O ser humano e os sentimentos
23/07/2020 09:45
Mariana Albuquerque

Pesquisadores de psicologia e neurociência da PUC-Rio criam projeto que usa evidências científicas para explicar emoções

 

Perfil do Instagram do projeto Sentir Com Ciência

Criado em meio à pandemia do novo coronavírus, o projeto Sentir Com Ciência tem como propósito usar o conhecimento científico para ajudar as pessoas a entenderem e lidarem melhor com os sentimentos. Divulgado no Instagram, o projeto é formado por quatro colaboradores e trabalha temas como ansiedade e raiva, por meio de breves textos acompanhados de ilustrações. 

Elaborada pelo coordenador do projeto, professor Daniel Mograbi, e pelo doutorando Bruno Salles, a ideia inicial era um aplicativo, mas que, pelas restrições da quarentena, foi substituída por uma versão mais simples e acessível - a divulgação no Instagram. De acordo com professor, o Sentir com Ciência surgiu com o duplo propósito de oferecer serviços às pessoas e difundir conhecimento sobre os sentimentos, com base em evidências científicas e com uma linguagem simples. Entraram também no projeto a graduanda Milena Guimarães, que colabora na produção dos textos e administração da página, e a psicóloga Paula Villar, que produz as ilustrações das postagens.

Segundo a equipe que produz o trabalho, a ciência é o que difere o projeto deles de outros com propostas parecidas. Milena Guimarães comenta que por trás do que a equipe posta no Instagram há explicações embasadas e conhecimentos concretos, e é esse viés distinto que outros projetos não têm. Daniel Mograbi diz que isso ocorre porque as evidências científicas explicam e comprovam, por meio de dados, fatos que o ser humano não consegue entender. O coordenador ainda afirma que se conectar com os sentimentos é uma das habilidades mais importantes que o ser humano pode desenvolver.

- As emoções são sistemas de enfrentamento e de desafios, e os sentimentos são a experiência consciente e subjetiva da emoção. Muitas vezes, a gente faz as coisas reagindo e sem saber exatamente por que fizemos aquilo. É muito mais poderoso quando a gente pode se perguntar o que está acontecendo conosco, o que a gente está sentindo e o que isso pode querer dizer. Se conectar com os sentimentos, com a nossa vida emocional, é algo que pode fazer com que a gente leve vidas muito mais completas.

Mograbi diz que a equipe tem ideias e se reúne para escolher os temas que vão ser abordados, mas o que ocorre na atualidade gera grande influência nesta escolha. Em um post, por exemplo, a equipe explica o que é ruminação e qual o papel da ciência na compreensão dessa característica. “Nosso cérebro tem áreas de auto-referência, que ativam-se quando não estamos fazendo nada em particular. Devaneamos, pensamos em nós mesmos, fazemos planos futuros. Durante a ruminação, esse modo de funcionamento padrão se conecta com áreas cerebrais responsáveis pelo processamento de afeto negativo.”, explica um trecho de um post publicado no dia 26 de junho.

O professor também comenta que a definição dos assuntos é feita com base no que os seguidores da página no Instagram votam nos stories, sugerem nos comentários das postagens ou enviam por mensagens no privado. Ansiedade, raiva e medo são os assuntos mais pedidos pelos seguidores, indicam os colaboradores do Sentir Com Ciência. A estudante Milena Guimarães revela que o retorno chega não só dos amigos próximos, mas dos que acompanham o projeto pelo Instagram.

- Esse retorno vem bastante pelos comentários nos posts, pelas mensagens no privado e até pelas respostas de stories. Mensagens tanto dos que acompanham a página, quanto dos que acompanham nossas vidas. São retornos positivos, o que nos deixa muito feliz.

Mograbi ainda ressalta que o Sentir Com Ciência surgiu de forma natural e que a equipe está aberta a várias possibilidades, como desenvolver um aplicativo ou utilizar o projeto academicamente. Para acompanhar o projeto Sentir Com Ciência, entre no Instagram: @sentir_com

Mais Recentes
Opção ágil e econômica para a leitura
Ex-aluna da PUC-RIO investe na compra e venda de livros e cria um sebo on-line
O jornalismo dos empreendedores
Editor do Projeto Colabora, Aydano André Motta aponta novos caminhos para os profissionais da área
Eterna Dama do Crime
Uma das romancistas mais populares do século XX, Agatha Christie produziu grandes títulos do gênero policial, como O Assassinato de Roger Ackroyd, lançado há 95 anos