.  Entre outros problemas, o professor destacou a precarização do trabalho, níveis de desempregos alarmantes ocasionados pela substituição do homem por tecnologias de mecanização agrícolas e as diversas consequências sociais advindas desta prática. O doutor em teologia Valério Schaper chamou atenção para as consequências no uso desenfreado de agrotóxicos que, segundo ele, são preocupantes.

– Muitas pesquisas de campo indicam que o uso de agrotóxicos chegou a níveis escandalosos. Há indícios do desenvolvimento de doenças com poder de mortalidade e incapacitação. O uso de agrotóxicos atinge inicialmente pessoas que lidam diretamente com a agricultura e, de forma indireta, com todas pessoas ao redor. O raio desse impacto amplia-se enormemente se considerarmos as cargas residuais dos agrotóxicos nos alimentos que chegam ao mercado.

O professor Paulo Agostinho Nogueira afirmou que o mundo natural e humano é desvalorizado e destruído na medida em que cresce a exploração colonial e o capitalismo. O maior problema, para ele, é existir uma lógica econômica que não inclui a perspectiva ecológica e humana. Ele destacou a liberação dos 63 agrotóxicos na terça-feira, 17 de setembro, pelo Ministério da Agricultura.

– Vemos governantes, como o atual, que ironizam a grave situação do desmatamento, se intitulando o Capitão Motosserra, e também muitos políticos e empresários, especialmente do agronegócio, que expressam uma consciência reclamando das demarcações de terras indígenas, dos Sem Terras, e buscando nos convencer que o país ainda tem muita terra a ser explorada.



 

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima