Inclusão, Diversidade e Desigualdade
21/11/2018 11:36
Nicole Polo

Estudiosos brasileiros e franceses da área da educação debatem inclusão da diversidade no sistema acadêmico e os desafios de enfrentar a desigualdade nas escolas

Foto: Gabriela Azevedo.

O Programa de Pós-Graduação em Educação da PUC-Rio (PPGE/PUC-Rio) e o Programa de Pós-Graduação em Educação do Campus do Pantanal da UFMS (PPGE/CPAN/UFMS) organizaram o Seminário Internacional Inclusão, Diversidade e Desigualdade na terça-feira,13, no auditório B6. No encontro, professores brasileiros e franceses expuseram pesquisas e análises sobre a inclusão da diversidade nas escolas e os desafios do combate à desigualdade no sistema escolar.

O professor Serge Ebersold, da Conservatoire National des Arts et Métiers (Conservatório Nacional de Artes e Profissões) apresentou a temática do financiamento e da implementação das políticas de inclusão educacional no cenário internacional. Ele afirmou que, na educação inclusiva, o sistema é visto como falho e, por isso, a modificação deve ocorrer na estrutura para atender as necessidades do aluno. É o contrário da educação especial, que considera o aluno como diferente e tenta adaptar o estudante ao processo educativo.

Ebersold declarou que a educação especial tem um financiamento compensatório, ou seja, a contribuição chega de acordo com a necessidade do aluno. Esse estilo, de acordo com ele, em vários países, diminuiu recurso da educação comum. O professor alegou que o financiamento de políticas inclusivas ocorre no sistema educacional como um todo, isto é, a escola, ao receber o repasse do governo, escolhe a maneira de investir.

- O princípio da educação inclusiva, na verdade, pensa também na disponibilização de uma quantia suplementar, que é direcionada ao estabelecimento escolar. A escola fica responsável por definir como que vai abordar as particularidades dos alunos com base nas suas políticas, nas suas estratégias de ensino.  A maioria dos países, na verdade, instaurou um dispositivo para apoiar os alunos que apresentem qualquer tipo de dificuldade, como deficiência, falta de recurso financeiro, inteligência superior à média, ou vindos de comunidades ciganas. Dessa forma, o financiamento não se limitaria a uma especificidade só.

Professora Flávia Faissal. Foto: Gabriela Azevedo.

A políticas de educação da agenda internacional aos paradoxos brasileiros foi apresentada pela professora Flávia Faissal, da FEBF/UERJ. Ela afirmou que o sistema de inclusão da ONU considera a educação fundamental para o desenvolvimento humano, além de que o acesso à educação deve ser público, gratuito e abrangente. Segundo ela, há uma crença que a tecnologia vai resolver todos os problemas de inserção dos deficientes nas escolas. Contudo, ela declarou que a tecnologia desvinculada de um apoio pedagógico não tem êxito.  

A professora Rosana Heringer, da UFRJ, abordou o balanço e os desafios das políticas de democratização do Ensino Superior. Ela relembrou que, na década de 1990, começaram as reivindicações de um ingresso na faculdade mais inclusivo. O propulsor dessas demandas, no Brasil, foi o Movimento Negro, segundo a professora. Rosana declarou que as políticas afirmativas – as cotas- ampliaram o acesso às universidades, mas ainda há desafios.

- Tem uma dimensão bastante complexa que temos nos aprofundado agora, a questão da permanência. Procuramos diferenciar a permanência e a assistência estudantil. Nas universidades federais, temos nos deparado com uma demanda crescente de estudantes por uma dimensão da permanência, a questão financeira. Se você não tem o mínimo para se deslocar, para se alimentar, ou para comprar material (xerox e outros) é muito difícil se manter na universidade mesmo ela sendo gratuita ou mesmo tendo bolsa. Nos identificamos que existem outras dimensões dessa permanência e temos buscado explorá-las. 

 

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima