Por uma economia mais justa
22/09/2020 19:55
Mariana Albuquerque

XI Semana da Cultura Religiosa se inspira nas ideias do Papa Francisco sobre os modelos econômicos

 

Abertura da XI Semana da Cultura Religiosa.

A abertura da XI Semana da Cultura Religiosa, que ocorreu virtualmente na segunda-feira, 21, teve como tema A Economia de Francisco. Segundo os participantes, a discussão do assunto tinha como objetivo enfatizar a importância das universidades para atender ao pedido do Papa Francisco, de a humanidade ter um olhar inovador sobre o meio econômico vigente para torná-lo mais justo à natureza e aos seres humanos. O pontífice enfatiza que as mudanças devem ser direcionadas principalmente para os mais prejudicados pela economia atual, descrita por Francisco como uma economia que mata, exclui e desumaniza.

A cerimônia contou com uma mensagem especial do Arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, O. Cist., e com a participação do Reitor, padre  Josafá Carlos de Siqueira, S.J. A abertura solene também teve a presença do diretor do Departamento de Teologia, padre Waldecir Gonzaga, do coordenador da Cultura Religiosa (CRE) da PUC-Rio, padre Abimar Moraes, e de Eduardo Brasileiro, educador e integrante da Articulação Brasileira pela Economia de Francisco.

Padre Josafá afirmou que a Economia de Francisco alerta para as consequências das ações que a economia atual causa à natureza e aos seres viventes do planeta. De acordo com Reitor, o Papa faz um apelo aos estudantes para que eles proponham outras modalidades de entendimento da economia e do progresso, além das já conhecidas: insustentáveis e que exploram a natureza, apontou padre Josafá. Ele ainda ressaltou a importância das universidades no estudo e na elaboração de projetos que visem uma economia justa.

- Nesta XI Semana da CRE da PUC-Rio, somos convidados a motivar, incentivar e apoiar as iniciativas inovadoras entre corpo docente e discente, voltadas para pequenos estudos e projetos que apontem uma direção aos modelos econômicos e ambientais mais justos, inclusivos e solidários. Isto sem se preocupar com a aplicação e a viabilidade imediata, pois, pequenas propostas, carregadas de horizontes largos e grandes ideais, podem fazer a diferença para o futuro. Afinal, o Reino de Deus é como a pequena semente que oculta a sua pequenez, uma grandeza aparente. 

Reitor da PUC-Rio, padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J., discursa na cerimônia de abertura.

O diretor do Departamento de Teologia, padre Waldecir Gonzaga, explicou que a Economia de Francisco, proposta pelo chefe supremo da Igreja Católica e também tema da XI Semana, refere-se ao santo São Francisco de Assis, que, de acordo com o Papa, viveu o Evangelho em total coerência, inclusive nos planos econômicos e sociais. Padre Waldecir acrescentou que a Economia de Francisco precisa fazer parte do dia a dia das universidades e do conhecimento dos  estudantes, para que o mundo adote uma economia mais justa, inclusiva e solidária.

Eduardo Brasileiro destacou dois pontos da Economia de Francisco que são importantes para a instauração de um sistema solidário e inclusivo. Como primeiro ponto, ele disse que é preciso preconizar o comunitário e enfatizar a dimensão de uma vida biocêntrica- a vida no centro-, em que o cidadão escute as minorias, como os povos indígenas, coletivos culturais, povos periféricos e grupos de movimentos pastorais.

Como o segundo ponto, ele apontou as comunidades educadoras e a importância de aprender com os saberes populares, algo que considera um grande desafio para a academia. De acordo com Brasileiro, não basta elaborar programas interdisciplinares, ele considera que o ideal é ser transdisciplinar, isto é, o projeto deve atingir a universidade como um todo. O educador ainda mencionou a função das instituições de ensino superior, como na organização dos cursos de economia.

- O papel dessas instituições está em repensar o currículo, propor a transversalidade curricular e contribuir com pesquisas que levem em conta a vida real das pessoas. O Papa Francisco pede para que olhemos nossos currículos de economia, pois, neles, os alunos passam o tempo letivo pensando na valorização do mercado e das finanças, em uma lógica viciante da construção da desigualdade, fruto de uma economia capitalista. Devemos buscar outro arranjo, uma economia feita para a vida, não apenas com pensamentos em finanças. Precisamos fortalecer a colaboração e a partilha.

Abertura solene tem presença do integrante da Articulação Brasileira pela Economia de Francisco, Eduardo Brasileiro.

O coordenador da Cultura Religiosa (CRE), padre Abimar Moraes, acrescentou que o Papa Francisco alerta para o fato de que os problemas ecológicos não estão separados dos econômicos e há uma estreita conexão. Padre Abimar concluiu que existem soluções para os problemas do desenvolvimento econômico e que é fundamental confiar em mudanças.

- É por isso que o Papa definiu a universidade como canteiro de esperança. As soluções consistem no anúncio de que é possível a construção de um mundo novo a partir de novas responsabilidades. É possível sonhar e, principalmente, consolidar a Economia de Francisco.

Mais Recentes
Sustentabilidade Global
Conferência Anual da SDSN Brasil tem como tema central Cooperação para um Futuro Equitativo
Integrações de sucesso
PUC HACK premia três equipes que apresentaram soluções inovadoras para a sociedade afetada pela pandemia
Novo tecido antiviral para máscaras de proteção à Covid-19
Iniciativa é fruto de uma parceria entre o Centro Técnico Científico da PUC-Rio, Inmetro e Coppe/UFRJ