Meu nome é Daniel
03/05/2019 18:17
Gabriela Azevedo

O ex-aluno Daniel Gonçalves retorna àUniversidade para uma sessão de pré-estreia de seu primeiro longa-metragem autobiográfico

           

Daniel Gonçalves e Vinicius Nascimento falaram sobre o processo de criação do documentário. Foto: MaloniCuerci

Normatividade, relacionamento entre mãe e filho, sexualidade e o lugar da pessoa com deficiência são algumas das questões abordadas pelo documentário autobiográfico Meu nome é Daniel. O filme, que já passou por sete festivais e está qualificado para disputar uma vaga no Oscar de 2020, foi exibido na Universidade no dia 30 de abril, em uma sessão de pré-estreia. A sessão teve a presença do diretor e ex-aluno do curso de Comunicação Social, Daniel Gonçalves, e o montador Vinicius Nascimento, que depois participaram de um debate com a plateia.

A ideia para o documentário, com previsão de estreia para agosto deste ano, surgiu a partir de um curta-metragem que o diretor fez para um concurso de vídeos inspiradores na internet. No vídeo, Como Seria?, o diretor tenta imaginar sua vida sem a deficiência. O projeto não ganhou o concurso, mas viralizou nas redes sociais e, nesse momento, Gonçalves viu que tinha muito mais coisas para contar. O diretor mesclou passado e presente para tentar entender a sua condição física – ele tem um problema motor. Ao mesmo tempo que conta o surgimento da doença na infância, o diretor mostra o processo de investigação, nos dias atuais, para tentar fechar um diagnóstico sobre o seu quadro clínico.

- O processo de criação do documentário começa com eu e o Vinicius assistindo a todas essas imagens de arquivo da minha família, que estavam em VHS. Digitalizei o material, fui para ilha de edição, e ficamos uma semana analisando o conteúdo. Das 18 horas que tínhamos de vídeo, separamos 9 horas em que eu aparecia. A partir dessas 9 horas, fiz um roteiro base que foi o guia das primeiras semanas de gravação.

Os vídeos, gravados na maioria das vezes pelo pai do diretor, mostram desde o namoro dos pais até a infância de Gonçalves. Nas imagens do presente, que começaram a ser gravadas em 2016, o diretor voltou a investigar a causa da deficiência a partir de uma ressonância magnética e de exames genéticos, além de diversas entrevistas com a família e pessoas que fazem parte de sua história.

O cineasta contou que, desde o início, não queria que o Meu nome é Daniel caísse em um lugar sentimental, que, segundo ele, é geralmente reservado às pessoas portadoras de alguma deficiência. Essa decisão norteou o documentário e foi motivo pelo qual a maioria das entrevistas foram cortadas. O diretor também falou de outras escolhas que evitaram que o longa tendesse para o sentimentalismo, como forma que o áudio do documentário foi montado.

- O filme quase não tem música para dar clima. Quando ela aparece é na verdade um som, mais para preencher do que para criar emoção. Qualquer música que causasse um possível sentimentalismo, corria o risco de colocar a pessoa com deficiência no lugar de coitado ou no de super-herói, e isso era justamente o que a gente não queria. Essa decisão também impactou na minha narração e na escolha de tirar algumas coisas que levavam a essa comoção. O filme emociona, mas de uma maneira genuína, sem cair nesses dois lugares.

Meu nome é Daniel ganhou o prêmio de Melhor Longa-metragem, pelo júri popular, no Festival de Tiradentes de 2019. Foto: Maloni Cuerci

O montador Vinicius Nascimento disse que conheceu Gonçalves em um curso de pós-graduação de cinema documentário na Fundação Getúlio Vargas e que eles sempre discutiam e assistiam a filmes do gênero. Nascimento contou que o diretor o chamou pelo fato de ele gostar de usar o VHS e já ter trabalhado com material de arquivo em um filme sobre o artista plástico Hélio Oiticica. Ele comentou que foi um desafio construir o texto e abordar certos temas no roteiro.

-Chegamos a esse lugar de achar que o filme tinha que ser sobre uma mãe e um filho, o que foi norteando muito a edição.  Uma coisa que também conversamos muito antes de começar foi a questão na normatividade: O que é ser normal? Andar de uma maneira diferente te faz ser um anormal? Então, queríamos muito chegar nesse lugar de discussão. Antes de finalizar o filme, mostramos os cortes para alguns editores. Isso foi importante para abordarmos de forma mais direta a iniciação sexual do Dani e tirar esse tabu sobre a sexualidade na vida de uma pessoa com deficiência.

O diretor fez questão de ressaltar a importância da Universidade e de sua experiência como estagiário do núcleo de TV do Comunicar. Segundo ele, a prática com edição foi o início de tudo, quando, pela primeira vez, ele começou a lidar com a técnica e a forma de pensar e fazer um documentário.

- Curiosamente tenho dois projetos de documentário bem desenvolvidos, e os dois têm a ver com o universo de pessoas com deficiência. Um é sobre sexualidade de pessoas com deficiência, ideia já presente no Meu nome é Daniel, e o outro é sobre educação inclusiva. Esses dois, provavelmente, serão os próximos filmes. Por já termos gravados uma parte e ter despertado o interesse de patrocinadores, o sobre sexualidade deve sair primeiro. Mas, depois, tenho vontade e ideia de fazer filmes sobre outras coisas também.

 

 

Mais Recentes
Time de campeões
Primeira turma do Curso de Jovens Profissionais das Mídias Digitais se forma com exibição de documentários dos alunos
Um ano de incertezas e solidariedade
Reitor faz balanço deste ano e projeções para 2020
Novos representantes dos alunos na Universidade
DCE e Centros Acadêmicos da PUC-Rio tomam posse em reunião na Sala do Conselho