Janelas de excelência
13/09/2020 15:04
Juan Pablo Rey

PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização

Os brasões das universidades fundadoras da SACRU.

A Strategic Alliance of Catholic Research Universities (SACRU) foi oficialmente fundada em reunião remota no dia 8 de julho, com a participação do Reitor Padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J., e de outros sete reitores das universidades católicas mais prestigiadas do mundo. O objetivo da aliança é criar uma rede de cooperação entre as instituições, reconhecidas internacionalmente pela excelência no ensino e na pesquisa.

As universidades fundadoras da SACRU são a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Brasil), Australian Catholic University (Austrália), Boston College (Estados Unidos), Pontificia Universidad Católica de Chile (Chile), Sophia University (Japão), Universidade Católica Portuguesa (Portugal), Università Cattolica del Sacro Cuore (Itália) e Universitat Ramon Llull (Espanha).

Durante o encontro, a constituição da rede foi discutida e sacramentada. Os reitores Josep M. Garrell Guiu, da Universitat Ramon Llull, e Ignacio Sánchez Díaz, da Pontificia Universidad Católica de Chile, foram eleitos, respectivamente, presidente e vice-presidente do Conselho Administrativo, composto pelos dirigentes das oito instituições. Os componentes do conselho são responsáveis pela estratégia operacional e supervisão financeira da SACRU.

A constituição também prevê que cada reitor deve indicar duas pessoas para o comitê executivo, responsável por organizar as atividades, fóruns, e iniciativas da rede. Padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J., definiu os professores Danilo Marcondes de Souza Filho, do Departamento de Filosofia, e Luiz Felipe Guanaes Rego, do Departamento de Geografia, para o quadro. Coordenador Central de Internacionalização da PUC-Rio, Marcondes, que está envolvido no processo desde o início, conta que o primeiro passo partiu da Universidade Católica de Portugal em reunião realizada em 2017.

- O processo está muito no início, mas foram formados grupos de pesquisa que se reunirão uma vez por mês em torno de temas de interesse em comum, inicialmente sobre questões ambientais e sobre como as universidades estão lidando com a pandemia. Creio que é sempre importante integrar uma nova rede de universidades com intercâmbio entre pesquisadores, docentes e discentes, para troca de experiências e desenvolvimento em conjunto de pesquisas.

Professor Danilo Marcondes, participante do comitê executivo da SACRU.

Diretor do Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente da PUC-Rio (NIMA), Guanaes explica que a ideia da aliança é estabelecer redes de pesquisa, favorecer o intercâmbio de estudantes e promover uma troca entre alunos e professores das diferentes universidades em torno de projetos de pesquisa em comum. Ele revela que três grupos de trabalho foram definidos em um primeiro momento.

- Temos um grupo de trabalho discutindo as soluções da pandemia e como podemos articular para que estas soluções cheguem o mais rápido possível para a sociedade. Não apenas na questão da vacina, mas na dimensão social, nas diferenças de eficiência de políticas contra a pandemia, é uma discussão ampla. O segundo grupo é mais sutil, tem como função a discussão da universidade pós-pandemia, como se estruturar e pensar nesse novo momento. O terceiro grupo é pensado na questão do catolicismo, discute como as universidades estão absorvendo a Laudato Si’, que completou cinco anos.

Diretor do NIMA, Luiz Felipe Guanaes é um dos escolhidos do Reitor para o comitê executivo da SACRU

A constituição prevê a entrada de novas universidades apenas por convite feito pelos integrantes do Conselho Administrativo e um limite de, no máximo, 20 instituições participantes. Para ingressar, a universidade deverá ser reconhecida em seu país pela excelência em educação, pesquisa, internacionalização e, ainda, ser aprovada em votação pela maioria dos conselheiros da aliança. Guanaes valoriza o alto nível da rede e destaca a oportunidade de uma internacionalização ainda maior para os alunos da PUC-Rio.

- Vamos definir focos e concentrar uma quantidade enorme de pesquisadores nele. Criar possibilidades de intercâmbios físicos e remotos. Juntamos centros de pesquisas no mestrado e doutorado, conseguimos abrir janelas. Um aluno de doutorado, por exemplo, pode ir para o Japão dentro de uma área de temas similares. Isso amplia enormemente, a PUC-Rio passa a ter outras universidades irmãs na qual temos uma maior facilidade burocrática. O grande benefício é uma abertura de horizontes para o nosso aluno, que vai ter uma oportunidade mais globalizada do aprendizado acadêmico.

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima