POMS 2018
11/12/2018 11:25
Beatriz Puente

Conferência Internacional debate formas de melhorar a qualidade de vida com técnicas de gestão de operações e logística

Adriana Leiras, Hugo Yoshizaki, Padre Álvaro e Luiz Felipe Scavarda abriram o POMS 2018. Foto: Thaiane Vieira

A 2018 Production and Operations Management Society (POMS) International Conference in Rio começou nessa segunda-feira, 10, e este ano tem como sede o campus da PUC-Rio. Com o tema Operations Management for Social Good, a conferência visa discutir a relação do bem-estar social com estratégias de operação, tecnologia e sustentabilidade. Promovido pelo POMS Caribbean & Latin American Chapter, o congresso vai até do dia 12 de desembro e é voltado para profissionais, alunos e professores da área de administração, engenharia de produção e logística.

A presidente da POMS Caribbean & Latin American Chapter e professora do Departamento de Engenharia Industrial, Adriana Leiras, foi a organizadora principal do encontro. Ela explicou que a escolha do Rio de Janeiro para receber a conferência foi motivada pelo caráter turístico da cidade, já que a intenção era atrair profissionais de diferentes lugares.

-A POMS é a sociedade americana de gestão de operações e, na América Latina, há mais de dez anos que não temos uma reunião. Essa conferência é justamente para a retomada do chapter na América Latina. A ideia é que possamos realizar bianualmente aqui. A escolha do Rio de Janeiro foi unânime. Por ser uma cidade turística, é muito atrativo para pessoas de outros lugares, e conseguimos atrair mais de cem pessoas de 12 países.

 

Adriana é a organizadora principal do POMS 2018 e presidente da POMS Caribbean & Latin American Chapter. Foto: Thaiane Vieira

A internacionalização de pesquisas feitas pelos alunos da PUC-Rio, a inclusão da Universidade no meio acadêmico mundial e o debate de temas atuais como a gestão e implementação de artifícios sustentáveis na sociedade foram alguns dos pontos destacados pela professora sobre a importância de sediar a POMS.

- A ideia de trazer essa conferência é se integrar das pesquisas que estão sendo feitas mundialmente. É importante, também, para a internacionalização da PUC, para a nossa Universidade e para as nossas pesquisas serem conhecidas e respeitadas em outros países e em outras sociedades. E é importante, claro, discutir sustentabilidade e bem-estar social no ambiente acadêmico, porque o futuro está aqui. É nossa forma de tentar impactar o que está por vir.

A abertura do encontro contou com a presença do Vice-Reitor da PUC-Rio, padre Álvaro Mendonça Pimentel, S.J, do vice-presidente do POMS da América Latina e professor da Universidade de São Paulo, Hugo Tsugunobu, do diretor do Departamento de Engenharia Industrial da PUC-Rio, professor Luiz Felipe Scavarda, e da presidente do POMS Caribbean & Latin American Chapter e professora do Departamento de Engenharia Industrial, Adriana Leiras.

O Padre Álvaro lembrou o sentimento humanitário da conferência. Foto: Thaiane Vieira

Padre Álvaro Mendonça relembrou o propósito do congresso de buscar por soluções que melhorem a vida das pessoas em sociedade. Ele também ressaltou a importância de estudos na área de operações e logística para solucionar problemas humanitários de um mundo no qual a tecnologia e populações com necessidades básicas coexistem.

- O tema Operations Management for Social Good reflete a busca por uma sociedade melhor. Abordar temas como cuidados com a saúde, inteligência artificial, inovações, suprimentos nos mostra o desafio que a POMS 2018 vai enfrentar. Mas também mostra o poder e a influência que as operações e a administração têm atualmente na sociedade. A busca pela eficiência contribui pelo bem-estar das pessoas. É nesse momento que devemos deixar claro nossos valores humanitários.

Jose abordou a tecnologia e a mobilidade urbana. Foto: Thaiane Vieira

A plenária do dia 10 foi apresentada pelo professor Jose Holguin-Veras, da Rensselaer Polytechnic Institute (New York), que explicou a relação da tecnologia e da rapidez com o deslocamento urbano. Ele mostrou pesquisas realizadas nas cidades de Nova Iorque, São Paulo e Bogotá como exemplos de grandes cidades que investem cada vez mais em pesquisas e em alternativas, como metrôs, mas ainda têm problemas sérios de mobilidade. Questões como trânsito, emissão de gases poluentes e transporte coletivo foram citadas por Jose como uma problemática que não evolve apenas tecnologia e investimento, mas também uma mudança de cultura.

- Nas metrópoles e centros urbanos, o trânsito é um problema típico. E, quase sempre, demora mais tempo de um local para outro do que realmente demoraria se não fosse o congestionamento. Dados indicam que, nesses trajetos, a emissão de gás carbônico triplica. Então caímos no bom e velho incentivo ao uso do transporte coletivo. Mas além do investimento em frotas, em conforto e rotas, é necessário mudar o comportamento. Motoristas que não seguem as indicações de trânsito e usuários que desrespeitam o veículo, por exemplo. Então a melhora tem que ser suficiente boa para fazer as pessoas deixarem seus carros em casa.

Mais Recentes
Projeto para pessoas com deficiência auditiva vence Desafio
Parceria entre Departamento de Comunicação Social, Comunicar e Ecoa PUC-Rio premia melhores ideias de inovações em jornalismo
Cineasta dos sonhos interrompidos
O cineasta e professor Silvio Tendler, do Departamento de Comunicação Social, recebe homenagem pelos 51 anos do primeiro filme, A Revolta da Chibata. Até sexta-feira, haverá exibições de obras do documentarista, seguidas de debates.   
O futuro do meio ambiente
Simpósio debate dificuldades para o reflorestamento e a importância da participação da sociedade nesse processo