Qualidade e presença de vida
09/03/2021 17:48
Esther Obriem

O treino da mente por meio do mindfulness promove o foco no presente e o equilíbrio mental no cotidiano

O excesso de apreensões no isolamento social pode aumentar o estresse e as crises de ansiedade. Arte: Diogo Maduell

A incerteza de um futuro seguro e as lembranças de um mundo antes da pandemia são duas das preocupações que afligem o brasileiro desde o ano passado. O excesso de apreensões no isolamento social pode aumentar o estresse, as crises de ansiedade e diminuir o desempenho nas atividades diárias. Para melhorar a saúde psicológica no período da pandemia, alguns profissionais da área de saúde recomendam a técnica de mindfulness, em português, atenção plena.  

De acordo com um estudo publicado em 2015 pela Universidade Harvard, o ser humano passa cerca de 47% do dia no modo automático. A instrutora de mindfulness Renata Kurtz explica que os exercícios de concentração estimulam o foco no instante presente, pois a prática ajuda a pessoa a desenvolver uma consciência corporal e emocional. A partir do momento que se percebe os antigos padrões, é possível fazer uma escolha mais saudável das ações pessoais e melhorar o relacionamento com o outro, completa. 

O mindfulness ganhou notoriedade no ocidente em 1979, após o professor da Universidade de Massachussetts Jon Kabat-Zinn implementar o método em tratamentos hospitalares. A técnica é de origem budista e usa a respiração para estimular o foco no momento presente. O Coordenador da Pós-Graduação em práticas contemplativas e mindfulness da PUC-Rio, professor Jorge Biolchini, ressalta que a prática não é meditação e não está ligada à nenhuma religião. Segundo ele, o método visa transferir a concentração para a rotina e usar os benefícios, que são imediatos, em momentos de estresse.

– A meditação é como musculação, dedicamos um espaço específico para o treino e, quando estamos isolados, temos menos chances de ficar desequilibrados. Durante a atividade, ocorrem várias mudanças positivas no cérebro, que se sustentam por um período e decaem com o tempo. Com o mindfulness, podemos transportar o foco para a vida cotidiana e usar os benefícios em momentos que mais precisamos.  

O mindfulness pode ser praticado deitado, sentado ou em movimento. Arte: Diogo Maduell

A instrutora aconselha os alunos a não se preocuparem em esvaziar a mente na execução da dinâmica, pois gera mais ansiedade em não pensar. De acordo com Renata, é normal o pensamento divagar no exercício, mas o importante é perceber a distração e escolher entre sentir o começo da próxima respiração ou deixar a ideia ir sem julgamentos. A professora comenta que o treino regular cria recursos para o cérebro se concentrar no presente em momentos fora da prática. 

Biolchini observa que o indicado é treinar com um instrutor para errar menos, esclarecer as dúvidas e aprender com mais facilidade. Os exercícios são adaptados conforme a necessidade ou a idade de cada um. Ele sugere realizar o método antes de uma prova, pois o aluno consegue entrar em um estado de equilíbrio mental e permanecer calmo nas questões complexas. 

Renata alerta que o mindfulness não é um remédio que substitui o tratamento psicológico ou soluciona situações clínicas agudas e graves. De acordo com a instrutora, a técnica pode ser usada como um complemento às consultas para ajudar na melhora do paciente. Ela comenta que o método é um estilo de vida, pois o ser humano começa a viver com presença, e indica aos alunos uma definição prévia tanto de horário quanto de lugar para desenvolver uma disciplina no treino. 

–  A gente sente o momento presente no começo da próxima inspiração. O bom é que respiramos o dia todo, então, qualquer ocasião é uma ótima oportunidade para praticar mindfulness. A técnica nos ajuda a fazer pequenas pausas durante as atividades para respirar. Nesses momentos, não pensamos no que precisamos fazer ou o que fizemos no passado, apenas que não há nada a mudar ou fazer, somente ser. Assim, saímos do modo ‘fazer’ e entramos no modo ‘ser’ por dez minutos, por exemplo. 

Mais Recentes
Opção ágil e econômica para a leitura
Ex-aluna da PUC-RIO investe na compra e venda de livros e cria um sebo on-line
Homenagem a oito décadas de ensino e acolhimento
Arquidiocese do Rio de Janeiro e PUC-Rio celebram 80 anos de história e atividades acadêmicas da Universidade para a sociedade brasileira
A importância das instituições de pesquisa
O presidente da FAPERJ, Jerson Lima, ministra Aula Magna sobre os desafios da Covid-19 para ciência