Ressignificar os espaços
23/10/2019 17:58
Ana Carolina Moraes

A jornalista Manuela d'Ávila ministra Aula Magna para estudantes do curso de Arquitetura e Urbanismo

Manuela d'Ávila ministra aula sobre a política dos espaços. Foto: Amanda Dutra

A jornalista Manuela d'Ávila, que foi candidata a vice-presidente da República pelo PT na eleição de 2018, esteve na PUC-Rio para ministrar a Aula Magna do Departamento de Arquitetura e Urbanismo no dia 25 de setembro. O tema do encontro foi a política dos espaços, e a ex-deputada discutiu a responsabilidade dos profissionais da área de arquitetura na construção de uma cidade mais inclusiva.

Manuela foi recebida pelo Vice-Reitor Comunitário, professor Augusto Sampaio, pelo decano do CTCH, professor Julio Diniz, e pelo diretor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo, professor Otavio Leonídio Ribeiro. Ela comentou que ficou honrada com o convite para conduzir uma aula de uma área que não era dela por formação e mas destacou que isso representa um avanço na arquitetura, no urbanismo e no espaço público que, segundo ela, não podem ser imaginados sem a política.

- Esse convite representa para mim a ideia de que as cidades são ambientes políticos. E, se queremos pensar o papel da política na vida das pessoas, independente das ideias e diferenças que possamos ter, precisamos transformar a cidade em espaço de construção do chamado bem-viver, do bem-estar, da ideia de que as pessoas podem partilhar de uma vida melhor.

A jornalista ressalta a relação entre política e arquitetura. Foto: Amanda Dutra

Manuela chamou atenção para a urgência de ressignificar a política no Brasil, um país estruturado a partir da desigualdade econômica, racial e de gênero. Para isso, é preciso que o povo brasileiro se conheça melhor, acrescentou. De acordo com a jornalista, um dos aspectos dessa desigualdade é a distância entre a população e a academia, que ela chamou de historicamente elitista.

- Acho que a academia precisa saber que é muito pouco vinculada ao povo brasileiro. Nossas universidades são muito novas e sempre foram muito fechadas. Sempre foram acessadas por poucos, primeiro só os homens brancos, depois só homens e mulheres brancos. O primeiro respiro de democratização veio há dez anos. Qual é o impacto disso na produção do conhecimento? Tudo isso é fruto de um processo histórico que a gente precisa reconhecer para poder se entranhar.

Para Manuela, a forma como a política e a universidade brasileira foram construídas está intimamente ligada ao modo como as cidades foram pensadas. E ela chamou atenção para a urgência em relação a esse debate, porque as cidades se transformaram em um território de morte.

- Vocês vivem no exemplo mais acabado do nosso país, que é o Rio de Janeiro. A necropolítica não é mais um conceito abstrato. A morte é a morte, e todo mundo sabe que não são todos que morrem igual. Essa ressignificação para mim passa também pela ideia da política da vida, porque a falta de democracia é a política da morte, dos espaços de quem morre e de quem vive. A desigualdade constrói o direito de viver e de morrer, e o território sacramenta esse direito.

Para ela, é necessário compreender que a emancipação das pessoas ocorre com base em três elementos: a terra, o trabalho e o teto. A desigualdade do ter ou não ter se torna também a desigualdade dos corpos, do direito de ser ou não ser, em territórios onde há disputa de poder, observou. Manuela acrescentou que, se as cidades são espaços políticos, é preciso saber para quem queremos construir essas políticas.

- Nunca ouvi um relato de algum homem que tem pânico de orelhão como eu tenho, por exemplo, porque eles não suscetíveis à violência sexual como as mulheres. Os obstáculos das grandes cidades têm impactos diferentes em corpos diferentes. É preciso que a política leve isso em consideração.

Manuela acredita que o futuro do Brasil depende da atuação dos jovens. Foto: Amanda Dutra

Manuela considera que os arquitetos têm uma responsabilidade porque, na opinião da jornalista, tudo que é realizado pela humanidade está relacionado ao trabalho deles. Ela observou que tudo o que é desenvolvido em outras áreas do saber sofre o impacto dos projetos elaborados pelos arquitetos para as cidades. Ela ainda comentou que o Brasil deve procurar soluções próprias para as questões que enfrenta e que a mudança está nas mãos da próxima geração.

- Existem muitas respostas no nosso povo e eu tenho esperança que elas serão dadas pela geração de vocês. Se existe algo de muito bom em todos os horrores que estamos vivendo é a existência de uma geração de homens e mulheres jovens, recém entrados na universidade, e que agarraram a oportunidade de uma universidade mais democrática, e que não permitirá que a barbárie vença. Os nossos territórios, as nossas cidades e, portanto, a nossa política estão na mão dos jovens.

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima