Reverência a um clássico
11/05/2018 18:50
Ana Vitoria Barros

Em comemoração do aniversário do livro Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural, de Silviano Santiago, encontro promove debate e exibe vídeo-homenagem

Obra de Silviano Santiago completa 40 anos de lançamento. Foto: JP Araújo

Em homenagem aos 40 anos do livro Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural, de Silviano Santiago, uma celebração foi organizada no auditório do CTC na quarta-feira, 9 de maio. Uma mesa de debate foi realizada com os professores Eneida Leal Cunha e Frederico Coelho, do Departamento de Letras, que publicaram textos na edição de maio do Suplemento Pernambuco, dedicado à obra de Santiago e lançado na ocasião. O encontro também teve a presença do professor do Departamento de Letras da UERJ, Ítalo Moriconi, e a exibição de uma vídeo-homenagem ao escritor.

Silviano Santiago foi homenageado pela excelência de sua produção em 2017. Desta vez, o encontro foi para lembrar o clássico da crítica cultural brasileira escrito pelo autor. Durante o debate, os professores da PUC falaram sobre o conteúdo dos ensaios produzidos para o Suplemento. Para Eneida, relembrar a obra de Santiago, lançada em 1978, é importante porque possibilita abordar não somente o autor mas também o professor que ele foi durante muitos anos do Departamento de Letras.

A professora ainda mencionou a publicação sem título de Santiago conhecida entre os alunos de Doutorado como “Texto da Semente”. Apresentado como um relato de pesquisa, a professora destacou o foco que Santiago dá a carta escrita por Pero Vaz de Caminha. Para ela, o autor dialoga com o documento em um momento em que a historiografia literária é um campo de grande prestígio.

– O que me interessa nesse retorno temporal do Silviano, no modo como ele conduz o retorno no “Texto da Semente”, é que ele promove uma realocação temporal do outro contra a negação da sua contemporaneidade, promovida pela razão moderna e linear como forte efeito hierarquizante. Ele recupera no texto essa contiguidade etimológica que existe entre as ações de semear e colonizar para fazer a sua crítica à cultura histórica.

Outro ponto destacado pela professora foi o texto produzido por Santiago para a introdução de um conjunto de livros publicado em 2000 por conta da comemoração dos descobrimentos. Para ela, Santiago faz um balanço de grande parte da própria produção crítica ao apresentar a coleção. Eneida observou que, no texto da introdução, o autor não se refere a nenhum dos 11 autores presentes na obra. De acordo com Eneida, ele “vai se ocupar daquilo que esses livros não trazem”. 

– Ele abdica dos livros farol e olha no retrovisor, porque é no retrovisor que ele vai encontrar os textos que, segundo ele, constituíram as hierarquias, as separações que instituem o país.
É essa imagem vista pelo retrovisor que é mais consistente na constituição do país do que os livros farol. É nesse espelho retrovisor, intempestivo e quase a contrapelo, que ele faz uma articulação indelével entre a construção da liderança da hierarquia, da ordem social e do racismo correlato do escravismo.

A professora Eneida Leal Cunha destacou a importância de se retomar a obra publicada em 1978. Foto: JP Araújo

O professor Frederico Coelho destacou a presença do Suplemento Pernambuco atualmente no campo da crítica literária e da divulgação literária no Brasil. Ele ressaltou também como o livro Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural é ao mesmo tempo singular na força e múltiplo na perspectiva de assuntos. Ele acredita que o intelectual produziu textos que, 40 anos depois, ainda são profundamente impactantes e rendem discussões não como peça de antiquário ou arquivo, mas como pensamento vivo.

– São textos muito ricos no sentido de se ler hoje em dia entendendo a trama desse intelectual que vem com o intuito que não era comum na época: 
enfrentar o contemporâneo em um momento em que era um risco falar sobre o que estava acontecendo no calor da hora. Isso mostra também o perfil intelectual do Silviano até hoje, que não foge na hora de debater os temas mais polêmicos da contemporaneidade.

O professor do Departamento de Letras da UERJ Ítalo Moriconi fez mestrado e doutorado com Santiago e trabalha atualmente em uma coletânea de ensaios do intelectual. Ele destacou a estrutura quadripartite do clássico de 1978, que reúne a literatura comparada, os estudos de Literatura Brasileira, a produção contemporânea e uma análise e interpretação. Para Moriconi, os cursos com o autor, nos anos 1970 e 1980, moldaram o perfil dele como professor de literatura brasileira.

– A palavra que me vem à mente para resumir a personalidade intelectual do Silviano é lincado. O texto dele, essas faces dele estão o tempo todo dialogando entre si. Não há propriamente uma hierarquia, principalmente nesse momento entre os textos que foram publicados em Uma literatura nos trópicos e os textos do curso. Em um certo sentido, o texto do Silviano é hipertextual a priori. E isso é um desafio às novas gerações das áreas de letras porque eu acho que está faltando leituras mais lincadas.

Os professores Eneida Leal Cunha e Frederico Coelho, do Departamento de Letras, e Ítalo Moriconi, professor do Departamento de Letras da UERJ comentam a obra de Silviano Santiago. Foto: JP Araújo

Na segunda parte do encontro, foi exibido uma vídeo-homenagem, produzido em parceria com o Núcleo de TV do Projeto Comunicar, com uma  coletânea de depoimentos de alunos de Santiago na década de 1970. Para o intelectual, a homenagem foi bonita e comovente na medida em que os ex-alunos, hoje mestres, compartilham mais memórias com ele do que com a experiência de ter feito mestrado e doutorado na PUC.

– Eu achei curioso que muitos dos depoimentos giravam em torno disso, que é importante no ensino. Não é o papel solitário de um indivíduo, mas é a constituição de uma rede em que todas as pessoas têm uma importância relativa e uma importância substantiva na medida em que constituem à sua maneira de dar aula, de escrever, de publicar livros e, sobretudo, de pensar a cultura brasileira. É muito bonito ver que, diversos alunos daquela época, hoje professores, grandes pensadores, lembram aqueles tempos.

Mais Recentes
Meu Primeiro Dia na PUC
Calouros são recepcionados pelos departamentos nesta sexta-feira, 10 de agosto. Palestras, visitas guiadas pelo campus e troca de experiência com professores e veteranos fazem parte da programação
Novo diretor na Química
Na PUC há 16 anos, o professor Ricardo Aucélio Queiroz tomou posse do cargo de diretor do Departamento de Química em cerimônia realizada na Sala do Conselho
Ciência na prática
Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional comemora 50 edições de pesquisas no Brasil