Infância tecnológica
18/10/2019 09:21
Esther Obriem

Ex-aluna da PUC-Rio, a jornalista Roberta Mellin aborda os problemas do excesso de aparelhos eletrônicos na educação das crianças

Jornalista Roberta Mellin. Foto: Catarina Kreischer

A importância de interagir com as pessoas e as consequências do excesso tecnológico para as crianças foram as principais questões abordadas na III Mostra Desenvolvimento no Ciclo Vital: vulnerabilidade, inclusão e tecnologia, que ocorreu no dia 3. A Coordenadora de Graduação de Psicologia, Luciana Fontes Pessoa, e a jornalista Roberta Mellin, participaram da palestra e analisaram a importância do tema.

Roberta afirmou que não é possível abordar o tema tecnologia e criança e não falar sobre parentalidade. Segundo a jornalista, tanto a maternidade quanto a paternidade são importantes para a relação das crianças com a sociedade, pois a boa formação de uma pessoa muda o coletivo. Ela relacionou as letras da palavra parentes a sete pontos importantes para a criação dos filhos de maneira harmônica com a tecnologia.

– É importante estar presente e focar na vida da criança, pois, ao mexer no celular, ignoramos o entorno; ter atenção em quem é aquele filho, porque ficamos fechados na internet; ter cuidado com o ritmo da tela dos aparelhos eletrônicos, porque recebemos muita informação em pouco tempo e a criança fica desregulada; dar o exemplo de respeitar as regras do uso de celular; nutrir o pequeno de amor; confiar na educação que nós damos aos filhos e não só controlar tudo o que eles fazem; e simplicidade na conversa com eles.

Relação das letras da palavra parentes com os sete tópicos. Foto: Catarina Kreischer

A jornalista frisou que a tecnologia não é ruim, e observou que, muitas vezes, pode incluir e salvar vidas. Ela lembrou do uso de aplicativos e procedimentos para tentar inserir os surdos e os cegos no ambiente digital. Segundo Roberta, a tendência é o uso do áudio e do gesto aumentarem, e o das telas diminuir, como ocorre no comando de voz Hey, Google e com os drones vendidos na Ásia, que são manipulados pelos movimentos.

A palestrante alertou sobre perigo da luz azul dos aparelhos eletrônicos que, segundo ela, a claridade estimula o estado de prontidão do indivíduo e interfere no sono dele. De acordo com ela, o ideal é evitar olhar para a tela duas horas antes de dormir e não ter nenhum dispositivo digital no quarto.

– Muitos pais me contam que deixam as crianças usarem o celular um pouquinho antes de deitar, para que elas se acalmem. Isso não acontece. Parece que dormiram, mas não houve a produção de melatonina (hormônio que estimula o sono) o suficiente e não teve o sono de descanso. Sem isso, os filhos ficam irritados, e os responsáveis medicam de forma indevida. 

Roberta frisou ainda que uma pessoa não deveria usar o celular assim que acorda. Esse ato de responder todas as mensagens, ou checar as plataformas digitais, faz com que o indivíduo entre no ritmo digital e fique reativo. Para ela, a pessoa fica o dia inteiro sem pensar em si própria, é manipulada e reduzida às possibilidades das redes sociais.

Segundo ela, adultos e jovens perdem a capacidade de socializar com os outros pelo uso excessivo dos celulares. De acordo com a palestrante, as crianças são minicientistas e precisam observar como o mundo ao redor funciona. Caso essa atenção ao ambiente seja trocada pelos aparelhos eletrônicos, elas perdem a capacidade de realizar tarefas simples e de conviver com a sociedade.

Palestra sobre o Impacto da tecnologia no desenvolvimento infantil. Foto: Catarina Kreischer

A convidada qualificou a Era Digital como uma ameaça à solidão, pois, observou, as pessoas ficam tão conectas que não têm tempo para si próprias. A jornalista comentou que o ato de sempre mexer nas redes sociais ensina a mente que essa é uma conexão alternativa e razoável à conversação. Roberta comentou que o indivíduo troca o encontro presencial por mecanismos digitais.

 – Se nasce o filho de uma amiga, ao invés de visitar ou telefonar, você curte a publicação e está resolvido. Ou então, você pensa que gosta muito dessa pessoa e faz um comentário. Na infância e na adolescência, nós temos o medo de perder alguma coisa. Antigamente, não sabíamos tudo o que estava acontecendo no mundo. Agora que sabemos, o nosso cérebro e nós ficamos ansiosos por medo de não saber de algum acontecimento.

Roberta associou a dopamina –neurotransmissor do prazer- com as redes sociais. De acordo com ela, a indústria de tecnologia estimula esse agente químico e, no momento que o indivíduo percebe que não recebeu nenhuma mensagem ou curtida, ele se sente ignorado. Para ela, as pessoas analisam se a foto vai ter um bom engajamento antes de postar e questionam se haverá recados no dia seguinte.

A jornalista completou ao exemplificar o que ocorre com as crianças: o nível de dopamina sobe no instante das brincadeiras, mas diminui conforme a diversão chega ao fim. Segundo a palestrante, os pequenos só recebem dopamina quando expostos às telas dos celulares e vídeo games. No momento em que os pais tiram o aparelho, comentou a palestrante, o filho estressa porque as taxas estão muito altas e, assim, o metabolismo fica desregulado.

A convidada expôs dados estatísticos para demonstrar o vício tecnológico. De acordo com ela, o usuário médio checa o celular 110 vezes ao dia, as crianças ficam, em média, 6h40 diárias nas telas, e uma a cada oito pessoas, apresenta o vício.

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima