Estação Científica em Noronha alia ciência e sustentabilidade
12/04/2017 13:15
Por: Elissa Taublib/ Fotos: Fernanda P. Szuster e Miguel Darcy

Projeto do Escritório Modelo de Arquitetura e Urbanismo da PUC, em parceria com a Marinha, é finalista de prêmio de arquitetura sustentável.

Estação em Fernando de Noronha terá espaços de exposição das informações coletadas pelos pesquisadores. Render: Miguel Darcy

Com utilização de energia renovável e materiais naturais, o projeto Estação Científica de Fernando de Noronha representou o Escritório Modelo de Arquitetura e Urbanismo da PUC entre os finalistas da 4ª edição do Prêmio Saint-Goban de Arquitetura – Habitat Sustentável. O projeto apresenta uma proposta interdisciplinar, de uma sede adaptada à natureza que a cerca. A base científica seria composta por laboratórios e alojamentos para pesquisadores de diversas áreas. A fim de promover a educação ambiental e a preservação do arquipélago, ela dispõe de espaços de exposição das informações coletadas pela comunidade científica.

O projeto foi coordenado pelos professores Vera Hazan, Luciano Alvares, Leila Silveira e Fernando Betim e desenvolvido em conjunto com os estagiários do Escritório. A iniciativa surgiu a partir de uma cooperação técnica entre a Universidade e a Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (SECIRM) - órgão vinculado à Marinha-, no fim de 2014. A Estação se integra em um grupo de bases de pesquisa nas Ilhas Oceânicas e poderia ser visitada por turistas por meio de voos comerciais. Supervisora do Escritório Modelo, a professora Vera Hazan observa o aspecto interdisciplinar do local.

– Há muitos interesses na área: urbanismo, sociologia, geologia, história, patrimônio. A parceria firmada entre a Marinha e a PUC, por meio do Escritório Modelo. Uma vez construída a Estação, as suas portas estariam abertas para a Universidade como uma das entidades pesquisadoras.

Estudantes e professores trabalham em conjunto no Escritório Modelo. Foto: Fernanda P. Szuster

O professor Fernando Betim afirma que a ideia é que a Estação seja sustentável no quesito social, econômico e ambiental. Ele destaca que a estrutura de madeira da base mantém o carbono preso dentro da construção. Estudante de arquitetura, o estagiário Antonio Mauricio Pessoa explica que mais carbono é absorvido no plantio da madeira reflorestada do que é produzido na parte de transporte e obra. Ele observa que é preciso utilizar painéis solares e captação de água para garantir o funcionamento da Estação.

– A infraestrutura da ilha é muito precária, então, a inserção desse projeto no local depende de como o construímos e de como ele deve se manter lá. Em Fernando de Noronha, questões como água encanada e energia são complexas, então temos que tomar cuidado com isso – diz Antonio.

Vera ressalta a biodiversidade de Fernando de Noronha e chama atenção para a irregularidade da ocupação da área. Defende, ainda, que a presença do Escritório na Ilha, com a Marinha, possa reforçar o interesse do governo federal em conservar o patrimônio ambiental do espaço. Vera afirma que a Estação é uma construção limpa, porque geraria poucos resíduos. Para a professora, a base científica deve ser um exemplo a ser reproduzido.

– Uma vez aprovado esse projeto, nós iríamos para Fernando de Noronha e ensinaríamos para o pessoal da Marinha e para os moradores como lidar com a construção de madeira, explicaríamos como ela pode substituir as atuais construções que não seguem esse modelo – declara.

O projeto da base na ilha oceânica prevê laboratórios e alojamentos para pesquisadores de diversas áreas. Render: Miguel Darcy

De acordo com o professor Luciano Alvares, o projeto foi planejado de forma a aproveitar a logística de transporte da Marinha. Para isso, ele revela que a estrutura de madeira já seria pré-montada no continente e deslocada em partes para a ilha. Alvares ressalta que a construção não tem concreto e a descreve como uma obra seca.

Desde 2015, o Escritório Modelo já realizou três expedições científicas em Fernando de Noronha – com passagem pelo arquipélago de São Pedro e São Paulo. Vera Hazan comenta a atuação dos estagiários como pesquisadores nessas viagens. Estudante de arquitetura, Julia Tabet participou da terceira excursão ao local onde seria construída a Estação Científica.

– Fui responsável por visitar o terreno e fazer as apresentações, uma responsabilidade muito grande. Eu acompanhei todo o processo, pude entender para quem estamos projetando. Ter experiência no lugar faz toda a diferença, coloca-se em prática o que é aprendido na Universidade.

A base faz parte de uma pesquisa de estruturas flexíveis, que envolve professores com doutorado e mestrado e estudantes do Escritório Modelo. Vera enfatiza que o conceito da Estação gira em torno da possibilidade da construção de se adaptar - não se tornar obsoleta. Ela se refere aos estagiários como colaboradores de projetos e afirma que os coordenadores realizam um papel duplo: são arquitetos e professores.

Mais Recentes
Ex-aluna Gabriela Caesar apresenta ferramentas do jornalismo de dados
Em palestra a alunos de Comunicação Impressa, jornalista mostrou aplicações da Lei da Transparência
Karl Erik Schøllhammer toma posse como professor titular
De reconhecida trajetória acadêmica internacional, professor do Departamento de Letras da PUC-Rio é celebrado pelo Reitor como o dinamarquês mais brasileiro e puquiano".