Liberdade educacional para mudar o presente
23/10/2019 12:57
Mariana Albuquerque

Professor da Arizona State University ressalta a necessidade de mudança no sistema de ensino tradicional

Professor Gustavo Fischman defende o uso de novas estratégias para educar. Foto: Gabriela Callado.

Dumb Ideas Won't Create Smart Kids é um livro que apresenta a natureza dos principais métodos utilizados atualmente no sistema de ensino tradicional, e defende que os objetivos da educação não serão alcançados com essas atuais práticas, mas, sim, com inovações no ensino. O autor, Gustavo Fischman, é também professor da Arizona State University, e esteve na PUC-RIO, no dia 18 de outubro, para ministrar uma palestra sobre esse tema. No encontro, o professor afirmou que a maioria dos sistemas educacionais insistem no ensino tradicional, e ressaltou a importância de inovar essa estratégia para obter melhores resultados. 

Fischman qualificou o atual sistema de ensino muito tradicional para os tempos contemporâneos. De acordo com o autor, cientistas que estudam a questão da aprendizagem já comprovaram que o modelo tradicional de ensino não é mais adequado para o período atual, mas, observou, as instituições e os profissionais continuam a aplicar os mesmos métodos, enquanto deveriam conversar mais sobre o assunto e propor novos caminhos. 

– Esse modelo tradicional é o mais conhecido. Ele é o sistema que avalia nossas carreiras acadêmicas e que nos contrata; tudo quase sempre se faz nesse modelo. O processo de treinamento dos futuros professores e professoras também se baseia nesse sistema. Mas aí temos, de novo, um problema, porque esse não é um modelo que serve para a ciência que usamos hoje. Queremos mais colaboração, mais interdisciplinaridade. 

O professor disse que o sistema tradicional, ainda aplicado em universidades, vem de uma herança, que determina o modo de pensar contemporâneo e também serve como base para futuros métodos de ensino. Fischman observou que o passado é importante, mas, na universidade, acrescentou, o presente é também fundamental.

– O passado é importante, mas, na universidade, o presente é a época dourada. É um período muito complicado, que nunca existiu em épocas anteriores. É uma universidade mais heterogênea, diversa, com mais dinheiro e com mais problemas. E se continuarmos trabalhando com os critérios de milhares de anos atrás, vamos ficar estagnados. Acho que temos que pensar em outras categorias.

Fischman ressalta a importância de diferenciar a geração passada da atual, para uma melhora no sistema educacional contemporâneo. Foto: Gabriella Callado.

O autor ressaltou a importância de saber lidar com os alunos da chamada primeira geração - aqueles que usam tecnologia em praticamente tudo- para inovar o sistema de ensino. Segundo ele, a previsão é de que todas as faculdades tenham apenas estudantes da primeira geração, e se as instituições e os profissionais não compreenderem a diferença entre essa geração e as anteriores, o sistema educacional vai permanecer ultrapassado e estagnado. Para Fischman, o momento é de mudança, mas, alertou, os profissionais insistem no tradicionalismo.

–  O mundo de hoje não é o mesmo daquele de anos atrás. Hoje estamos em um momento de mudança. Todos os nossos estudantes usam as redes sociais para aprender, procurar e guardar informação, e nós ainda não sabemos usar corretamente. Muitas coisas estão repetitivas e há pouca criatividade. Em quase todas as disciplinas, estabelecemos um padrão simplificado.

Fischman ainda enfatizou a necessidade de inovar o sistema de ensino, de maneira a se adaptar à primeira geração, que, segundo ele, vai predominar nas universidades. De acordo com Fischman, a melhor maneira de iniciar a inovação é usar os meios tecnológicos a favor, e assim permitir que os alunos possam ter acesso a novos meios de ensino. 

– Os estudantes, futuramente, vão continuar a ter acesso contínuo e ilimitado a diferentes recursos e experiências, assim, os meios tecnológicos têm que mudar o modo como damos aula. Um dos problemas da universidade na América Latina é que ficamos muito tempo debatendo a solução perfeita, enquanto precisamos resolver uma boa solução para o agora. Temos que oferecer aos estudantes a liberdade para criar novas experiências e métodos de estudo. 

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima