Ação para garantir a segurança alimentar de famílias
07/05/2021 15:48
Gabriel Meirelles

PUC-Rio lança iniciativa para beneficiar comunidades atingidas pela pandemia  

O Vice-Reitor Geral da PUC-Rio, padre Anderson Antonio Pedroso, S.J., acredita que a Universidade deve estar atenta à realidade social e que faz parte da identidade da instituição ajudar o povo carioca. Ele defende que esta solidariedade parte de uma relação entre iguais – não de uma hierarquia – e relembra o bom resultado da campanha liderada pelo Instituto Francisco, Bom Samaritano, que começou em 2020, e o modo como as doações chegam às pessoas. Os líderes comunitários de cada lugar fazem o mapeamento, apontam as pessoas que precisam e buscam os donativos com a lista dos cadastrados; a distribuição é feita de maneira justa, de acordo com as maiores necessidades e urgência.

Vice-Reitor da PUC-Rio, padre Anderson Antonio Pedroso, S.J. (Foto: Arquivo pessoal)

 - O Bom Samaritano começou por ação a partir de um grupo de leigos, o então Grupo Francisco, hoje, Instituto Francisco, que foi apoiado pela Pastoral Universitária da PUC-Rio, e, em seguida, pelo Departamento de Teologia.  Esta campanha teve um grande sucesso: já foram arrecadadas 10.320 cestas básicas, 62 mil produtos de higiene e limpeza e 116 toneladas de alimentos. Temos que quebrar essa dimensão vertical – alguém do alto ajudar quem está embaixo. Na verdade, existe uma relação horizontal. Nós somos seres humanos; estamos sensíveis às pessoas e nos reconhecemos também como parte deles. É uma lição que precisa ser repetida, relembrada - comenta.

O Vice-Reitor Comunitário, professor Augusto Sampaio, ressalta a importância da ajuda ao próximo como parte do pensamento social cristão da PUC-Rio. Segundo ele, a Universidade não pode dar as costas a um problema que atinge a todos, principalmente a população que vive marginalizada e mais sofre pelas condições de habitação e falta de recursos para comprar alimentos. O professor destacou a relação da PUC com a Rocinha, a união com coletivos da comunidade e a parceria inédita com as associações de moradores da Gávea e de São Conrado.

Vice-Reitor Comunitário, professor Augusto Sampaio (Foto: Amanda Dutra)

 - A Rocinha é uma extensão da PUC, é considerável o número de alunos, ex-alunos, funcionários e terceirizados que moram lá. Em termos de ajuda, é a comunidade que está mais próxima da Universidade. Não poderíamos ficar ausentes em uma campanha que visa exatamente à população mais atingida, que mais sofre. A PUC tem vários elos com a Rocinha, e uma das razões que nos dão garantias de que faremos um bom trabalho é que ela é feita com a comunidade por meio dos coletivos Tamo Junto Rocinha, Rocinha Resiste, Pré Vestibular Só Cria, e, pela primeira vez, temos a participação da AMA Gávea e da AMA São Conrado - observa.

Rocinha vista de cima (Foto: Rasmus Bang / Unsplash)

Conhecimento humanizado

O Diretor do Departamento de Ciências Sociais, professor Marcelo Burgos, considera que os coletivos envolvidos na campanha são fundamentais para realizar a distribuição dos alimentos e assegurar que as doações chegarão a quem realmente precisa. Ele destaca, ainda, a atuação de Frei Antônio Michels, OFM, da Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, que apoiou e vai colaborar com a logística do Elo. Burgos acredita que o pilar da extensão da Universidade é fundamental na formação integral do estudante e que ética e moral se aprendem fora da sala de aula, não em uma disciplina. Ele projeta novas ideias para o futuro, pois pensa na necessidade de atender a Rocinha para além do problema atual da fome.

Diretor do Departamento de Ciências Sociais, professor Marcelo Burgos (Foto: Gabriela Callado)

- A extensão universitária é parte fundamental do processo de ensino e pesquisa. A ambição é de irmos muito além do atendimento circunstancial desta emergência. Pensamos em incrementar uma agenda de apoio às áreas de educação e assistência social. Temos no horizonte a possibilidade de avançar muito nas questões sanitárias e de saúde pública. Estamos vislumbrando a Rocinha como um grande desafio, um espaço onde a desigualdade urbana se manifesta de forma mais cruel. Não podemos ser indiferentes a isto, sem fugir da produção de conhecimento, que é o nosso ofício - salienta.

O Diretor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo (DAU), professor Otávio Leonídio, estuda como ampliar a ajuda circunstancial da campanha Elo em um vínculo permanente com a Rocinha. Para isso, sugere a pesquisa sobre a geografia da comunidade e como o DAU pode desenvolver projetos voltados para este recorte do bairro. Leonídio destaca a atuação do Vice-Reitor Comunitário para a realização da campanha Elo e ressalta a importância do envolvimento da Universidade em iniciativas solidárias.

Diretor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo, professor Otávio Leonídio (Foto: Gabriela Azevedo)

 - Uma contribuição específica do Departamento de Arquitetura e Urbanismo pode ser ajudar a pensar questões espaciais e ambientais. Nesse sentido, queremos fazer desta iniciativa específica apenas o primeiro passo para uma extensa parceria de nosso departamento com os coletivos que integram o Elo. A Universidade, com tudo que ela dispõe e representa, tem muito a contribuir. Assim como todos os envolvidos nesta iniciativa, penso que o Elo quer se firmar como uma cooperação que vai muito além do contexto da pandemia: um elo duradouro, amplo, com muitos desdobramentos e instâncias - declara.

Assistente de coordenação do NEAM/PUC-Rio e líder do coletivo Tamo Junto Rocinha, Davison Coutinho descreve o papel das associações parceiras na campanha Elo. Sua equipe fez um levantamento das famílias que mais precisam dos recursos e desenvolveu com o Departamento de Artes & Design a identidade visual e o material de divulgação. O Tamo Junto será responsável por capilarizar as doações. Davison assegura que os alimentos serão comprados dentro da Rocinha a fim de ajudar também o comércio local e critica a ausência do Estado. Para ele, o problema da falta de alimentação deveria ser resolvido pelo governo, e a diminuição e o atraso do auxílio emergencial agravaram a fome e tornaram urgente a necessidade de campanhas como Gente é pra brilhar.

Davison Coutinho (Foto: Catarina Kreischer)

 - A fome não tem como esperar. Ela dói, e só quem já passou por isto sabe. Com a campanha, a gente vai conseguir garantir a segurança alimentar das famílias de uma forma mais efetiva, pelo menos por um período inicial de três meses. A importância do trabalho da PUC com a Rocinha vai além da entrega das cestas básicas. Ela dá voz a este território, que se sente completamente abraçado pela Universidade É uma via de mão dupla: os moradores são beneficiados, mas também a Universidade, porque está formando cada vez mais alunos não só com a excelência PUC, mas cidadãos com um pensamento crítico e mais humanizado - explica.

 

PARA CONTRIBUIR

Bom Samaritano - Instituto

Francisco:

PIX: 10.484.636/0001-00 (CNPJ)

ou Move Rio (Razão Social).

Banco Itaú, Agência 0726, Conta

Corrente 64794-4.

ELO:

Para doar por cartão de crédito ou

boleto bancário, clique aqui.

Mais Recentes
Opção ágil e econômica para a leitura
Ex-aluna da PUC-RIO investe na compra e venda de livros e cria um sebo on-line
O jornalismo dos empreendedores
Editor do Projeto Colabora, Aydano André Motta aponta novos caminhos para os profissionais da área
Eterna Dama do Crime
Uma das romancistas mais populares do século XX, Agatha Christie produziu grandes títulos do gênero policial, como O Assassinato de Roger Ackroyd, lançado há 95 anos