Resposta aos sinais dos tempos
28/08/2020 12:49
Letícia Messias

O diretor do Departamento de Teologia da PUC-Rio, padre Waldecir Gonzaga, e a professora Maria Clara Bingemer integram Equipe de Análise de Conjuntura Eclesial da CNBB

O diretor do Departamento de Teologia, padre Waldecir Gonzaga, é membro da Equipe de Análise de Conjuntura Eclesial da CNBB. Foto: Isabella Lacerda  

O Concílio do Vaticano II determinou a necessidade de escutar os sinais dos tempos, e então as Igrejas ao redor do mundo deixaram olhos e ouvidos atentos. Inspirada nesta premissa, a Equipe de Análise de Conjuntura Eclesial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) foi formada no fim do último ano com o objetivo de promover uma análise da presença e atuação da Igreja no país. Teólogos, bispos, padres e religiosos refletem e discutem sobre temas importantes na agenda da Igreja brasileira. No Rio de Janeiro, os representantes são o diretor do Departamento de Teologia da PUC-Rio, padre Waldecir Gonzaga, e a teóloga e professora Maria Clara Bingemer. 

Com reuniões mensais e remotas, os encontros promovem a reflexão sobre o momento atual, que é sintetizado em um parecer e entregue ao Conselho Permanente da CNBB. Segundo padre Waldecir, a escolha dos integrantes da Equipe de Análise de Conjuntura Eclesial levou em consideração a simetria entre os participantes, que, espalhados pelo Brasil, podem contribuir para um diálogo plural. Questões como a população indígena, o racismo e a pauta das mulheres foram importantes para definir os componentes. Ele ressalta, ainda, que a PUC-Rio é a única instituição a ter duas pessoas no projeto. 

— Os critérios definiram a presença dos diretores, decanos ou coordenadores. Depois, quando se tratou de escolher uma teóloga, os olhos se voltaram para a PUC-Rio por causa da expressão da professora Maria Clara Bingemer, que é uma das teólogas latino-americanas de mais visibilidade, reconhecida e lida no mundo. Ela tem uma trajetória muito grande. 

Segundo a professora Maria Clara Bingemer, o grupo procura assessorar a conferência episcopal na missão de gerir a comunidade católica brasileira. Com um olhar plural e interdisciplinar, a teóloga afirma que o projeto abre portas para que os bispos tenham uma visão ampliada sobre os problemas da conjuntura brasileira que eles, como pastores, devem abordar. Ela ressalta, também, o sentimento de honra que teve ao ser convidada para atuar como uma das representantes do projeto. 

— O convite foi feito por Dom Paulo Cezar Costa, com quem trabalhei na PUC-Rio por muitos anos. Ele era diretor do Departamento de Teologia na mesma época em que eu era decana, e este foi um tempo muito grato na Universidade. Me alegro de estar trabalhando na equipe que ele coordena e dirige. Foi um sentimento de muita alegria, como sempre é poder servir na Igreja, colocando à disposição minha formação teológica, que me foi dada pela mesma Igreja. 

A teóloga e professora Maria Clara Bingemer relembra o convite para se tornar membro da Equipe de Análise de Conjuntura Eclesial da CNBB

Em meio à pandemia da Covid-19, o empobrecimento da população, segundo padre Waldecir Gonzaga, se tornou uma realidade que instiga a comunidade católica a se fazer solidária. Ele relembra o papel das celebrações funerais, interrompidas pelo isolamento social, e afirma que este contexto torna evidente a necessidade de a Igreja ressignificar a presença na vida das pessoas. Segundo ele, o crescente desemprego e a miséria têm preocupado os cristãos, mas também fizeram com que aumentasse a dimensão da caridade. 

— O distanciamento social precisa existir, e a Igreja não pode se sentir distante desta realidade. O mundo está ferido, e nós participamos da dor. Temos que olhar com atenção para o que está acontecendo, e sabemos que há um empobrecimento muito grande no momento atual. Nesse sentido, a Igreja se faz solidária. Uma palavra que lembramos muito, em nossas reuniões, é que nós não podemos permitir que o amor pare. O amor precisa continuar. A defesa da vida também. 

De acordo com o diretor do Departamento de Teologia, entre os temas discutidos nas reuniões está o lugar da Igreja no mundo pós-pandêmico, provocado após o questionamento do cardeal português José Tolentino. Segundo ele, a Equipe de Análise de Conjuntura Eclesial trabalha a partir do olhar da Trindade Santa, sem esquecer o desafio deixado pelo Concílio do Vaticano II. Padre Waldecir ainda destaca a importância de analisar o território nacional e identificar o que ele tem enfrentado em termos de realidade concreta e da fé cristã. 

— O texto inicial tinha o tema proposto pelo cardeal Tolentino, que colocava a pergunta: que rosto de Igreja nós queremos depois da pandemia? Isto é interessante porque já indica também que muita coisa depende da nossa vontade. Que rosto de Igreja nós queremos? O segundo ponto que nós colocamos é o grande desafio que o Vaticano II nos coloca: ler os sinais dos tempos. Ou seja, ler aquilo que está acontecendo atualmente. Então, quais são os sinais do tempo da vida concreta? Como estava o mundo antes da pandemia?

O projeto também tem contribuído para a formação do Instituto Nacional de Pastoral Padre Antoniazzi (INAPAZ), que será responsável pela Análise de Conjuntura Eclesial continuada. Para o diretor do Departamento de Teologia, padre Antoniazzi é um referencial no campo nacional, pois dedicou a vida à Igreja. Com sede em Brasília, segundo padre Waldecir, a criação vai ajudar diversas dimensões da pastoral, como a área da Bíblia, da catequese e da caridade. 

— O Instituto já existia, no passado, mas não recebia este nome. Era Instituto Nacional de Pastoral. Padre Antoniazzi foi um homem que gastou, no bom sentido, a vida, com um trabalho muito bonito na pastoral da Igreja do Brasil. Dedicar o nome ao instituto, na minha opinião, já foi um grande indicativo do valor que ele terá. Em meio a tudo o que vivemos, lembramos de 1 Coríntios 13:8, que afirma que a caridade nunca acabará. 

Além do diretor do Departamento de Teologia, padre Waldecir Gonzaga, e da professora Maria Clara Bingemer, fazem parte da Equipe de Análise de Conjuntura Eclesial: o bispo de São Carlos Dom Paulo Cezar Costa; Dom Leomar Antonio Brustolin (PUC-RS), padre Boris Austin Nef Ulloa (PUC-SP); padre Geraldo Luiz De Mori (FAJE); frei Jorge Rocha (Católica/Salvador); padre Justino Tuyuka (Diocese de São Gabriel da Cachoeira/AM); padre Marcelo Batalioto (Dehoniana/Taubaté); padre Marcial Maçaneiro, SSJ (PUC-PR); padre Marcus Barbosa Guimarães (CNBB) e padre Pedro Rubens Ferreira de Oliveira (Católica de Recife). 

Mais Recentes
Integração dos saberes marca primeiro dia de Seminário
Ao longo da semana, Universidades Jesuítas de 14 países da América Latina celebram os cinco anos da Laudato Si’
Janelas de excelência
PUC-Rio e sete universidades católicas criam parceria para ensino, pesquisa e internacionalização
Desafios da ajuda humanitária
Agentes da ACNUR relatam o trabalho com refugiados em Roraima