Diálogo inter-religioso
17/10/2019 17:44
Mariana Albuquerque

Universidade relembra êxodo dos judeus com construção de Sucá

Reprodução da Sucá no campus da PUC-Rio. Foto: Grabriela Callado

Desde 2000, é tradição na PUC-Rio reproduzir no campus uma Sucá, espécie de cabana construída pelos judeus para abrigo durante os 40 anos de caminhada no deserto após a saída do Egito em busca da Terra Santa. Este ano, em homenagem à festa de Sucot, festival que relembra o êxodo, a Universidade manteve a tradição e montou a cabana no estacionamento. A inauguração ocorreu no dia 16 de outubro e teve a presença do ex-Reitor da Universidade padre Jesus Hortal, S.J., e do Vice-Reitor, padre Álvaro Pimentel, S.J., e de outros líderes religiosos da cultura judaico-cristã. Na cerimônia, os representantes ressaltaram a importância da Sucá como ponto de união entre religiões. 

Padre Jesus Hortal disse que a memória do deslocamento dos judeus no deserto é essencial para as religiões desenvolverem conscientização de um caminhar unido. Segundo o ex-Reitor, há um elo de união entre as tradições cristãs e judaicas, pois as duas partilham o conceito e a prática da peregrinação, e, assim, um encontro de éticas e caminhos.

– Eu vejo um elo de união entre as tradições cristãs e judaicas com a ideia de peregrinação, de provisoriedade, pois somos todos peregrinos. A espiritualidade cristã sempre fala de peregrinação na terra, assim como a peregrinação do povo de Israel durante 40 anos até entrar na terra prometida. Não temos raízes, temos passagens. 

O Vice-Reitor da PUC-Rio padre Álvaro Pimentel, S.J., esteve presente na ocasião. Foto: Grabiela Callado

O Vice-Reitor da PUC-Rio, padre Álvaro Pimentel, também afirmou a importância da instituição de um símbolo judaico na Universidade, já que a festa recorda o diálogo e a comunhão entre religiões. Para o Vice-Reitor, a Sucá lembra a turbulência que os indivíduos passam na jornada da vida, e assim se torna um ícone importante do aprofundamento de raízes inter-religiosas. Padre Álvaro ainda destacou a importância da união e da esperança que o diálogo inter-religioso promove em períodos contemporâneos conturbados. 

– O primeiro ponto importante é o da esperança, nós somos filhos da esperança. E o segundo ponto é o da congregação, isto é, a Sucá é um lugar de reunião de nações, de encontro de línguas. Eu creio que isso hoje é fundamental, porque nós, infelizmente, atravessamos um período conturbado, de muitas polarizações e divisões. Esta festa nos ajuda a recordar que o mais importante é o diálogo e a comunhão, para construirmos um mundo melhor e mais justo.

O representante da Federação Israelita do Rio de Janeiro, Paulo Maltz. Foto: Gabriela Callado

Um dos representantes da cultura judaica, o diretor de diálogo inter-religioso da Federação Israelita do Rio de Janeiro, Paulo Maltz, afirmou que a memória da peregrinação dos judeus no deserto reflete na união atual entre o judaísmo e o cristianismo. De acordo com o diretor, a tradição da presença da Sucá no campus da PUC-Rio é um importante meio para estimular o diálogo inter-religioso e conseguir uma aproximação das religiões.

– Foi através da peregrinação de 40 anos, como nômades e se abrigando na Sucá, que, graças a Deus, hoje temos o Estado de Israel, um Estado nosso. Nós estamos aqui como um acelerador dessas intenções boas, para fazer com que o diálogo entre religiões aconteça e permaneça como um abre-alas para que todos continuem no caminho inter-religioso.

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima