Música de resistência
28/06/2018 18:02
Karen Krieger

Expressão da cultura Yiddish como resgate de histórias

Foto: Amanda Dutra

Apesar de o hebraico ser a língua oficial de Israel, e a mais conhecida, ela não é a única dentro do universo judaico. A cultura Yiddish - mistura de alemão, hebraico e das línguas eslavas - também é uma forte expressão das trajetórias dos judeus ao longo dos séculos. A música, literatura e o teatro Yiddish retratam as situações que o povo judaico enfrentou pela vida, além do Holocausto. E para desvendar a riqueza da língua e das produções culturais geradas por ela, a professora Sonia Kramer, do Departamento de Educação, vai ministrar, a partir de agosto, a disciplina Histórias contadas e cantadas em Yiddish: Língua, música e pesquisa.

O Yiddish é uma língua sem território, o que auxilia para dispersão dos costumes, que acabam perdidos em uma civilização global. Para resgatá-la, movimentos de renascimento cultural já se manifestam pelo mundo, como o curso promovido pela professora Sonia Kramer. Segundo ela, essa manifestação concentra jovens judeus e não-judeus que se dedicam ao Yiddish, principalmente literatura, música e teatro.

- Os jovens estão entendendo que há uma questão de interdiálogo, diálogo interreligioso, intercultural, uma dimensão plurilinguística. É essa dimensão de conhecer, se permitir emocionar. O papel do jovem é se conectar com esses movimentos e aprender, reconhecer a língua e transmitir para as gerações mais jovens.

Professora Sonia Kramer discursou antes da apresentação. Foto: Amanda Dutra

Para apresentar a cultura, o encontro musical com a presença do Coral da Associação Scholem Aleichem (ASA) e o grupo Viver com Yiddish - também coordenado por Sonia - interpretaram na Universidade músicas folclóricas, teatrais e de reação judaica. O Coral da ASA abriu a apresentação com um bloco de canções de resistência, iniciado com o hino dos judeus contra o nazismo, que, admitiu a regente do grupo, Claudia Alvarenga, é algo difícil de ouvir e de cantar por conta da temática.

Coral da ASA canta músicas em Yiddish. FOto: Amanda Dutra

Em seguida, o repertório abordou canções de cunho social, como as greves na Rússia Imperial contra o czar, que, para a regente, dialoga com a situação atual no país. Para finalizar, histórias foram contadas por meio dos sons de violino, flauta transversa, piano, bandolim e percussão, conduzidos pela regente Aline Silveira.

Grupo Viver com Yiddish. Foto: Amanda Dutra

A aluna de Pedagogia Alice Reiman é participante do grupo Viver com Yiddish e criou uma grande afinidade com essa língua e cultura a partir da eletiva da professora Sonia, no semestre passado. Apesar de não ser judia, Alice se envolveu com a música e a própria língua, pois, segundo ela, mesmo que não se entenda as palavras, os versos a tocam. Para a estudante, são músicas dançantes e envolventes.

Aluna de Pedagogia Alice Reimann. Foto: Amanda Dutra

- É uma cultura muito rica que foi deixada um pouco de lado no passado e agora está tendo um movimento pelo mundo inteiro que a cultura e a língua permaneça, passada pelas gerações entre judeus e não-judeus. Eu não sou judia, mas aprendo com a cultura e me sinto muito feliz de estar nessa troca.

Mais Recentes
Meu Primeiro Dia na PUC
Calouros são recepcionados pelos departamentos nesta sexta-feira, 10 de agosto. Palestras, visitas guiadas pelo campus e troca de experiência com professores e veteranos fazem parte da programação
Novo diretor na Química
Na PUC há 16 anos, o professor Ricardo Aucélio Queiroz tomou posse do cargo de diretor do Departamento de Química em cerimônia realizada na Sala do Conselho
Ciência na prática
Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional comemora 50 edições de pesquisas no Brasil