Solar inaugura exposição sobre a Gávea
25/07/2018 18:13
Pedro Madeira

O projeto é uma parceria da PUC-Rio com o Instituto Moreira Salles

Mostra traz fotografias sobre a Gávea

Começou nesta quarta-feira, 25, a exposição Gávea: Território de diversidades, morada de contradições, que ocorre no Solar Grandjean de Montigny até o dia 26 de outubro, de segunda a sábado, das 10h às 17h. Com curadoria de Sergio Burgi, Margarida de Souza Neves e Ileana Pradilla, a mostra é uma parceria entre a PUC-Rio e o Instituto Moreira Salles (IMS) e conta a história do bairro por meio de fotografias antigas e atuais.  A proposta é traçar um paralelo e mostrar a semelhança da Gávea com a cidade do Rio de Janeiro desde 1930 até os dias de hoje.

Segundo a coordenadora do Núcleo de Memória da PUC-Rio e diretora do Solar, professora Margarida de Souza Neves, a ideia da exposição surgiu a partir do desejo de fazer algumas atividades em parceria com outros centros culturais da Gávea. Ela contatou o Instituto Moreira Salles, que topou a ideia.

-  A ideia era pensar o bairro da Gávea como um pedacinho, um fragmento do Rio de Janeiro, mas que fosse possível encontrar nesse fragmento toda a riqueza. E também, toda a complexidade, todos os conflitos, todas as tensões que existem na cidade, quer dizer, é um fragmento que fala do todo. Olhando para ele eu posso ver o todo, essa era a ideia.

 

Margarida mostra um pouco da exposição

Margarida relembra que o diretor de iconografia do IMS, Sergio Burgi, visitou algumas vezes o Solar, e que os funcionários do IMS acamparam no museu, envolvimento que, segundo ela, foi importante para o projeto. A professora destaca ainda a riqueza do acervo do Instituto e a competência da equipe, que tinha duas ex-alunas da Universidade, para o sucesso do projeto.

- Eles são muito competentes e sérios. A equipe deu muito certo. A essa altura da exposição montada, a gente não sabe mais quem disse: ''vamos fazer isso aqui?'', e quem disse ''vamos fazer aquilo lá?''. A exposição é feita, é pensada, é concebida, realizada, de verdade, entre as duas instituições.

A mostra está dividida em quatro temas: Caminhos da Gávea, As casas, Expansão e Resistência e Memórias e Contrastes. A primeira sala conta um pouco da metamorfose do bairro, do local de granjas e fazendas, passa pelo período das fábricas e conjuntos habitacionais para operários, até a inauguração da estrada da Gávea.

Exposição fica no Solar até outubro

 

O segundo espaço, As Casas, traz fotos antigas do Solar e da casa de Walther Moreira Salles, duas propriedades históricas do bairro. Expansão e Resistência é o nome da terceira sala, que mostra como operários acompanharam a expansão do bairro e resistiram às tentativas de expulsão.

Na última sala, Memórias e Contrastes apresenta fotos da Rocinha e depoimentos em vídeos dos moradores. Ela se distingue das outras salas pelo aparato tecnológico. O acervo apresenta fotografias de Marc Ferrez, Augusto Malta e de nomes internacionais, como o canadense Robert Polidori, que em 2010 fez um projeto fotográfico da comunidade.

 

Mais Recentes
Meu Primeiro Dia na PUC
Calouros são recepcionados pelos departamentos nesta sexta-feira, 10 de agosto. Palestras, visitas guiadas pelo campus e troca de experiência com professores e veteranos fazem parte da programação
Novo diretor na Química
Na PUC há 16 anos, o professor Ricardo Aucélio Queiroz tomou posse do cargo de diretor do Departamento de Química em cerimônia realizada na Sala do Conselho
Ciência na prática
Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional comemora 50 edições de pesquisas no Brasil