Cem anos de Primo Levi: Memórias da Segunda Guerra
11/10/2019 11:06
Letícia Messias

Químico sobrevivente do Holocausto é homenageado em colóquio na Universidade

Primo Levi descreveu as experiências no campo de concentração em uma vasta obra literária.

Em fevereiro de 1944, o químico Primo Levi foi deportado para o campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, onde permaneceu durante 11 meses. As experiências como prisioneiro na Segunda Guerra Mundial foram eternizadas pelo judeu italiano no livro É isto um homem?, publicado em 1947. Essas e outras histórias foram lembradas no Colóquio Mundos de Primo Levi, organizado pelos departamentos de Letras e Direito entre os dias 23 e 26 de setembro.

A abertura da cerimônia teve a presença do Cônsul Geral da Itália, Paolo Miraglia Del Giudice, do diretor do Departamento de Letras, professor Alexandre Montaury, e do organizador do encontro, professor Renato Lessa, do Departamento de Direito. Segundo Del Giudice, Primo Levi foi uma das mais importantes testemunhas na história do século XX. Ele destacou a multiplicidade de interesses do escritor, que transitava entre a ciência, a tradução e, sobretudo, a investigação da alma humana. Para o Cônsul, a figura de Levi simboliza o sofrimento universal da guerra e também da intolerância vivida pelos povos.

– É necessário não esquecer o terror da Segunda Guerra para construir um mundo melhor, baseado nos direitos de cada pessoa. Por isso, Levi foi um escritor decisivo para toda a literatura. Gostaria de recordar uma frase do autor, que é sempre atual e até profética: ‘Aqueles que esquecem o seu passado estão condenados a revivê-lo’.

Diretor do Centro Internacional de Estudos Primo Levi, o historiador Fabio Levi apresentou a Lição Primo Levi 2019. Foto: Catarina Kreischer

Anualmente, na Itália, são realizadas discussões que têm o objetivo de refletir sobre a obra do escritor. Neste ano, a versão italiana da Lição Primo Levi foi trazida para o Brasil, e o professor Renato Lessa anunciou uma nova parceria da Universidade com o Instituto Italiano de Cultura do Rio e o Centro Internacional de Estudos Primo Levi, em Turim. Segundo Lessa, os encontros também ocorrerão na PUC-Rio todos os anos.

– Em 2016, quando eu estava na direção da Biblioteca Nacional, a intenção era promover a versão brasileira da apresentação italiana da Lição Primo Levi. O país, no entanto, pode ser dividido entre antes e depois daquele ano. Felizmente, a PUC se tornou o lugar ideal e acolhedor para que esta iniciativa seja realizada.

Diretor do Centro Internacional de Estudos Primo Levi, o historiador Fabio Levi também esteve presente no Colóquio para apresentar a Lição de 2019. A leitura foi realizada em conjunto com a professora Alessandra Vannucci, da Escola de Comunicação da UFRJ. Um dos aspectos ressaltados foi a crença do autor de que a razão e a discussão são instrumentos do progresso.

Fabio Levi lembrou que, quase trinta anos depois de lançar É isto um homem?, Primo Levi acrescentou um apêndice para a obra. Segundo o historiador, o texto é fruto dos muitos encontros que o escritor fazia com estudantes em escolas.  De acordo com Fabio Levi, é uma reflexão cujo objetivo era ajudar as pessoas a se orientarem no mundo, cheio de transformações, na década de 1970.

No texto, Primo Levi faz uma análise do que significou o nazismo na história da humanidade: “A guerra é sempre um fato terrível: é deplorável, mas está em nós, tem sua própria racionalidade, nós a compreendemos. Ao contrário, no ódio nazista não há racionalidade: é um ódio que não está em nós. Talvez, o que aconteceu não pode ser compreendido, na verdade, não deve ser compreendido, porque compreender é quase justificar. Agora, nenhum homem normal jamais será capaz de se identificar com Hitler, Himmler, Goebbels, Eichmann e tantos outros”.

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima