Educação Inclusiva
10/10/2019 11:28
Mariana Albuquerque

Palestra aborda importância da convivência entre pessoas com e sem deficiência no mesmo espaço de aprendizado  

A professora Mariangela apresenta o conto da joaninha diferente para falar sobre inclusão. Foto: Catarina Kreischer.

A quebra do preconceito e a inclusão de pessoas com deficiência foram as principais questões abordadas pela psicóloga e professora Mariangela da Silva Monteiro, do Departamento de Psicologia, em palestra sobre Educação Inclusiva e Desenvolvimento, na PUC-Rio, no dia 4 de outubro. No encontro, a professora defendeu o fim da divisão do espaço de convivência para pessoas com deficiência como solução para maior aprendizado, e, em consequência, maior inclusão. 

Mariangela leu o conto “Uma joaninha diferente”, que mostra a história joaninha que não é aceita no jardim dos bichos porque nasceu sem bolinhas pretas. Para a professora, o conto possibilita a abordagem da questão da pessoa com deficiência, que é vista como não merecedora de estar no “jardim”, e não como indivíduo que enriquece outros com as diferenças. Segundo a psicóloga, para que uma haja uma perspectiva inclusiva, mudanças no “jardim” devem ocorrer. E essas transformações têm o objetivo de tornar a sociedade mais acolhedora, com um ambiente onde todos possam conviver com as diferenças de uma forma inclusiva.  

A professora usou as explicações do psicólogo Lev Vygotsky para defender que a quebra do preconceito deve ser feita por meio da convivência entre todas as pessoas, e não pela segregação de espaço, como ocorre nas instituições. Para ela, uma educação segregada gera um mundo dividido e prejudica o conhecimento mútuo entre pessoas com e sem deficiência.

– Ao colocar salas separadas, que trabalham isoladamente com pessoas com deficiência, as escolas acreditam que estão educando exclusivamente, enquanto não estão. As instituições têm que entender que o coletivo está em cada indivíduo, por isso não devem separá-los para desenvolver as funções. A escola não dá aos deficientes o que precisam, que é uma educação inclusiva, com todos juntos. Nós, da psicologia, devemos nos acostumar com o tempo do outro. Como Ygotsky dizia, as pessoas aprendem convivendo juntas, isso é inclusão. 

A psicóloga ressalta a importância das brincadeiras no processo de educação da pessoa com deficiência. Foto: Catarina Kreischer.

Mariangela ainda disse que a brincadeira é a melhor forma de trabalhar com percepção, atenção, memória, e as funções mentais superiores do deficiente. De acordo com a professora, nem todas as funções de um deficiente mental, por exemplo, estão comprometidas, por isso a importância de o educador desenvolver um olhar atento para esse público. 

– Deve haver uma preocupação no nosso olhar. Devemos observar atentamente para o que os deficientes precisam. Através desse olhar, percebemos os interesses específicos de cada um, como interesse pela arte, ou pela dança, e assim desenvolver as funções do indivíduo de acordo com sua área de interesse. 

 

Mais Recentes
União de esforços para uma sociedade fragmentada
Solenidade de Abertura da Semana das Comunidades celebra parceria entre a PUC-Rio e a Arquidiocese do Rio de Janeiro
Marcas de uma cidade maravilhosa
Profissionais apresentam um formato moderno para o primeiro museu virtual do Rio de Janeiro
Cem anos de Primo Levi: Memórias da Segunda Guerra
Químico sobrevivente do Holocausto é homenageado em colóquio na Universidade