Aluna de doutorado é premiada na Espanha
25/04/2013 17:18
Bruno Bartholini / Foto: Thalyta Veras

Katia Vega, de informática, faz objeto levitar usando os cílios e as unhas

Katia Vega com o globo que faz levitar. Ao fundo, um dos slides que ela troca apenas piscando os olhos

Fantasia de super-heroína, maquiagem e cílios mágicos capazes de fazer objetos levitarem. Foi assim que a peruana Katia Vega, doutoranda do Departamento de Informática da PUC-Rio, venceu a categoria Superheroes do prêmio TEI Design Challenge em Barcelona, Espanha. Ela desenvolveu cílios postiços que junto com uma maquiagem condutora envia informações a um controle escondido no bolso da roupa. Assim, ela faz um objeto levitar e troca slides de um projetor. Tudo isso com um simples piscar de olhos.

Única do campo da computação – todos os outros competidores eram designers – e única representante da América do Sul, Kátia disse ter ficado surpresa com a vitória.

– Eu era a única estudante latina e me senti muito bem em representar a minha universidade. Foi muito legal realmente, eu não esperava – afirmou, com um sorriso no rosto.

A vitória não foi apenas pela inovação fantástica de levantar um objeto do chão sem tocá-lo, ela também fez uma performance digna de primeiro lugar. Afinal, o desafio era inovar com criatividade. Quando chegou lá, todos tinham dispositivos que eram os projetos a serem apresentados. Perguntada sobre onde estava sua instalação ela respondeu, “eu sou a minha instalação”.

– Coloquei a fantasia, fui lá e falei: Oi, eu sou a Katia, sou super-herói. E quando eu piscava, conseguia fazer o objeto sair do chão. Quando piscava o outro olho, trocava slides com imagens de super-heróis – contou.

Orientador de Katia, o professor Hugo Fuks, do Departamento de Informática da PUC-Rio, acredita que o prêmio é uma prova de que as pesquisas estão na direção certa.

– No caso é a Katia, mas poderia ser qualquer outro aluno. E um prêmio como esse estimula outros alunos a entrarem em desafios semelhantes – afirmou o professor.

A tecnologia usada pela doutoranda é conhecida como wearable computers, ou computadores vestíveis. Literalmente uma tecnologia para vestir. A ideia é que no futuro as roupas, relógios e anéis sejam uma extensão do nosso corpo.

– Esse tipo de tecnologia vai trazer a periferia dos nossos sentidos. Imagine que você está usando óculos e você tem um monte de informações a respeito da pessoa com que está conversando. A informação apareceria periférica. Então você fica mais humano, você conversa olhando para a pessoa, não para o celular – explicou o professor e pesquisador.

Há quatro anos, a peruana desenvolve o que chama de Beauty Technology, em que ela concilia componentes eletrônicos com produtos de beleza como maquiagem e unhas postiças. Ainda em fase inicial, o projeto é uma interação literal entre as pessoas e os objetos ao redor. Desse modo, as portas poderiam ser abertas com um simples movimento das mãos, sem contato algum com a peça.

– As pessoas continuam tendo suas personalidades, mas com essa tecnologia escondida em produtos de beleza. Eu posso tocar piano, eu posso abrir as portas. É a mesma tecnologia usada no RioCard. Imagina você ter isso nas suas unhas, por exemplo, você poder abrir as portas com um simples movimento? – indagou a doutoranda.

– A imaginação é o limite – disse o professor Hugo Fuks, reforçando que a tecnologia ainda trará muitas novidades. O que antes era roteiro de cinema, que ficava no plano da imaginação, está cada vez mais se tornando uma realidade.

Edição 268

Mais Recentes
Quando o lazer vira profissão
União entre design e engenharia conquista espaço no mercado de games
Diversão para criança e adulto: Minotauro vira brinquedo
Primeiro Lote da versão a pilha do Minoutauro está entre os mais vendidos nos EUA. Robô brasileiro conquistou o público da BattleBots 2016
Retrato do Nordeste nos acordes do Rei do Baião Luiz Gonzaga
Trajetória e obra de Luiz Gonzaga contribuem para a construção da identidade do migrante na capital carioca