Flores do Leblon e da abolição
17/11/2017 14:27
Erick Foti

As camélias cultivadas em quilombo da Zona Sul tornaram-se símbolo do movimento negro em todo o Brasil. Sede do Clube Campestre ocupa o local onde ficava refúgio de escravos

Flor originária do Oriente, a camélia batizou a propriedade do português José de Seixas Magalhães no fim do século XIX. Com o consentimento do proprietário, o local abrigava o quilombo das camélias, um dos mais atuantes na abolição da escravatura. O antigo grupo foi caracterizado pela luta política e pelo apoio de intelectuais, e as camélias que lá eram plantadas tornaram-se símbolo do movimento abolicionista. Elas foram usadas pelos apoiadores da causa e ornamentaram, inclusive, o Palácio da Guanabara e as vestes da Princesa Isabel.
Esses fatos estão descritos pelo historiador Eduardo Silva no livro As Camélias do Leblon e a Abolição da Escravatura. Na obra, o autor reconhece o grupo como um dos primeiros quilombos de resistência, atuante politicamente com a ajuda de pessoas influentes e simpatizantes da causa. Segundo Silva, não havia preocupação em esconder a existência das reuniões em prol da abolição.
O terreno do antigo quilombo hoje abriga, entre os prédios do Alto Leblon, o Clube Campestre da Guanabara. Professor de capoeira no local há quatro anos, Bruno Pé de Boi tenta manter viva a história do lugar. Todo ano, no dia 13 de maio, ele participa da organização de uma feijoada, em que ocorrem apresentações de danças afro-brasileiras. Para ele, o porquê do simbolismo da flor é uma das coisas mais importantes dessa memória.
– Até então, se dizia que o escravo só servia para cuidar de coisas brutas, que não tinha sensibilidade. Os abolicionistas queriam demonstrar exatamente o oposto. Escolheram plantar camélias no quilombo justamente por ser uma flor superdelicada.
O livro de Eduardo Silva destaca que a princesa Isabel promoveu festas em Petrópolis para arrecadar fundos para o movimento. Na mais famosa, conhecida como Batalha das Flores, a monarca enfeitou o vestido e os carros que a levavam com camélias. Uma ilustração da Revista Ilustrada, também utilizada na obra de Silva, mostra o momento em que ela, após assinar a lei Áurea, recebeu um buquê de camélias artificiais e outro com flores naturais, provavelmente vindas do quilombo do Leblon. Os presentes foram, respectivamente, do então presidente da Confederação Abolicionista, João Clapp, e de José Seixas Magalhães.

Na ilustração da Revista Illustrada, de 1888, José de Seixas Magalhães entrega camélias para a princesa Isabel Ilustração: Fundação Casa de Rui Barbosa/serviço de biblioteca

Apesar do apoio da família real, não há unanimidade entre os historiadores sobre as intenções da princesa. A professora Iamara Viana, do Departamento de História, afirma que os relatos históricos dão a entender que a alteza era engajada no movimento, mas faz ressalvas quanto ao significado político dos atos abolicionistas.
– O quilombo do Leblon sofreu poucas intervenções por conta das relações do dono da chácara que abrigava o grupo, José Seixas Magalhães. Sempre que havia complicações, ele ia até a princesa, que se remetia ao imperador para ajudá-los nesse sentido. Ela pode ter feito essas escolhas pensando na própria imagem histórica. Apesar disso, é importante destacar que o movimento não teria tido sucesso sem a resistência e as fugas dos escravos.
Para chegar à chácara onde ficava o quilombo, era necessário pegar o bonde da companhia de Ferro-Carril até onde hoje é a praça Santos Dumont, na Gávea. De lá, os simpatizantes da causa e os escravos fugidos usavam o morro Dois Irmãos como referência para seguir a pé a atual Avenida Bartolomeu Mitre, no sentido da praia. Na subida para o quilombo, a vigília procurava na lapela dos visitantes pela camélia, símbolo de simpatia com o movimento abolicionista.
Ilustração: Diogo Maduell

Iamara destaca que os casos de escravidão do fim do século XIX eram muito diversos. De acordo com a professora, houve uma gradativa redução do número de escravizados no Brasil até o momento da abolição. Quando a Lei Áurea foi assinada, diz a professora, alguns escravos do meio urbano já tinham mais autonomia para trabalhar, contanto que pagassem dotes aos senhores. No campo, a chegada dos imigrantes gerou dificuldades para inserir os libertos no mercado de trabalho.
– A partir dos anos 1830, os escravos trabalharam na agricultura do café. Quando trouxeram imigrantes para as fazendas, para onde iriam esses negros, que até aquele momento foram a manutenção do capital na sociedade brasileira? Aí passamos a ter um problema sério. Ainda existem heranças socioculturais. Pensando na atualidade, quando olhamos as favelas, as pessoas mais pobres e os moradores de rua, qual cor vemos? Isso é muito forte.

Mais Recentes
História e fatos sobre uma via de passagem
Criada há 74 anos, a Avenida Brasil foi um marco histórico da ocupação urbana na antiga capital do país. No início, rodovia tinha apenas 10 metros de largura.
Autonomia nas mãos do ouvinte
Programas de podcast oferecem conteúdos sob demanda