Flashes do fotojornalismo na contemporaneidade
21/11/2019 11:01
Heloiza Batista

Felipe Fittipaldi comenta sobre a carreira e a arte de produzir imagens com informação  

Felipe Fittipaldi ministra palestra para alunos na PUC-Rio. Foto: Catarina Kreischer

O mercado de fotojornalismo e as experiências da carreira foram os assuntos citados no encontro com o ex-aluno de Comunicação Social da PUC-Rio e fotojornalista, Felipe Fittipaldi. Atualmente, ele é colaborador do jornal The New York Times, do jornal Folha de S. Paulo e da revista National Geografic. A palestra foi mediada pelo professor Weiler Finamore, do Departamento de Comunicação Social, e ocorreu no dia 14 de novembro.

Fittipaldi tem projetos voltados para causas sociais e alguns de seus trabalhos foram exibidos em festivais no Brasil, Nova York, na França, Colômbia, Roma e Tóquio. Ele também ganhou prêmios nacionais e internacionais como Lens Culture, Life Framer e POY Latam. Em 2018, Felipe Fittipaldi foi selecionado pela organização World Press Photo Foundation, que tem como objetivo mostrar a importância de histórias por meio de fotos, para receber o prêmio 6×6 Global Talent Program.

Ele explicou que a maioria das fotografias dele abordam temas sociais e ambientais e o porquê do apreço por esses conteúdos. Segundo o fotógrafo, são histórias que precisam ser contadas e permitem a criação de narrativas diferenciadas. Para Fittipaldi, é importante haver uma conexão entre o fotógrafo e o que está sendo retratado na foto. Ele contou que, quando viaja a trabalho, busca conhecer a fundo a cultura e as pessoas do lugar para transmitir uma realidade nas suas imagens.

Na palestra, o fotógrafo comentou sobre o começo da carreira, a decisão pelo fotojornalismo e o que conquistou com a profissão. Segundo Fittipaldi, ele descobriu na Universidade que o texto não era a sua principal aptidão e, como sempre gostou de fotografia, decidiu que esse era o caminho a seguir. Para ele, foi uma união de curiosidade, interesse pelas questões artísticas e a vontade de contar histórias que despertou o desejo de manusear a câmera.

 - Eu me formei em Jornalismo aqui na PUC, e durante a minha graduação sempre fui muito curioso e queria contar histórias. E eu entendi que o texto não era o meu caminho, não que eu escreva mal, mas eu sofria para escrever. Eu já fotografava de forma amadora, tinha muito interesse em fotografia e acabei passando em uma seleção de estágio para o Projeto Comunicar da PUC. Lá, como fotógrafo, descobri que queria focar minha carreira no fotojornalismo.  

Fittipaldi ressaltou quatro elementos importantes para construir uma boa imagem. Foto: Catarina Kreischer

Ele destacou quatro elementos que julga essenciais para quem busca contar uma boa história e se destacar através das imagens: organização visual, apelo emocional, originalidade e ética. De acordo com Fittipaldi, é importante buscar imprimir emoção na foto, para despertar um sentimento na pessoa que vai olhar a imagem. Segundo ele, conseguir ser original não é simples, pois é muito difícil encontrar um assunto que nunca foi abordado e, apontou, reinventar temas é um desafio.

Fittipaldi disse que, atualmente, com a câmera do celular, todos são fotojornalistas, pessoas que ele intitulou como “jornalistas cidadãos”. Ele observou que isso ocasiona um bombardeio de imagens, e as pessoas ficam saturadas com a quantidade de informação. Por isso, ressaltou, é preciso se reinventar e buscar novas formas de narrativas e abordagens para se destacar na profissão.

- Se acontece alguma coisa, haverá várias pessoas em volta fotografando, e não é preciso de um fotojornalista para ir ao local, ele se torna dispensável. É bom pela pluralidade de fontes, mas, por outro lado é ruim pela questão ética profissional, são muitas informações descontextualizadas e sem consequência, pois ninguém assume a publicação da foto, e ocorre o questionamento se é confiável ou não a informação. A fotografia documental passa por um momento em que os fotógrafos estão começando a se reinventar e produzindo coisas muito boas, mas ainda é um desafio: Onde vou veicular? Onde vou publicar? E como vou viver disso? 

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima