Estreia vitoriosa no HackPUC
30/08/2017 18:06
Eduardo Diniz

Aplicativo planejado por alunos de engenharia alcança primeiro lugar em maratona de programação

Igor Lins e Dominique Deschatre, namorados e desenvolvedores do software Clube de Vantagens Cielo Lio. Foto: Fernanda Maia


Um aplicativo desenvolvido como alternativa aos grandes programas de recompensas, que oferece maior inclusão aos empresários de pequeno e médio porte, conquistou o prêmio de primeiro lugar no Hackathon, a maratona de programação do HackPUC. Os criadores são dois alunos da Universidade, o estudante de mestrado em Engenharia Elétrica Igor Lins e Silva e Dominique Deschatre, que estuda Engenharia de Produção. Eles produziram o software Clube de Vantagens Cielo Lio, cuja proposta é funcionar nas novas máquinas de pagamento da empresa, que agora contarão com uma loja de aplicativos na qual os donos de estabelecimentos comerciais poderão baixar diferentes programas para melhorar as vendas.

Os participantes tinham 36 horas para criar uma fintech, um sistema que envolvesse tecnologia e mercado financeiro. O festival, considerado o maior hackathon universitário do país, ocorreu pela quarta vez na PUC-Rio, durante dois fins de semana do mês de julho, nos pilotis da Universidade. 

O processo de criação foi dividido em três partes: o site para o lojista se cadastrar, o aplicativo para a máquina e o aplicativo para o celular dos clientes, todos desenvolvidos durante as 36 horas de maratona. No site, o comerciante se cadastra e mostra quais recompensas deseja oferecer em seu estabelecimento. Já no aplicativo para a máquina, o desafio foi construir um sistema em que fosse possível ler os códigos de resgate gerados pelo aplicativo no celular do cliente e que fosse seguro, uma vez que a própria Cielo delimitava quais recursos e bibliotecas poderiam ser usadas durante o pagamento. O aplicativo de celular para o cliente, por sua vez, foi pensado para oferecer uma experiência simples e benéfica para o usuário. Ele tem três telas: uma que mostra os pontos ganhos e as recompensas disponíveis, outra com um mapa dos estabelecimentos comerciais próximos que participam do programa e uma terceira com configurações de conta. 

Segundo Dominique, um dos benefícios para o comerciante é que o estabelecimento também acumula pontos e pode fazer o resgate do benefício em qualquer outra loja participante, assim como os clientes. Ela explica que, por exemplo, quando um cliente resgata alguma recompensa em uma certa loja, o dono desse ponto de vendas ganha pontos para serem gastos em qualquer outro local, tornando o comerciante também um participante do clube de vantagens. Isso vai incentivar  cada vez mais os comerciantes a oferecerem uma gama maior de recompensas. Para Dominique, o grande diferencial desse programa de vantagens é a possibilidade de inclusão de pequenos e médios empresários.

– O mercado atual no ramo é dominado por grandes empresas que, quando decidem criar algum sistema de recompensa para os clientes, convidam apenas outras empresas igualmente grandes, e deixam de fora os lojistas de pequeno e médio porte. Com o Clube de Vantagens, qualquer pessoa que tenha a máquina de pagamentos pode participar, e há ainda um intercâmbio de pontos, uma vez que as recompensas podem ser resgatadas em qualquer ponto participante.

Igor relata que os clientes também contam com um sistema de proteção de pontos, que garante que qualquer compra efetuada em máquinas gere pontos, mesmo antes de fazer o cadastro no site. Ele descreve que, ao passar o cartão em um ponto de vendas válido, o aplicativo para a máquina reconhece o chip e gera a recompensa, que é guardada até o cliente cadastrar o cartão no Clube, diferente de outros programas, que começam a contar os pontos a partir do momento em que o cadastro é efetuado.
 
Os estudantes, que são namorados, garantem que alcançar a vitória não foi fácil. Três dias antes do início da maratona, os outros dois participantes do grupo desistiram ao saberem o tema, que só foi divulgado na véspera do Hackathon. O quarteto planejava criar um drone que funcionasse por comando de voz e foi surpreendido ao saber que deveriam desenvolver uma fintech. A máquina da Cielo Lio só chegou fisicamente no sábado à tarde, quando já tinham se passado mais de 15 horas de concurso, o que os levou a trabalhar sem saber exatamente como funcionava o sistema no qual o aplicativo deveria ser implantado. Apesar das dificuldades, Igor relata que ganhar a maratona de programação foi a realização de um sonho.
 
– Sempre quisemos participar de um Hackathon, só estávamos esperando a oportunidade. Esse foi o primeiro que finalmente nos inscrevemos. Estrear com o primeiro lugar é estimulador.  Queremos participar de todos.
 
O projeto foi escolhido pela m4u, empresa do grupo Cielo para desenvolvimento de sistemas digitais, como o vencedor da maratona baseado em quatro critérios: originalidade, dificuldade tecnológica, viabilidade tecnológica e utilidade. Igor e Dominique ganharam ainda o prêmio de R$ 10 mil e a oportunidade de apresentar o programa de forma mais detalhada para a Cielo. 
Mais Recentes
Ftool: ao alcance de alunos e profissionais
Ferramenta desenvolvida por professor é comercializada para o mercado de Engenharia Civil e Arquitetura
Projeto capacita ensino técnico para o empreendedorismo
Parceria inédita da PUC-Rio com MEC e Sebrae forma 150 professores do Pronatec de todo o país em curso de pós-graduação à distância. Baixo custo e interação foram pontos altos do projeto.